Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Brasil vai ultrapassar produção de 4 milhões de barris de petróleo por dia em 2025, diz diretor-geral da ANP

    Saboia reforça que novas fronteiras devem ser exploradas para sustentar crescimento

    De acordo com diretor, serão investidos mais de US$ 90 bilhões em cinco anos
    De acordo com diretor, serão investidos mais de US$ 90 bilhões em cinco anos Reuters

    Gabriel Vasconcelos e Denise Luna, do Estadão Conteúdo

    O diretor-geral da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), Rodolfo Saboia, disse que o Brasil vai ultrapassar a marca de produção de 4 milhões de barris de petróleo por dia (bpd) em 2025.

    Atualmente, o país produz mais de 3,5 milhões de bpd em média.

    “Já em 2025 deveremos ultrapassar 4 milhões de barris por dia de produção de petróleo. São mais de US$ 90 bilhões (R$ 451,24 bilhões) investidos em cinco anos. Mais 20 plataformas entrando em produção até 2027”, disse Saboia na abertura da OTC Brasil, que acontece esta semana no Rio de Janeiro.

    Saboia disse que o crescimento na produção virá não só da curva ascendente do pré-sal, como do processo de recuperação de campos maduros, protagonizado pelas petroleiras independentes.

    Contudo, o diretor alerta que será preciso partir para novas fronteiras exploratórias a fim de evitar o declínio da produção nacional a partir de 2030.

    Saboia não fez menção, mas se referia, principalmente à Margem Equatorial, onde o setor enfrenta a resistência do Ibama para emitir licenças ambientais.

    Outra fronteira que voltou à baila recentemente, inclusive listada para leilão no 4º Ciclo da Oferta Permanente da ANP é a Bacia de Pelotas, no litoral do Rio Grande do Sul.

    “Sem atividade exploratória em novas fronteiras, podemos ver a nossa produção decair a partir de 2030. É preciso ter em mente a importância estratégica da decisão que temos de tomar em relação a novas fronteiras, e com brevidade”, pontuou Saboia.

    Veja também: Petróleo segue em alta com temores sobre guerra em Israel