Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    China divulga medidas para impulsionar consumo doméstico e recuperar economia

    Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma orientou governos locais a estimular compras de carros e eletrodomésticos e utilizar veículos elétricos

    Recuperação alimentada pelo consumo da China desacelerou nos últimos meses, após o forte impulso inicial do começo do ano
    Recuperação alimentada pelo consumo da China desacelerou nos últimos meses, após o forte impulso inicial do começo do ano Li Yang/Unsplash

    do Estadão Conteúdo

    O principal órgão de planejamento da China divulgou nesta segunda-feira (31) um comunicado detalhando medidas para impulsionar o consumo doméstico, uma vez que a recuperação pós-Covid-19 da segunda maior economia do mundo perdeu força.

    A Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma (NDRC, pela sigla em inglês) orientou governos locais a aliviar restrições para compras de carros e lançar medidas para incentivar aquisições de novos veículos.

    Economia da China desacelera em maio

    O órgão também determinou que autoridades locais promovam o uso de carros elétricos em áreas do interior e aperfeiçoem a infraestrutura voltada a veículos movidos a bateria.

    O NDRC também deseja estimular o consumo de eletrodomésticos por meio de medidas de troca e reciclagem. Os governos locais poderão oferecer subsídios para consumidores rurais comprarem e trocarem eletrodomésticos, segundo o comunicado.

    A recuperação alimentada pelo consumo da China desacelerou nos últimos meses, após o forte impulso inicial do começo do ano. As vendas no varejo chinês, por exemplo, tiveram expansão anual de 3,1% em junho, bem abaixo do acréscimo de 12,7% de maio.

    O NDRC disse ainda que irá acelerar as aprovações de filmes, shows, eventos esportivos e outras apresentações, de forma a estimular gastos com esportes e entretenimento, e que irá avançar com a reforma de prédios residenciais antigos, por meio de fundos especiais e fundos de previdência habitacional, além de promover reformas em favelas de grandes cidades.

    O órgão também permitirá que projetos relacionados a consumo utilizem recursos de fundos de investimento imobiliário e pediu às instituições financeiras que reduzam taxas de juros de cartões de crédito e empréstimos de consumo.