Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Como uma startup está usando redes de pesca velhas para ajudar no combate à crise climática

    Startup de Seichelles recicla plástico de redes de pesca para produzir nylon usado em roupas

    Kyle de Bouter, dono da Brikole, segura um shorts feito com material reciclado de redes de pesca
    Kyle de Bouter, dono da Brikole, segura um shorts feito com material reciclado de redes de pesca Paul Glader/CNN Internacional

    Paul Gladerda CNN

    Victoria, Seicheles

    Kyle de Bouter segura um par de shorts feitos de redes de pesca recicladas, enquanto trabalhadores cortam velhas redes de nylon para empilhá-las em fardos de uma tonelada e dois metros quadrados.

    A empresa de De Bouter, Brikole, é uma startup de “economia circular” que recicla redes descartadas da indústria da pesca do atum.

    Ele notou as redes se acumulando no principal porto de Victória, a capital de Seicheles, um país insular da costa africana, e percebeu que reciclar os produtos descartados poderia gerar seu sustento, ao mesmo tempo que ajudaria a limpar o lixo e a criar empregos.

    Ele sonhava em contratar seichelenses para converter as redes em produtos como bolsas, redes ou shorts.

    Embora a Organização das Nações Unidas (ONU) e outros países e entidades estejam buscando estimular as grandes empresas dos países desenvolvidos a atingirem objetivos de sustentabilidade, as pequenas e médias empresas nos países em desenvolvimento também são importantes e muitas vezes ignoradas.

    Pesquisadores notaram que as pequenas empresas representam 90% ou mais da atividade comercial e empregam a maioria dos trabalhadores em todo o mundo, mas tendem a estar menos envolvidas na sustentabilidade.

    A ONU observa que apenas 7,2% dos materiais usados ​​são reciclados de volta para a economia global, número menor na comparação com os 9,1% em 2018.

    “Queríamos criar o máximo possível de atividade econômica para as Seicheles”, mesmo com um negócio pequeno e simples, disse De Bouter à CNN.

    As Seicheles, uma pequena nação com cerca de 100.000 habitantes no Oceano Índico, possuem 1,3 milhões de quilômetros quadrados de território marinho que rodeia o seu arquipélago de 115 ilhas.

    Os líderes e instituições das Seicheles procuram constantemente formas de combater as alterações climáticas e promover o desenvolvimento nas suas ilhas.

    Dado que a área é privilegiada para a pesca, especialmente a pesca do atum, muitos nas Seicheles acreditam que essas indústrias são um bom ponto de partida.

    Resultado positivo

    Cerca de 48 navios atuneiros de vários países – incluindo Espanha, França e Coreia do Sul – pescam nas águas das Seicheles, utilizando redes que puxam mais de 400.000 toneladas métricas de atum e descarregam cerca de 62.000 toneladas métricas de atum para enlatamento numa fábrica no porto de Victória todos os anos.

    Apenas o setor de turismo contribui mais para o PIB do arquipélago do que o atum. Fontes governamentais e pesquisadores afirmam que a indústria do atum fornece mais de 5% do PIB e cerca de 68% do total das exportações.

    As redes de nylon com quilômetros de extensão, que se desgastam periodicamente, se acumularam nos estaleiros e criaram lixo.

    De Bouter diz que os ministros do governo, a indústria pesqueira e a autoridade portuária compreenderam a necessidade de resolver o problema e “foram fundamentais no apoio vocal” ao seu projeto aparentemente simples quando este encontrou obstáculos operacionais.

    “Economia azul”

    Dada a sua localização, as Seicheles estão abraçando a ideia da “economia azul”, que o Banco Mundial define como “uso sustentável dos recursos oceânicos para beneficiar as economias, os meios de subsistência e a saúde do ecossistema oceânico”.

    A ONU estima que a economia azul valha mais de US$ 1,5 trilhão (R$ 7,36 trilhões) por ano mundialmente, empregando mais de 30 milhões e alimentando mais de 3 bilhões de pessoas por ano.

    As Seicheles têm um “Departamento de Economia Azul” governamental, que tem roteiros para orientar a utilização e o desenvolvimento dos oceanos.

    Pequenas nações insulares como as Seicheles enfrentam vulnerabilidades únicas, uma vez que dependem do oceano para sobreviver, mas também enfrentam impactos das alterações climáticas, como a subida do nível do mar, alterações nos padrões de precipitação e danos ácidos nos recifes de coral.

    Os defensores dos modelos de negócio da economia circular afirmam que a abordagem inspira os pequenos países e indústrias a tornarem-se mais sustentáveis ​​e mais inovadores.

    “Numa economia circular, os produtos e materiais são mantidos em circulação através de processos como manutenção, reutilização, renovação, refabricação, reciclagem e compostagem”, afirma a Fundação Ellen MacArthur, sediada no Reino Unido.

    “A economia circular aborda as alterações climáticas e outros desafios globais, como a perda de biodiversidade, os resíduos e a poluição, dissociando a atividade econômica do consumo de recursos finitos.”

    As Nações Unidas observam que uma utilização mais circular de concreto, aço, plástico e alumínio poderia ajudar a reduzir as emissões globais de gases de efeito estufa em 40% até 2050.

    A ONU ponta exemplos no Kosovo, em Gana e nas Filipinas para a criação de modelos de economia circular.

    Sylvanna Antat, que dirige o Instituto de Investigação da Economia Azul da Universidade das Seicheles, afirma que embora a ilha tenha acrescentado algum apoio aos empreendedores, tem espaço para crescer.

    Ela e outros querem ver formada uma “incubadora” para oferecer espaço para jovens empreendedores.

    “Os pequenos estados insulares estão na linha da frente da economia azul”, escreveu o antigo presidente das Seicheles, James Alix Michel, num jornal local, The Nation, em outubro.

    Michel deu o alarme nos últimos anos de que algumas das ilhas desabitadas das Seychelles poderiam desaparecer e que isso seria debatido na COP28 este mês em Dubai.

    Ele defendeu a atividade de “jovens empreendedores inventivos” para melhorar a sociedade, mencionando as redes de pesca recicladas como um exemplo.

    Obstáculos

    Originalmente, De Bouter queria reciclar as redes e produzir produtos de nylon nas Seicheles.

    Isso significaria obter, movimentar, lavar, secar e triturar as redes e colocá-las em máquinas para fazer pallets de nylon que poderiam ser transformados em tecidos e outros produtos.

    Ele logo percebeu a série de limitações que enfrentava. A eletricidade para as empresas nas Seicheles pode custar três vezes o custo nos países ocidentais. Os elevados custos de renda e o fornecimento irregular de redes criam obstáculos adicionais.

    De Bouter começou a fazer parcerias com associações da indústria da pesca do atum na Espanha e na França, o que significa que as empresas e os capitães dos navios dos países que operam nas águas das Seicheles são incentivados a doar as suas redes descartadas à Brikole.

    “Isto está resolvendo o problema das redes de pesca desgastadas”, disse Julio Morón, diretor-gerente da organização espanhola de pesca do atum chamada OPAGAC.

    Em troca do recebimento das redes doadas, Brikole concorda em manter empregados os trabalhadores das Seicheles, em dar uma porcentagem dos lucros a projetos comunitários e em listar empresas pesqueiras de França e Espanha como patrocinadores.

    À medida que De Bouter ganhava redes para processar, ele não quis enviar o nylon reciclado para a China por questões ambientais, trabalhistas e de transparência.

    Eventualmente, ele encontrou uma empresa chamada Bureo, com sede na Califórnia, que se concentra no problema de 8 bilhões de quilos de plástico despejado no oceano a cada ano, com o objetivo de remover o que considera a forma mais prejudicial de plástico – as redes de pesca – do oceano.

    Assim, depois que a equipe de De Bouter coleta as redes, corta-as e envia-as para Bureo, na Califórnia, esta última empresa transforma as redes de pesca em pallets de nylon e depois as transforma em seu material “NetPlus” usado em tecidos, óculos de sol e outros produtos de marcas como Patagônia, Yeti e Trek.

    A Bureo está desenvolvendo uma linha de produtos NetPlus, como roupas feitas para o mercado das Seicheles a partir de redes recicladas do arquipélago, de acordo com Manuel Sigren, gerente de fornecimento global da Bureo.

    Com a Brikole reciclando mais de 500 toneladas de redes de pesca no ano passado, as Seicheles poderiam contribuir com uma porcentagem crescente – até 25% no futuro – da produção total atual de nylon da Bureo, de acordo com Sigren.

    Como resultado, a Bureo disse que planeja criar um centro de processamento de nylon na África ou na Ásia nos próximos dois anos para que as redes possam ser processadas regionalmente em vez de serem transportadas através dos oceanos.

    A indústria do nylon arrecada anualmente US$ 31 bilhões (R$ 152,16 bilhões) em receitas para empresas como a DuPont, BASF e DOMO Chemicals, de acordo com a Grandview Research, e deverá crescer 5% ao ano.

    O trabalho de Brikole e Bureo sugere que uma maior parte dessa receita poderia ser gerada pelo nylon reciclado, em vez do nylon recém-produzido.

    Próximos passos

    Joshua Tiatouse, funcionário de 19 anos da Brikole, corta pedaços das redes de pesca para que sejam recicladas
    Joshua Tiatouse, funcionário de 19 anos da Brikole, corta pedaços das redes de pesca para que sejam recicladas / Paul Glader/CNN Internacional

    Quando as empresas de atum o alertam sobre a doação de redes, De Bouter aluga um guindaste e outros equipamentos para transportar as redes até seu espaço de trabalho próximo aos estaleiros.

    Seus seis trabalhadores desembaraçam as redes e usam facas de cozinha afiadas para cortá-las em painéis de 2 por 3 metros.

    Num recente dia ensolarado, no pátio de concreto atrás do escritório do armazém de Brikole, Joshua Tiatousse estava ocupado cortando redes de nylon enquanto ficava descalço no concreto e ouvia reggae em seus fones de ouvido.

    “Um amigo me contou” sobre o trabalho, disse Tiatousse, de 19 anos.

    Quando De Bouter recebe amostras de tecido de nylon da Bureo feitas inteiramente a partir das redes adquiridas pela Brikole, ele planeja enviar os tecidos para uma escola local de arte e design para que os alunos tenham ideias para produtos, fornecendo informações criativas locais nos produtos finais que os parceiros produzem.

    “Será um projeto de demonstração para mostrar à nação e ao mundo o que é possível”, disse ele. “Gostaríamos de dizer que isto é feito nas Seicheles.”

    Veja também: Mercado de carbono movimenta a economia verde

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original