Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Debate não é tributação a mais para milionários, mas correção de distorções no sistema, diz secretário da Receita

    Robinson Barreirinhas participou do Fórum Internacional Tributário, organizado por Anfip, Fenafisco e Sindifisco Nacional

    Segundo Barreirinhas, um professor paga muito mais imposto no Brasil que um milionário
    Segundo Barreirinhas, um professor paga muito mais imposto no Brasil que um milionário Freepik

    Eduardo Rodrigues, do Estadão Conteúdo

    Após a publicação na segunda-feira (28) das medidas para a tributação de offshores e fundos exclusivos, o secretário da Receita Federal, Robinson Barreirinhas, disse nesta terça-feira (29) que o governo quer corrigir distorções do sistema tributário, cobrando imposto de pessoas com renda altíssima.

    “A maior parte das pessoas nunca ouviu falar de fundos fechados e offshores. Não estamos discutindo imposto sobre grandes fortunas, que está na Constituição. Não debatemos uma tributação a mais para os milionários, mas uma correção de distorções do nosso sistema”, afirmou, em participação no Fórum Internacional Tributário, organizado por Anfip, Fenafisco e Sindifisco Nacional.

    Segundo Barreirinhas, um professor paga muito mais imposto no Brasil que um milionário.

    “É isso que precisamos debater. Só o fato de estarmos discutindo isso é um grande avanço, que me deixa muito feliz”, completou o secretário.

    Enquanto o governo divulga medidas para aumento de receitas para o cumprimento da meta de déficit primário zero em 2024, o secretário da Receita Federal, Robinson Barreirinhas, defendeu o corte de gastos tributários em vez da redução de despesas com políticas sociais.

    “Não estou dizendo que não precisa que o gasto seja eficiente, mas falar em corte de gastos linearmente chega a ser cruel em um país com tanta desigualdade social. Vamos cortar o gasto tributário, as distorções e brechas que fazem que algumas pessoas sejam mais que outras no Brasil”, afirmou Barreirinhas.

    Veja também: Entenda como será a taxação dos super-ricos e offshores