Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Dois anos depois, trabalho remoto transformou milhões de carreiras

    Algumas empresas estão determinadas a voltar a trazer todos de volta ao escritório, enquanto outras adotaram o trabalho remoto ou híbrido

    Pessoa pensativa no home office
    Pessoa pensativa no home office Yasmina H / Unsplash

    Kathryn Vaseldo CNN Business

    A pandemia empurrou o mundo do trabalho para uma nova realidade em março de 2020, quando os escritórios fecharam e milhões de pessoas foram forçadas a aprender a fazer seu trabalho em casa.

    Dois anos depois, empregadores e trabalhadores ainda estão se adaptando a um “novo normal”, e tentando descobrir como será o futuro do trabalho.

    Algumas empresas estão determinadas a voltar à forma como as coisas eram e trazer todos de volta ao escritório. E alguns adotaram o trabalho remoto, permitindo que os funcionários trabalhem em casa em período integral ou parte do tempo.

    Mas muitos trabalhadores estão decidindo traçar seu próprio curso. Alguns descobriram que adoram trabalhar em casa e nunca mais querem pisar em um escritório novamente. Outros estão ansiosos para voltar – perdendo a colaboração pessoal e socializando com os colegas. E alguns querem um pouco dos dois mundos.

    Isso levou muitos funcionários a repensar ou até mesmo mudar de carreira e fazer outras grandes mudanças. Aqui está uma ideia de como a pandemia reformulou as carreiras das pessoas de maneiras que nunca esperavam.

    Mudando para o outro lado do país e começando uma nova vida

    Depois que seu trabalho foi totalmente remoto, Chelsea Pruitt decidiu se mudar da Califórnia para o Alabama/ Reprodução/ Simone Anne

    Chelsea Pruitt (31) viveu na Califórnia por quase toda a sua vida. Agora, ela está indo para o Alabama.

    Antes da pandemia, Pruitt pensava em se mudar, mas foi só quando começou a trabalhar remotamente que a decisão ficou muito mais fácil de tomar.

    “Sinto que meu capítulo na vida em São Francisco está mudando”, disse ela. “Minha perspectiva sobre as coisas está mudando. As coisas que eu quero da vida estão mudando.”

    Pruitt começou a trabalhar para a empresa de aluguel de imóveis de longo prazo Zeus Living em janeiro de 2020, pouco antes da pandemia atingir os EUA. Na época, ela ia ao escritório cinco dias por semana. Mas quando a pandemia começou a fechar as coisas em março, ela começou a trabalhar remotamente em período integral.

    Isso era exatamente o que Pruitt precisava para tomar sua decisão. Ela visitou um colega de trabalho em Birmingham, Alabama, algumas vezes e decidiu que era o lugar que ela queria morar.

    “Adoro a vibe da cidade, a mudança, e adorei que seja mais tranquilo, lento e menos estressante e, obviamente, muito mais acessível [do que São Francisco], com a qual estou muito empolgada”.

    O alto custo de vida em San Francisco significava que ela sempre tinha que ter colegas de quarto. “Em San Francisco, não me vejo sendo capaz de possuir uma casa a menos que seja casada e tenha uma renda dupla”, disse ela.

    Mas como seu salário permanecerá o mesmo após a mudança para Birmingham, e o custo de vida será significativamente menor, ela poderá economizar mais e, com sorte, comprar uma casa própria e pagar seus empréstimos estudantis.

    “Estou ansiosa por esse alívio mental sabendo que meu custo de vida é menor e posso economizar mais”, disse ela.

    Finalmente tomando coragem

    Carlos Ortiz iniciou seu próprio negócio de consultoria durante a pandemia / Divulgação/ Carlos Ortiz

    Carlos Ortiz (48) trabalhava como inspetor na Food and Drug Administration (FDA) dos EUA há 19 anos antes da pandemia. Ele estava pensando em deixar seu emprego por alguns anos, mas estava nervoso em fazer uma mudança tão grande.

    “Comecei a reavaliar a vida e as oportunidades”, disse Ortiz sobre aquela época. “Mas eu estava muito confortável recebendo um salário a cada duas semanas.”

    Mas em abril de 2020, quando as empresas estavam fechando seus escritórios em todo o país, ele percebeu que queria mais controle sobre sua vida – especialmente quando se tratava de seu trabalho. Então ele começou a planejar o lançamento de seu próprio negócio.

    “Muitos dos meus amigos são empresários e empreendedores, e eu nunca trabalhei na indústria privada… então decidi, deixe-me tentar”, disse ele.

    No início de 2021, ele deixou o emprego em período integral e abriu uma empresa de consultoria para aconselhar empresas sobre como cumprir as regulamentações governamentais.

    Para ajudar a fornecer alguma proteção financeira ao lançar o novo empreendimento, Ortiz estava economizando folgas não utilizadas, pelas quais foi pago quando deixou o emprego.

    No início, “foi muito assustador”, disse ele. Agora, ele está ganhando um pouco menos do que em seu antigo emprego, mas está trabalhando apenas 20 horas por semana.

    Ortiz disse que também tem mais controle sobre sua agenda e, como a maior parte de seus negócios é feita por telefone e videochamadas, ele pode trabalhar de qualquer lugar. Até agora, ele trabalhou em Genebra, Suíça, San Antonio e Anchorage, no Alasca.

    “Estou voltando à minha arte e lendo muito mais… e me exercitando muito mais. E estou fazendo minhas tarefas como sempre fiz, mas agora não estou exausto.”

    Aproveitando a vida híbrida

    Depois de trabalhar em casa por dois anos, John Pearson sentiu falta da colaboração e socialização que acontece no escritório / Reprodução/ Lisa Pearson

    John Pearson (55) costumava ter um prazo rígido de 6h da manhã para sair da garagem e ir para o trabalho todas as manhãs.

    “Caso contrário, o trajeto vai de uma hora para algo muito pior”, disse Pearson que é vice-presidente sênior da PTC, uma empresa de software industrial em Boston.

    Mas, nos últimos dois anos, seu trajeto foi uma rápida caminhada pelo corredor até seu escritório em casa.

    No início, ele disse que era mais produtivo e menos distraído ao trabalhar em casa. Mas agora que ele começou a ir periodicamente ao escritório, ele percebe que há algumas vantagens no trabalho presencial.

    “Posso resolver problemas mais complexos muito mais rápido em uma sala com duas ou três pessoas e um quadro branco do que com o Zoom”, disse ele.

    Ele também percebeu que sentia falta de conversar com as pessoas no escritório sobre coisas simples, como seus filhos ou o que estavam assistindo na TV. “Quando você está pulando de uma chamada de 30 minutos para uma chamada de 30 minutos em vídeo, você simplesmente não faz tanto isso.”

    Sua empresa planeja oferecer um modelo flexível a seus funcionários — algo que Pearson prefere. Seu objetivo é estar no escritório de dois a três dias por semana.

    E por mais que não gostasse do trajeto, começou a perceber o papel que desempenhava. “É realmente uma ruptura firme na qual você se afasta e fecha seu laptop.”

    Conversão ao home office

    Rashmi Bhankhede costumava preferir estar no escritório cinco dias por semana. Agora ela espera trabalhar remotamente em tempo integral / Reprodução/ Rashmi Bhankhede

    Rashmi Bhankhede (43) nunca gostou muito da ideia de trabalhar em casa.

    “Antes da pandemia… definitivamente preferia trabalhar cara a cara neste ambiente de escritório aberto”, disse ela. “Achei que era a maneira mais produtiva para todos.”

    Como gerente sênior de engenharia de software na Capital One, ela gerencia duas equipes. Ela costumava querer que suas equipes entrassem no escritório para colaborar, discutir projetos, realizar sessões de feedback e interagir em um nível mais social. Mas a pandemia mudou sua abordagem.

    Depois de dois anos trabalhando em casa, ela espera tornar o trabalho remoto permanente. A Capital One disse que estará em um cronograma híbrido quando reabrir seus escritórios.

    “Não importa onde você esteja. Se você tiver bons processos para se conectar com seus colegas e subordinados [diretos], trabalhar remotamente pode ser muito produtivo”, disse Bhankhede.

    Ela acrescentou que a flexibilidade a ajuda a gerenciar melhor seu tempo e que sua equipe se tornou mais próxima — mesmo que não se vejam pessoalmente há dois anos.

    Para definir melhor a fronteira entre o trabalho e a vida pessoal, Bhankhede se veste com roupas de trabalho todas as manhãs e troca de roupa no final do dia, seguida de uma atividade relaxante como uma caminhada.

    Trabalhar em casa também significou passar mais tempo com seus dois filhos e aprender novos hobbies, já que ela não precisa mais se deslocar.

    “Comecei a cultivar pimentões, tomates e pepinos… e voltei a costurar”, disse ela. “Eu ainda não sou boa nisso”, brinca.

    Transformando um hobby em uma nova carreira

    Cody Irion voltou a estudar e trocou de carreira durante a pandemia/ Reprodução/ Cody Irion

    A pandemia atingiu bem quando a temporada movimentada de Cody Irion (35) estava prestes a começar.

    Em 2020, ele era dono de uma empresa de transporte de cavalos na Carolina do Norte. Normalmente, abril a agosto eram seus meses mais lucrativos, mas quando as ordens de ficar em casa começaram a varrer os EUA, ele rapidamente decidiu fechar seu negócio, vender o equipamento e voltar a estudar para se formar em ciência da computação.

    “Tive a opção de me endividar muito para continuar ou mudar de carreira”, disse Irion. “Comecei a aprender desenvolvimento de software como um hobby e gostei muito, então não hesitei.”

    Ele se matriculou na Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill e, como a maioria de suas aulas é virtual, ele não precisou se mudar para mais perto do campus até o último ano, economizando muito dinheiro.

    Ele também acredita que teve mais oportunidades de estágio no verão passado, já que muitas empresas ainda estavam operando remotamente.

    Irion deve se formar em maio e já tem um emprego em uma empresa de serviços financeiros.

    “Eu nunca tinha pensado em engenharia de software antes de começar como hobby porque cresci no sul de Illinois com cavalos de corrida”, disse ele. “Eu não sabia nada sobre a indústria além de gostar de computadores e comecei a aprender e percebi que era muito bom nisso.”

    Transformando um negócio paralelo em um trabalho em tempo integral

    Mabel Frias (foto à esquerda com sua irmã) deixou seu emprego em tempo integral durante a pandemia para se comprometer totalmente com seu negócio paralelo, Luna Magic / Reprodução/ Luna Magic

    Mabel Frias estava fazendo malabarismos com dois empregos no início da pandemia, mas acabou tendo que tomar uma decisão: ficar com a segurança de seu emprego em período integral ou seguir uma vida mais arriscada como empreendedora.

    Em março de 2020, Frias estava quatro meses trabalhando no que ela descreveu como seu “emprego dos sonhos” como diretora de merchandising digital da marca de lingerie Savage X Fenty. Enquanto isso, ela também estava tentando desenvolver a Luna Magic, uma marca de beleza que ela lançou com sua irmã em 2019.

    Mas como a pandemia forçou muitos trabalhadores a fazerem seus trabalhos remotamente, a Luna Magic começou a ganhar mais força e a exigir mais de seu tempo.

    “Mesmo vivendo em uma cultura do Zoom, as pessoas ainda queriam ter uma boa aparência do rosto para cima. Você ainda queria ter um nível de apresentação enquanto está na tela”, disse Frias, 35 anos.

    Enquanto trabalhar em dois empregos significava longas horas durante a semana e fins de semana, Frias estava nervosa por deixar seu emprego em tempo integral e a segurança financeira que isso trazia.

    Então ela estabeleceu certos padrões para o Luna Magic atingir, incluindo parcerias e oportunidades de negócios, antes que ela pudesse se sentir à vontade para ir embora.

    “Parte dos desafios que muitos empreendedores têm é que eles se apressam”, disse ela. “Não gosto de ter ansiedade econômica. Também sou mãe e penso de maneira prática sobre esses assuntos”.

    Em pouco tempo, a empresa estava atingindo seus objetivos. Em 2020, o Walmart.com começou a vender os produtos da empresa, que incluem maquiagem e outros cosméticos. E em 2021, Walmart e Target começaram a levar produtos em algumas lojas, além de online.

    “Eu tinha que confiar em mim mesma. Gostei da ideia de cultivar algo do zero”, disse ela.

    Em 2020, Frias se candidatou ao Shark Tank da ABC e foi aceita. O programa, que mostra empreendedores apresentando seus negócios para um painel de investidores, foi ao ar em janeiro de 2021 – no mesmo dia em que Frias deixou o emprego.

    “Adoro a magia de criar algo do nada. Vi nossa empresa quando conseguimos trazer ainda mais beleza ao mundo em um momento em que as pessoas estão procurando por isso”, disse Frias.

    Acabou a faculdade e mal pode esperar para trabalhar pessoalmente

    Rachel Zipfel começou seu novo emprego trabalhando totalmente remotamente, mas espera estar no escritório cinco dias por semana / Reprodução/ Joann Zipfel

    Rachel Zipfel (23) terminou seus cursos universitários no mesmo lugar em que começou seu primeiro emprego em tempo integral: em um quarto na casa dos pais.

    Zipfel, formou-se em marketing pela University of Missouri, St. Louis, em agosto de 2021. Mas por causa da pandemia, suas aulas foram remotas durante quase seus dois últimos anos de faculdade.

    Ela agora está trabalhando remotamente para uma agência de marketing digital e encontrou seus colegas cerca de cinco vezes pessoalmente. Ela sente que trabalhar em casa tornou mais difícil se acostumar com o mundo do trabalho.

    Quando ela começou, ela achou um desafio aprender o funcionamento das coisas.

    “Se você está tentando fazer uma pergunta a alguém, você não sabe o que eles estão fazendo do outro lado do computador, então o que poderia ser uma pergunta de cinco minutos pessoalmente [pode se transformar] em talvez duas horas de espera uma resposta”, disse ela.

    Zipfel começou a ir ao escritório uma vez por semana em janeiro e disse que se sente mais produtiva. Ela espera eventualmente estar lá cinco dias por semana.

    “Eu notei um mundo de diferença”, disse ela.

    “Não há nenhuma das distrações que estão em casa. É muito mais fácil trabalhar. Se a pessoa com quem preciso falar, posso ter minha pergunta respondida em cinco segundos em vez de duas horas. Adoro estar no escritório e mal posso esperar para que volte a abrir.”

    Sair de um trabalho que o queria de volta no escritório

    Quando Ryan Bernsten descobriu que seu empregador queria que ele voltasse ao escritório, ele encontrou um novo emprego / Reprodução/ Brett Lake

    Ryan Bernsten (29) estava trabalhando em seu novo emprego como redator por algumas semanas em março de 2020, quando foi enviado para casa para trabalhar remotamente.

    Na época, ele estava preocupado sobre como isso funcionaria. “Trabalhar em casa? Como seria isso? Vou perder toda a interação social — sou novo aqui”, lembrou ele.

    Mas eventualmente ele se adaptou. Agora, dois anos depois, ele prefere o trabalho remoto.

    Trabalhar em casa, disse ele, permite que ele seja mais produtivo e tenha um melhor equilíbrio entre vida profissional e pessoal. Então, quando soube que seria obrigado a voltar ao escritório alguns dias por semana, começou a procurar um novo emprego que lhe permitisse permanecer remoto.

    “Se eles não validarem que gosto de trabalhar em casa, que sou melhor em casa e gosto do meu estilo de vida em casa, preciso encontrar um emprego que o faça”, disse ele.

    Ele levou menos de um mês para conseguir um novo emprego totalmente remoto.

    “Eu nunca tenho que voltar ao escritório”, disse Bernsten. “Você vê as pessoas no seu melhor. Se voarmos para São Francisco para uma reunião, a adrenalina está lá, estamos animados para ver as pessoas, vamos fazer valer a pena. Mas você não precisa ver as pessoas todos os dias… quando estão resfriados, de mau humor ou brigando com o parceiro.”

    E ele não apenas obteve mais flexibilidade, como também um salário mais alto.

    “Não acredito que todos precisem trabalhar em casa”, disse ele. “Mas algumas pessoas trabalham melhor em casa. Eu nunca acordo com medo do trabalho porque estou no conforto da minha casa.”

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original