Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Economia da China cresce 4,9% no terceiro trimestre

    Número superou estimativa de crescimento de economistas e torna a meta de crescimento anual de Pequim atingível

    Bandeira da China em Pequim
    Bandeira da China em Pequim Carlos Garcia Rawlins/Reuters (12.mai.22)

    Laura Heda CNN

    Hong Kong

    A economia da China expandiu 4,9% no terceiro trimestre, em comparação com o mesmo período do ano anterior, informou o Departamento Nacional de Estatísticas nesta quarta-feira (18).

    O número foi superior à estimativa de crescimento de 4,4% de uma pesquisa da Reuters com economistas e torna a meta de crescimento anual de Pequim atingível.

    “A meta de crescimento de [cerca de] 5% deverá ser alcançada”, disse Zhiwei Zhang, presidente e economista-chefe da Pinpoint Asset Management em Hong Kong, em uma nota de pesquisa.

    Numa base trimestral, a economia aumentou 1,3% no período de julho a setembro, em comparação com um crescimento de 0,8% nos três meses anteriores.

    Considerando os primeiros nove meses de 2023, a economia chinesa cresceu 5,2% em relação ao ano anterior.

    Os gastos dos consumidores emergiram como um dos pontos mais positivos no período de julho a setembro, de acordo com dados do DNE.

    Ainda assim, o setor imobiliário – que representa cerca de 30% da economia do país – continua sendo um obstáculo. O investimento imobiliário caiu 9,1% nos primeiros nove meses de 2023, em comparação com o mesmo período do ano passado, segundo o DNE.

    O mercado imobiliário entrou em crise há mais de dois anos, após uma repressão liderada pelo governo aos empréstimos dos promotores. É provável que a recessão se prolongue, representando uma grande ameaça às perspectivas de crescimento da China nos próximos três a cinco anos.

    A segunda maior economia do mundo teve um início de ano sólido, após três anos de restrições da Covid. Mas a recuperação fracassou nos meses de abril a junho, em um contexto de gastos fracos dos consumidores, uma queda persistente no setor imobiliário e uma procura global fraca pelos seus bens manufaturados.

    Pequim intensificou os seus esforços para relançar o crescimento, incluindo a redução das taxas de juro, a eliminação das restrições à compra de casas e de automóveis, a aceleração de projetos de infraestrutura e o relaxamento do controle de capitais para atrair o investimento estrangeiro.

    “Há sinais positivos suficientes nos dados recentes para sugerir que a economia virou a página”, disseram analistas da Capital Economics num relatório de pesquisa na quarta-feira.

    “Isto reflete em parte o recente aumento no apoio político, que parece destinado a continuar nos próximos meses”, acrescentaram.

    Gastos mais fortes do consumidor

    Outros dados divulgados pelo DNE nesta quarta-feira (18) apontaram para mais sinais de estabilização.

    Os gastos do consumidor estão em terreno sólido. As vendas no varejo saltaram 5,5% em setembro, o ritmo de crescimento mais rápido em quatro meses.

    Os gastos com bens e serviços relacionados às festividades aceleraram no mês passado, antes do feriado prolongado da Semana Sagrada, que durou oito dias até 6 de outubro.

    As vendas de tabaco e álcool aumentaram 23% em setembro em relação ao ano anterior, o maior aumento entre todos os segmentos de gastos. Em seguida, os serviços de restauração e os produtos de esporte e entretenimento, que registaram crescimentos de 12,8% e 10,7%, respetivamente.

    A produção industrial aumentou 4,5% em setembro em relação ao ano anterior, igualando o crescimento em agosto.

    O investimento em ativos fixos como estradas e aeroportos cresceu 3,1% nos primeiros nove meses do ano. No setor privado, o investimento recuou 0,6%, mas o investimento no sector estatal aumentou 7,2%. Em particular, o investimento em infraestruturas acelerou.

    Enquanto isso, o desemprego caiu surpreendentemente. A taxa de desemprego urbano, que mede o desemprego nas cidades e vilas, caiu para 5% em setembro, face a 5,2% em agosto. É o nível mais baixo desde novembro de 2021.

    Mas não foram fornecidas informações sobre o desemprego juvenil, que atingiu um máximo histórico de 21,3% em junho, antes da suspensão da divulgação dos dados.

    “Apesar do elevado desemprego entre os jovens, a resiliência do mercado de trabalho provavelmente ajudou a estabelecer um limite mínimo para os gastos do consumidor”, afirmaram os analistas da Capital Economics.

    Recuperação econômica incipiente

    Não é de surpreender que o setor imobiliário ainda esteja em contração.

    As novas habitações construídas, medidas pela área útil, diminuíram 23,4% em relação a setembro, após uma queda de 24,4% nos primeiros oito meses.

    A construção de novas habitações está agora no seu nível mais baixo desde 2005, sugerindo que “os promotores continuam cautelosos”, disseram os analistas da Capital Economics.

    Uma pesquisa oficial sobre os preços da habitação será divulgada pelo DNE na quinta-feira.

    “A recuperação econômica ainda está é muito incipiente”, disse Harry Murphy Cruise, economista da Moody’s Analytics.

    “E como a deterioração do mercado imobiliário não mostra sinais de afrouxamento, uma nuvem negra paira sobre nós. “

    Com base nos dados de hoje, Cruise espera que a economia chinesa cresça 5% em 2023, um pouco acima da estimativa anterior da empresa de 4,9%.

    No início deste mês, o Banco Mundial manteve a sua previsão de que o PIB da China crescerá 5,1% em 2023. Mas reduziu a sua previsão para 2024 de 4,8% para 4,4%, citando dificuldades persistentes, como a dívida elevada, a fraqueza da propriedade e o envelhecimento da população.

    Veja também: China estabelece meta de crescimento de 5% para 2023

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original