Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Economia tem que crescer e precisa de investimento público e privado, diz Lula

    Presidente discursou durante conferência eleitoral do Partido dos Trabalhadores (PT), em Brasília

    O presidente Lula durante discurso no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, em Brasília
    O presidente Lula durante discurso no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, em Brasília Reprodução/PT

    Amanda Sampaioda CNN

    São Paulo

    O presidente Lula participou nesta sexta-feira (8) de conferência eleitoral do Partido dos Trabalhadores (PT), no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, em Brasília.

    Durante o evento, que tem como objetivo criar estratégias para as eleições municipais do próximo ano, o presidente falou sobre os investimentos necessários para o crescimento da economia do país.

    “Nós sabemos que a economia brasileira tem que crescer, e nós sabemos que para ela crescer tem que ter investimento, e nós sabemos que para ter investimento tem que ter dois investimentos: um é privado, quando a gente tem projeto, mas se não tiver privado [sic], a gente tem que ter dinheiro público para fazer a economia crescer, para fazer gerar emprego e fazer distribuição de riqueza nesse país”, afirmou.

    Lula também mencionou um encontro que teve com a chefe do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, em Hiroshima, no Japão. Segundo ele, na ocasião, Geogieva chamou a crise econômica de “muito difícil” e afirmou que o Brasil iria crescer “algo como 0,7%”.

    “Como a 0,7%? Você não conhece. Nós, brasileiros, não desistimos nunca, e agora a economia vai crescer, no mínimo, 3%. Os empregos, nós vamos chegar a 2 milhões. É muito? Não, é pouco. Nós queremos mais”, completou.

    Também estiveram presentes no evento o ministro da Fazenda, Fernando Haddad; o ministro da Secretaria de Comunicação Social, Paulo Pimenta; o ministro da Educação, Camilo Santana; o ministro do Desenvolvimento Agrário, Paulo Teixeira e o ministro do Trabalho e Emprego, Luiz Marinho.

    Veja também: Endividados aprovam o programa Desenrola, mas falta conhecimento