Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Estrangeiros aquecem mercado imobiliário de luxo no Rio de Janeiro; veja fotos

    Procura de imóveis no estado por investidores que moram fora do Brasil subiu 35% no primeiro semestre de 2023, aponta WhereInRio

    Russos também têm demonstrado interesse pelo mercado de imóveis no país, devido à Guerra na Ucrânia
    Russos também têm demonstrado interesse pelo mercado de imóveis no país, devido à Guerra na Ucrânia Divulgação/WhereInRio

    Amanda Sampaioda CNN

    São Paulo

    Os estrangeiros têm aquecido o mercado imobiliário de luxo no estado do Rio de Janeiro.

    De acordo com um levantamento realizado pela agência boutique de alto padrão WhereInRio, apesar do câmbio menos favorável, a procura de imóveis no estado por investidores que moram fora do Brasil subiu 35% no primeiro semestre de 2023.

    Segundo o belga Frédéric Cockenpot, CEO da WhereInRio, além de norte-americanos e europeus, os russos também têm demonstrado interesse pelo mercado de imóveis no país devido à Guerra na Ucrânia e ao cenário mais hostil na Europa.

    “O Brasil é um país muito receptivo com os russos. Alguns alugam imóveis para férias e outros compram apartamentos como forma de investimento”, afirma.

    A agência registrou alta de 112% nas vendas em apenas um ano. Além disso, as locações de alto padrão cresceram 91%.

    Cockenpot avalia que o aumento da procura começou durante a pandemia da covid-19, por conta da desvalorização do real após o período de lockdown.

    “Os cartórios brasileiros implementaram a assinatura eletrônica, o que facilitou a compra de imóveis por muitos estrangeiros, que faziam todo o processo virtualmente, sem nem precisar vir ao país”, explica.

    Além disso, o CEO da WhereInRio afirma que as altas taxas de juros no Brasil diminuíram a procura de brasileiros por imóveis com a piora nas condições de financiamento, mas disse que os estrangeiros “compensaram” essa baixa.

    “Daqui para frente, tudo vai depender muito da evolução do câmbio. Se o dólar baixar e ficar próximo a R$ 4, é provável que a procura diminua por parte dos estrangeiros. Por outro lado, isso pode melhorar nossos negócios com brasileiros”, diz.

    Ainda de acordo com Cockenpot, a grande maioria dos compradores estrangeiros da agência são investidores individuais ou fundos de investimento.

    Os aluguéis por temporada da empresa são liderados pelos norte-americanos (35%), seguido dos europeus (25%), latino-americanos (25%) e russos (15%).

    Já no mercado de compra e venda, os europeus são maioria (40%), seguido por norte-americanos (30%), brasileiros (20%), russos (5%) e outras nacionalidades (5%).