Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Europa pode evitar crise econômica, enquanto Reino Unido caminha para recessão

    Em janeiro, atividade empresarial nos 20 países que usam euro cresceu pela primeira vez em seis meses e teve declínio no país da libra

    No Reino Unido, há baixa confiança do consumidor e altas taxas de juros
    No Reino Unido, há baixa confiança do consumidor e altas taxas de juros Sander Crombach/Unsplash

    Hanna Ziadyda CNN

    Londres

    A atividade empresarial nos 20 países que usam o euro cresceu em janeiro pela primeira vez em seis meses, de acordo com dados publicados na terça-feira (24), fornecendo novas evidências de que a economia da Europa pode confundir as expectativas e evitar uma recessão este ano.

    Uma leitura inicial do Índice de Gerentes de Compras da zona do euro, que acompanha a atividade nos setores de manufatura e serviços, subiu para 50,2 em janeiro, de 49,3 em dezembro, indicando a primeira expansão desde junho. Uma leitura acima de 50 representa crescimento.

    O retorno ao crescimento modesto foi auxiliado pela queda dos preços da energia e uma diminuição do estresse na cadeia de suprimentos, o que ajudou a moderar os custos crescentes de insumos para os produtores.

    O aumento foi acompanhado por uma melhora acentuada no otimismo em relação ao próximo ano, já que a recente reabertura da economia da China, após o levantamento das restrições da Covid, ajudou a elevar a confiança ao nível mais alto desde maio passado.

    O crescente otimismo na Europa de que os consumidores da China começarão a gastar novamente se refletiu na previsão da fabricante suíça de relógios Swatch na terça-feira de vendas recordes para 2023.

    “A estabilização da economia da zona do euro no início do ano aumenta a evidência de que a região pode escapar da recessão”, disse Chris Williamson, economista-chefe de negócios da S&P Global Market Intelligence, empresa que publica a pesquisa com executivos de empresas do setor privado.

    Williamson acrescentou, no entanto, que um “deslizamento renovado para a contração” não deve ser descartado, já que os custos dos empréstimos aumentam devido aos aumentos das taxas de juros pelo Banco Central Europeu. Mas qualquer desaceleração “provavelmente será muito menos severa do que se temia anteriormente”, diz.

    O economista-chefe do Berenberg, Holger Schmieding, disse em uma nota de pesquisa que “o nível ainda baixo de confiança do consumidor e o impacto defasado dos aumentos das taxas do BCE ainda apontam para uma ligeira contração no PIB da zona do euro no curto prazo antes que a recuperação possa começar a se firmar”.

    O sentimento do consumidor na Alemanha, a maior economia da região, parece destinado a melhorar pelo quarto mês consecutivo em fevereiro de uma base muito baixa, de acordo com uma pesquisa separada publicada pela GfK na terça-feira.

    Economia do Reino Unido contrai acentuadamente

    A imagem parece muito menos promissora no Reino Unido, no entanto, onde a pesquisa PMI de janeiro mostrou o declínio mais acentuado na atividade empresarial desde o bloqueio nacional da Covid há dois anos, com taxas de juros mais altas e baixa confiança do consumidor deprimindo a atividade no setor de serviços dominante.

    A leitura inicial caiu para 47,8 em janeiro, de 49 em dezembro, permanecendo em estado de contração pelo sexto mês consecutivo. A pesquisa do Reino Unido é realizada em conjunto com o Chartered Institute of Procurement & Supply.

    “Os números do PMI mais fracos do que o esperado em janeiro ressaltam o risco de o Reino Unido entrar em recessão”, disse Williamson. “Disputas industriais, escassez de pessoal, perdas nas exportações, aumento do custo de vida e taxas de juros mais altas significaram que a taxa de declínio econômico voltou a acelerar no início do ano”, completou.

    A economia do Reino Unido perdeu mais dias úteis para greves entre junho e novembro de 2022 do que em qualquer período de seis meses nos 30 anos anteriores, de acordo com dados publicados na semana passada pelo Escritório Nacional de Estatísticas da Grã-Bretanha.

    Williamson falou que os dados de terça-feira refletem não apenas impactos de curto prazo ao crescimento, como greves, mas “danos contínuos à economia causados ​​por questões estruturais de longo prazo, como escassez de mão de obra e problemas comerciais ligados ao Brexit”.

    Apesar do início de ano sombrio, as expectativas de negócios do Reino Unido para o próximo ano atingiram seu nível mais alto em oito meses, impulsionadas pelas esperanças de uma melhora no cenário econômico global e redução da inflação.

    Dados separados publicados pelo ONS na terça-feira mostraram que os empréstimos do governo do Reino Unido atingiram 27,4 bilhões de libras (US$ 33,7 bilhões) em dezembro, o valor mais alto para aquele mês desde o início dos registros em 1993. Isso foi impulsionado por um forte aumento nos gastos com suporte para contas de energia doméstica, bem como o custo crescente de pagar juros sobre a dívida do governo.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original