Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Fabricantes de ovos de chocolate projetam alta nas vendas

    Em 2023, serão colocados no mercado 440 itens de Páscoa pela indústria, sendo 163 lançamentos

    Comércio de ovos de Páscoa na Semana Santa
    Comércio de ovos de Páscoa na Semana Santa Fabio Rodrigues Pozzebom

    Talita Nascimento, do Estadão Conteúdo

    A Páscoa de 2022 vendeu mais de 10 mil toneladas de ovos no Brasil, 13% de crescimento sobre o volume do ano anterior. Para 2023, a expectativa é de alta, mas a indústria ainda está em processo final de produção, segundo a Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Amendoim e Balas (Abicab), que compilou os dados da produção do último ano.

    Em 2023, serão colocados no mercado 440 itens de Páscoa pela indústria, sendo 163 lançamentos. O número de lançamentos é o maior desde 2015, quando a associação começou a contabilizá-lo.

    “A expectativa é de termos novamente uma Páscoa com continuidade de crescimento (em vendas)”, disse Ubiracy Fonsêca, presidente da Abicab.

    Ele afirma que em razão da situação econômica, a indústria vai oferecer diferentes gramaturas de produtos, de forma que haja, também, diversidade de preços.

    Essa é uma das razões para o grande número de lançamentos neste ano. Há ainda a oferta de linhas que atendam pessoas com restrições alimentares.

    Segundo Fonsêca, a indústria arca com os riscos da produção de perecíveis sazonais. Os ovos ficam expostos até o feriado no varejo e, se não são comprados, voltam às fabricantes, que ficam com o prejuízo.

    Assim, o planejamento tem de ser preciso. Do lado do varejo, porém, há quem reclame do fato de a produção ser limitada.

    “O que fazemos na indústria é medir o mercado. A situação política e econômica do país influencia a leitura. Além da produção específica para a Páscoa, também reforçamos a produção regular”, disse Fonsêca.

    Ele afirmou que, especialmente em regiões mais pobres, é comum que as compras de barras de chocolate e bombons seja mais intensa nesta época, já que o poder aquisitivo para comprar os ovos de Páscoa é menor.

    A Abicab não comenta o preço dos produtos praticados por seus associados, mas o presidente observou que os custos de produção subiram, reflexo das cotações do cacau e do câmbio.