Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Faturamento do turismo cresce 28% e chega a R$ 208 bi em 2022, diz FecomercioSP

    Todos setores analisados pelo estudo registraram alta tanto na variação anual quanto no acumulado do ano

    Farol da Barra ou Farol de Santo Antônio, na Ponta de Santo Antônio, em Salvador
    Farol da Barra ou Farol de Santo Antônio, na Ponta de Santo Antônio, em Salvador TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO CONTEÚDO/AE

    Bruna Camargo, do Estadão Conteúdo

    O turismo brasileiro registrou faturamento de R$ 208 bilhões entre janeiro e dezembro de 2022, alta de 28% na comparação com o mesmo período de 2021, quando o total chegou a R$ 162,6 bilhões.

    Os dados são do levantamento mensal do Conselho de Turismo da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), com base nos dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

    Todos os setores analisados pelo estudo registraram alta tanto na variação anual quanto no acumulado do ano. O destaque foi para o transporte aéreo, que cresceu 65,2%, em 2022, com um faturamento total de R$ 66,5 bilhões.

    Na avaliação da FecomercioSP, o fim das restrições causadas pela Covid-19, o aumento da demanda e a maior quantidade de assentos ofertados contribuíram para o crescimento.

    Por outro lado, o estudo faz a ressalva de que parte disso se deve à inflação das passagens aéreas, que, no ano passado, tiveram reajuste médio de 23,5%, segundo o IBGE.

    Mas o estudo também mostra que, ao longo do ano passado, houve uma substituição do modal aéreo pelo terrestre rodoviário. O setor encerrou o ano com alta de 13,9% e faturamento de R$ 34 bilhões – só em dezembro, o crescimento foi de 12,9%.

    Além disso, houve uma mudança gradual do perfil do público consumidor, com famílias buscando destinos de curta e média distâncias, via ônibus ou veículo próprio, de forma a reduzir o custo médio da viagem.

    Entre os demais grupos, os crescimentos foram de 23,3% em alojamento e alimentação, de 16,7% em atividades culturais, recreativas e esportivas, de 5,3% em locação de veículos, agências e operadoras de turismo, e de 10,2% em transporte aquaviário.