Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Fim de uma era: como o jato jumbo 747 da Boeing mudou as viagens de avião

    Boeing decidiu aposentar modelo que revolucionou viagens aéreas, 50 anos depois de seu lançamento

    Howard Slutskenda CNN

    Mais de 50 anos após o lançamento da “rainha dos céus”, o último Boeing 747 foi finalmente entregue.

    A aeronave, um cargueiro 747-8, deixou a fábrica da Boeing em Everett, Washington, esta semana, quando foi entregue à companhia aérea de carga americana Atlas Air.

    A entrega marca o fim de uma era para o avião, com os últimos dias de voo do avião a jato mais conhecido do planeta claramente se aproximando.

    Segundo a empresa de análise de aviação Cirium, no final de 2022, apenas 44 versões para passageiros do icônico avião ainda estavam em serviço. No entanto, mais de 300 cargueiros Boeing 747 permanecem em uso.

    O último 747

    “Este dia monumental é um testemunho das gerações de funcionários da Boeing que deram vida ao avião que ‘encolheu o mundo’ e revolucionou as viagens e a carga aérea como o primeiro widebody”, disse Stan Deal, presidente e diretor-executivo da Boeing Commercial Airplanes, em comunicado.

    A Boeing encerrou a produção da aeronave conehcida como "rainha dos céus" após mais de 50 anos
    A Boeing encerrou a produção da aeronave conehcida como “rainha dos céus” após mais de 50 anos / Paul Weatherman/Boeing

    “É apropriado entregar este cargueiro 747-8 final para a maior operadora do 747, a Atlas Air, onde a ‘rainha’ continuará a inspirar e capacitar a inovação em carga aérea.”

    O primeiro Boeing 747 fez seu voo inaugural em 9 de fevereiro de 1969, um ano antes de entrar em serviço com a companhia aérea Pan American World Airways, lembrada com carinho.

    Rapidamente se tornou o favorito dos passageiros. É usado como uma Casa Branca voadora como Força Aérea Um, além de ser o cenário para muitas aventuras aéreas de Hollywood.

    No entanto, desde então, muitas companhias aéreas optaram por substituir seus 747 de passageiros por aviões bimotores maiores, mais avançados e mais eficientes.

    Em 2020, a British Airways anunciou que estava aposentando sua frota de Boeing 747 quatro anos antes do previsto.

    O último Boeing 747 deixou a fábrica da empresa em Washington em 6 de dezembro de 2022
    O último Boeing 747 deixou a fábrica da empresa em Washington em 6 de dezembro de 2022 / Paul Weatherman/Boeing

    “É improvável que nossa magnífica ‘rainha dos céus’ volte a operar serviços comerciais para a British Airways devido à desaceleração nas viagens causada pela pandemia global de Covid-19”, disse a companhia aérea britânica.

    A versão mais recente da aeronave é o 747-8 Intercontinental, com novas asas, motores e tecnologias inimagináveis para os projetistas e pilotos do 747 original.

    O primeiro avião “gigante” para passageiros

    O 747 inaugurou a era do avião de passageiros de corredor duplo e fuselagem larga. Mas se dependesse do fundador da Pan Am, Juan Trippe, o célebre jato poderia ter sido uma versão de dois andares do Boeing 707 de corredor único.

    Trippe pressionou os projetistas do avião a criar um de dois andares, uma forma que o engenheiro da Boeing Joe Sutter, conhecido como o “pai do 747”, chamou de “peru”.

    Foi necessária a iniciativa de um executivo da Boeing em uma reunião na sala de reuniões da Pan Am para mudar a opinião de Trippe. As dimensões da sala eram exatamente as mesmas da largura e altura do 747 de fuselagem larga, e a Pan Am ficou impressionada.

    O interior do 747 foi desenvolvido em associação com a empresa Teague, com sede em Seattle, parceira de design de cabine de longa data da Boeing.

    Foi o primeiro avião a ter paredes laterais quase verticais e teto alto, dando aos passageiros uma sensação de espaço e abertura.

    Em vez de um tubo longo e fino, a cabine era dividida em “cômodos”, com cozinhas e banheiros instalados como divisórias.

    É uma forma que definiu as viagens de longa distância por quase meio século.

    O 747 rapidamente conquistou a reputação de uma opção de transporte glamorosa
    O 747 rapidamente conquistou a reputação de uma opção de transporte glamorosa / Boeing / divulgação

    Aeroportos tiveram que se adaptar

    As dimensões do 747 eram enormes em comparação com os 707 e Douglas DC-8, que eram o esteio das frotas internacionais das companhias aéreas na década de 1960.

    Com centenas de passageiros chegando e partindo em cada jato jumbo, os aeroportos tiveram que se adaptar rapidamente, com salas de embarque, balcões de check-in e terminais expandidos.

    Toda companhia aérea internacional queria ter o prestígio de pilotar um 747, o que significa que as áreas alfandegárias e de imigração logo foram sobrecarregadas com múltiplas chegadas simultâneas do grande avião.

    O equipamento de apoio no solo também teve que crescer. Os rebocadores de aeronaves ficaram muito maiores, para lidar com o prodigioso peso do 747 de mais de 750.000 libras.

    Nascimento do 747: o presidente da Boeing, Bill Allen, e o CEO da Pan Am, Juan Trippe (à direita), celebram a cerimônia de lançamento do Boeing 747, em 1968
    Nascimento do 747: o presidente da Boeing, Bill Allen, e o CEO da Pan Am, Juan Trippe (à direita), celebram a cerimônia de lançamento do Boeing 747, em 1968 / Boeing / divulgação

    Os caminhões de abastecimento foram modificados para alcançar as portas da cabine bem acima da rampa, e os tanques de reabastecimento agora tinham que se esticar para alcançar a parte inferior das enormes asas.

    Fabuloso cargueiro

    O 747 foi projetado em uma época em que a indústria aérea esperava que o transporte supersônico (SST, na sigla em inglês) fosse a aeronave do futuro.

    O primeiro avião de transporte supersônico do mundo, o Tupolev Tu-144, de projeto soviético, fez seu primeiro voo em 1968 e o anglo-francês Concorde decolou dois meses depois.

    Especialistas na década de 1960 previram que o 747 teria uma vida útil curta como um jato de passageiros, eventualmente dando lugar a aeronaves que viajavam a velocidades múltiplas vezes superiores à do som.

    Assim, os projetistas do 747 tentaram preparar o jumbo para o futuro, projetando-o para o transporte de carga.

    O convés principal do 747 tinha cerca de 6 metros de largura, para comportar dois contêineres de carga padrão. Para facilitar o carregamento, o nariz do modelo de carga do 747 abriu e girou para cima.

    Isso significava que o cockpit deveria estar localizado acima do convés principal, dando à “rainha” sua corcunda distinta logo atrás do convés de voo.

    O que era originalmente concebido como uma área de descanso da tripulação naquele espaço, tornou-se o recurso mais conhecido do jato, o lounge de passageiros.

    Somente em versões posteriores o andar superior foi esticado para acomodar uma grande área de estar.

    Como se viu, o projeto Boeing SST – o 2707 – foi cancelado em 1971, o Tupolev Tu-144 foi permanentemente aterrado após apenas 55 voos programados e o Concorde fez seu voo final quase 15 anos atrás.

    Quanto ao resistente 747, mais de 1.570 foram fabricados no último meio século.

    O último jato comercial Boeing 747 a ser entregue foi em julho de 2017 – um jumbo para a Korean Air Lines – e em janeiro de 2018 as operações de passageiros nos EUA terminaram quando o voo 9771 da Delta Air Lines pousou em um cemitério de aviões em Marana, Arizona.

    O setor evoluiu

    Novos aviões e novos motores são criados ao mesmo tempo. Novos projetistas de aeronaves podem buscar consumir menos combustível, gerar mais potência e aproveitar os designs mais leves dos desenvolvedores de motores.

    O último Boeing 747 deixou a fábrica da empresa em Washington em 6 de dezembro de 2022
    O último Boeing 747 deixou a fábrica da empresa em Washington em 6 de dezembro de 2022 / Paul Weatherman/Boeing

    O 747 precisava de um grande salto na potência e eficiência do motor para colocar o enorme avião no ar e gerar lucros para as companhias aéreas.

    A Pratt & Whitney mudou a forma dos motores a jato para sempre com seus turbofans JT9D para o 747. O motor diferia das usinas anteriores por ter um enorme ventilador na frente.

    Uma enorme quantidade de ar é forçada para dentro do motor, mas apenas uma pequena porção vai para o núcleo do motor onde é comprimida, misturada com combustível e inflamada para acionar a turbina. A turbina interna gira o enorme ventilador, empurrando o jato para frente.

    Com a maior parte do fluxo de ar direcionado ao redor – em vez de através – do núcleo do motor, ele foi o primeiro turbofan “high-bypass” da era dos jatos.

    O design torna o motor mais silencioso, mais potente e com melhor eficiência de combustível. E em vez do barulho dos jatos da geração anterior, o 747 “zumbiu” quando decolou.

    O 747 pode ter sido o primeiro, mas agora todos os jatos de passageiros são movidos por um motor turbofan incrivelmente confiável e sofisticado.

    Verdadeiro divisor de águas?

    O 747 entrou em serviço no início dos anos 1970, em um momento de grandes mudanças sociais. Impulsionou o crescimento exponencial em viagens aéreas, turismo e conexões entre pessoas ao redor do mundo.

    Em seu primeiro ano, um 747 totalmente carregado reduziu pela metade o custo de transportar um passageiro. Voar tornou-se instantaneamente mais acessível.

    Mas talvez o prêmio pela maior mudança nas viagens aéreas deva ir para o irmão mais velho do 747, o 707.

    Aquele pioneiro de voo suave e movido a jato foi um salto quântico em relação aos “pistões de impacto” que o precederam. Ele conectou continentes em poucas horas e mostrou ao mundo o poder das viagens a jato.

    Brien Wygle, o co-piloto do primeiro voo do 747 e ex-vice-presidente de operações de voo da Boeing, certamente pensa assim.

    “Os tempos de voo mais curtos, as altitudes mais altas, a melhor pressurização – muitas coisas que trouxemos com o 707 foram revolucionárias”, disse ele à CNN Travel. “O 747 avançou na mesma direção, mas você não pode ignorar o que o 707 fez.”

    “Mas o 747 era um avião notável e eu adorei.”

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original