Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Microsoft e Apple emparelham na briga pela posição de empresa mais valiosa da bolsa

    Ações da Microsoft saltaram 4,2%, impulsionadas pelo crescimento trimestral do Azure

    Logo da Microsoft em Los Angeles, EUA
    Logo da Microsoft em Los Angeles, EUA Divulgação

    Noel RandewichMatthew Lewisda Reuters

    Um aumento nas ações da Microsoft quase derrubou a Apple da posição de empresa mais valiosa do mundo na quarta-feira (27), um dia antes de a fabricante do iPhone divulgar seus resultados trimestrais.

    Alimentado pelo forte crescimento trimestral do Azure, seu negócio de computação em nuvem, as ações da Microsoft saltaram 4,2% para terminar em um recorde de US$ 323,17, elevando a capitalização de mercado da fabricante de software para US$ 2,426 trilhões, pouco abaixo da avaliação de US$ 2,461 trilhões da Apple, de acordo com dados da Refinitiv.

    As ações da Apple caíram 0,3% antes de seu relatório, após o fechamento do mercado, com os investidores focados em como a crise da cadeia de suprimentos global está desafiando a capacidade da empresa de atender à demanda por seus iPhones.

    As ações da Microsoft subiram 45% este ano, com a demanda induzida por uma pandemia por seus serviços baseados em nuvem impulsionando as vendas. As ações da Apple subiram 12% em 2021.

    O valor do mercado de ações da Apple ultrapassou o da Microsoft em 2010, quando o iPhone a tornou a principal empresa de tecnologia de consumo do mundo. As duas empresas se revezaram como a empresa mais valiosa de Wall Street nos últimos anos, com a Apple detendo o título desde meados de 2020.

    Em seu relatório na terça-feira (26), a Microsoft previu um fim de ano forte graças ao seu negócio em expansão, a nuvem, mas alertou que os problemas da cadeia de suprimentos continuarão a perseguir unidades importantes, como as que produzem seus laptops Surface e consoles de jogos Xbox.

    Em geral, os analistas esperam que a Apple relate a receita do trimestre de setembro com alta de 31%, para US$ 84,8 bilhões, e lucro ajustado por ação de US$ 1,24, de acordo com a Refinitiv.