Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Fundador da FTX, Sam Bankman-Fried é preso nas Bahamas, dizem autoridades

    Procurador-geral do país confirmou a prisão de Bankman-Fried e disse que foi recebida uma notificação formal dos EUA

    Alisson Morrowdo CNN Business

    Sam Bankman-Fried, o fundador da falida exchange cripto FTX, foi preso nas Bahamas nesta segunda-feira (12) depois que promotores dos Estados Unidos apresentaram acusações criminais contra ele, de acordo com um comunicado do governo das Bahamas.

    O procurador-geral do país acrescentou que as Bahamas receberam uma notificação formal dos Estados Unidos sobre acusações criminais contra ele.

    O Distrito Sul de Nova York, que está investigando Bankman-Fried e o colapso da FTX, também confirmou sua prisão no Twitter.

    “No início desta noite, as autoridades das Bahamas prenderam Samuel Bankman-Fried a pedido do governo dos EUA, com base em uma acusação selada apresentada pelo SDNY”, escreveu o procurador dos EUA Damian Williams. “Esperamos mover para abrir a acusação pela manhã e teremos mais a dizer naquele momento”.

    Um advogado de Bankman-Fried não pôde ser imediatamente contatado para comentar.

    Em uma série de entrevistas e aparições públicas no final de novembro e dezembro, Bankman-Fried reconheceu falhas de gerenciamento de risco, mas procurou se distanciar das acusações de fraude, dizendo que nunca misturou conscientemente fundos de clientes na FTX com fundos em sua empresa de trading proprietária, a Alameda Research.

    “Eu nunca tentei cometer fraude”, disse Bankman-Fried em uma entrevista em 30 de novembro no Dealbook Summit do New York Times, acrescentando que ele pessoalmente não acha que tem qualquer responsabilidade criminal.

    Não está claro quais acusações aguardam o ex-CEO, a celebridade cripto de 30 anos que se tornou um pária durante a noite no mês passado, quando sua empresa sofreu uma crise de liquidez e declarou falência, deixando pelo menos um milhão de depositantes incapazes de acessar seus fundos.

    Desde então, Bankman-Fried tentou se apresentar como um executivo-chefe um tanto infeliz que escapou de seus deslizes, enquanto negava as acusações de que fraudou os clientes da FTX.

    Sua presença estava agendada para esta terça-feira (13) para comparecer virtualmente ao Comitê de Serviços Financeiros da Câmara dos EUA, que está exigindo respostas sobre como a empresa quebrou, afetando todo o ecossistema de ativos digitais.

    Várias empresas de criptografia interromperam as operações, congelando contas de clientes e, em alguns casos, declarando falência por causa de sua exposição ao FTX.

    Também deve testemunhar na terça-feira o novo CEO da FTX, John J. Ray III, que assumiu o cargo de Bankman-Fried em 11 de novembro e tem a tarefa de conduzi-lo durante o processo de falência.

    Até agora, Ray pintou uma imagem de um império criptográfico praticamente sem controles corporativos e com uma chocante falta de manutenção de registros financeiros e outros.

    “O escopo da investigação em andamento é enorme”, disse Ray em comentários preparados divulgados na segunda-feira antes de seu depoimento.

    Embora a investigação não seja concluída, disse Ray, o colapso da FTX parece resultar da concentração de poder “nas mãos de um grupo muito pequeno de indivíduos grosseiramente inexperientes e pouco sofisticados” que não conseguiram implementar praticamente nenhum controle corporativo.

    Ray também afirma que “os ativos de clientes da FTX.com foram misturados com ativos da plataforma de negociação Alameda”. Essa é uma questão fundamental para os investigadores, já que a FTX e a Alameda eram, no papel, entidades separadas.

    Bankman-Fried negou conscientemente misturar fundos e procurou se distanciar da administração do dia-a-dia da Alameda, que fez uma série de estratégias de negociação de alto risco, como arbitragem e “agricultura de rendimento”, também conhecido como investimento em tokens digitais que pagam recompensas semelhantes a taxas de juros, de acordo com reportagem do The Wall Street Journal.

    “Fiquei francamente surpreso com o tamanho da posição da Alameda”, disse Bankman-Fried no DealBook Summit do New York Times no final do mês passado.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original