Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Fundo JBS pela Amazônia lança programa de apoio a pequenos produtores de gado

    Programa planeja atender mais de 3.500 famílias nos estados da Amazônia Legal, começando pelo Pará

    Fundo trabalha dentro de três grandes eixos de atuação: Cadeias Produtivas em Áreas Abertas, Bioeconomia e Ciência e Tecnologia
    Fundo trabalha dentro de três grandes eixos de atuação: Cadeias Produtivas em Áreas Abertas, Bioeconomia e Ciência e Tecnologia Arquivo/Agência Brasil

    Anne Barbosada CNN

    São Paulo

    Pela primeira vez, o Fundo JBS pela Amazônia vai atuar na área da pecuária por meio de um programa lançado nesta quinta-feira (19) para pequenos produtores de gado. O investimento inicial será de R$ 10 milhões e a estimativa é chegar a R$ 100 milhões nos próximos dez anos.

    No evento de lançamento, Andrea Azevedo, diretora-executiva do Fundo JBS pela Amazônia, destacou o papel da pecuária de alta produtividade e de baixo carbono que pode ser aliada do pequeno produtor.

    “Não tem como falar de mudanças climáticas no Brasil sem falar do uso do solo. A pecuária é super importante e pode ser a solução desse problema. A transição para baixo carbono é possível e temos tecnologia para isso. Isso já vem sendo feito, mas precisa ser feito ainda mais rápido”, disse.

    O programa planeja atender mais de 3.500 famílias nos estados da Amazônia Legal, começando pelo Pará. A iniciativa vai contar com um hub de negócios que funciona como um parceiro dos pecuaristas locais, dando assistência em compliance ambiental, rastreabilidade do gado por lote e instrução sobre geração de créditos de carbono.

    Segundo Andrea Azevedo, vários mecanismos criados poderão resultar em maior geração de renda ao pequeno produtor. A ideia é dobrar a renda deles, considerando toda a propriedade. Nas áreas intensificadas, a rentabilidade pode aumentar em até seis vezes.

    No lançamento, especialistas em pecuária de baixo carbono participaram de uma roda de conversa. Ricardo Abramovay, professor sênior do Instituto de Energia e Ambiente da USP, foi um dos convidados.

    “A carne produzida com baixo custo de produtividade é e tem que ser suficiente não pra satisfazer o mercado, mas sim pra satisfazer a saúde humana. Isso é perfeitamente possível que aconteça e essa é a essência da economia circular”, afirma.

    A primeira parceria no Pará será feita a partir do hub acelerador coordenado pelo Instituto Rio Capim Agrossilvipastoril, que ficará encarregado da cria intensificada do gado, que abarca até o sétimo ou nono mês de vida do animal, e cederá os bezerros rastreados individualmente e com emissão de GTA aos pequenos produtores interessados em fazer a recria.

    Quando o animal completa um ano, o pequeno produtor recebe o retorno financeiro baseado no ganho de peso conseguido no período. Na fase seguinte, o lote é encaminhado para fazendas de engorda ou finalizados em confinamentos.

    O segundo modelo do programa será operado em parceria com a Fundação Solidaridad, que atua com o Fundo JBS pela Amazônia desde 2021 na assistência de 1.500 agricultores familiares na região da Transamazônica.

    Sobre o Fundo

    O Fundo JBS pela Amazônia é uma organização sem fins lucrativos criada em 2020 para recuperar áreas degradadas e apoiar modelos inclusivos e rentáveis que gerem valor para a floresta em pé.

    Para alcançar esses resultados, o Fundo trabalha dentro de três grandes eixos de atuação: Cadeias Produtivas em Áreas Abertas, Bioeconomia e Ciência e Tecnologia.

    Veja também – Haddad diz que possível vitória de Milei na Argentina preocupa o Brasil