Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    GM anuncia adiamento na expansão de produção de utilitários elétricos nos EUA

    Montadora havia anunciado que investiria US$ 4 bilhões em fábrica para produzir caminhões elétricos

    GM havia planejado expandir a produção das picapes elétricas para uma fábrica adicional em Michigan
    GM havia planejado expandir a produção das picapes elétricas para uma fábrica adicional em Michigan Rebecca Cook/Reuters

    Peter Valdes-Dapenado CNN Business

    A General Motors está adiando a adição de uma segunda fábrica para a produção de suas picapes elétricas até o final de 2025, anunciou a montadora na terça-feira (17).

    O veículo Silverado EV agora está sendo produzido na Factory Zero Detroit-Hamtramck Assembly da GM, onde também é montado o GMC Hummer EV. O GMC Sierra EV também deverá ser construído lá a partir de 2024.

    A GM havia planejado expandir a produção das picapes elétricas para uma fábrica adicional em Michigan, a Orion Assembly.

    Atualmente, a planta localizada ao norte de Detroit produz os modelos Chevrolet Bolt EV e o Bolt EUV. Contudo, quando estes veículos deixarem de ser produzidos no final deste ano, a fábrica não vai mudar instantaneamente sua linha de produção.

    Segundo a GM, a decisão não teve nada a ver com a greve do sindicato United Auto Workers (UAW) — que representa os trabalhadores da indústria automotiva.

    A montadora afirma que a escolha foi feita para “gerir capital” e alinhar-se melhor com a “evolução da procura de veículos elétricos (VE)”. A mudança envolvendo a fábrica de Orion Township levanta questões mais amplas sobre a dinâmica e a demanda no mercado de VEs.

    A decisão da GM resultará na produção de menos picapes elétricas no próximo ano, mas a montadora se recusou a discutir a extensão da redução.

    Os trabalhadores do UAW na fábrica de Orion terão a oportunidade de trabalhar na Factory Zero durante o período em que a planta estiver paralizada.

    Obstáculos na produção de elétricos

    A Ford anunciou recentemente que estava demitindo 700 trabalhadores na construção de sua picape elétrica F-150 Lightning, citando “múltiplas restrições, incluindo a cadeia de suprimentos e o trabalho no processamento e entrega de veículos retidos para verificações de qualidade após o reinício da produção em agosto”.

    As vendas da picape elétrica da Ford caíram 45% no terceiro trimestre de 2023 em comparação com o ano anterior, informou a empresa no início de outubro.

    A montadora disse que espera registrar um aumento nas vendas durante os últimos três meses do ano, à medida que a capacidade de produção aumentar na fábrica. A Ford disse que a demanda geral por sua linha de veículos elétricos continua forte.

    No mercado mais amplo de VEs, os descontos têm aumentado, de acordo com a ferramenta de pesquisa Edmunds.com.

    Além disso, os elétricos têm ficado mais tempo sem serem vendidos do que os veículos movidos a gasolina.

    Esses fatores indicam uma diminuição da demanda pelos produtos. O que pode estar acontecendo é que os compradores que sempre buscam adquirir as novidades do mercado já possuem os veículos que desejam, disse Joseph Yoon, analista de insights do consumidor da Edmunds.

    “Muitas montadoras já perderam esse tipo de comprador, então acho que os VEs estão começando a parar um pouco”, disse Yoon.

    A GM disse que, além de precisar se alinhar com a demanda, seus engenheiros identificaram melhorias que poderiam tornar os caminhões mais lucrativos para as montadoras assim que a fábrica começar a produzi-los.

    A montadora havia anunciado, em 2022, que investiria US$ 4 bilhões (R$ 20,18 bilhões) com intuito de adaptar a Orion Assembly para fabricar caminhões elétricos.

    *Com informações de Chris Isidore, da CNN Internacional

    Veja também: Baterias dos carros elétricos evoluem e dão mais autonomia

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original