Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Governo central registra déficit de R$ 35,9 bilhões em julho, segundo pior resultado para o mês

    Número ficou atrás apenas do rombo de R$ 109,6 bilhões registrado em julho de 2020, durante a pandemia de Covid-19

    Getty Images

    Da Reuters

    O governo central registrou déficit primário de R$ 35,93 bilhões em julho, ante um saldo positivo de R$ 18,94 bilhões de reais no mesmo mês do ano passado, informou o Tesouro Nacional nesta quarta-feira (30), com as contas impactadas por uma forte alta dos gastos públicos.

    O déficit do governo central, que compreende as contas do Tesouro, Banco Central (BC) e Previdência Social, no mês passado veio pior do que o rombo de R$ 32 bilhões projetado por analistas em pesquisa da Reuters.

    O resultado foi o segundo pior para o mês na série histórica corrigida pela inflação do Tesouro, iniciada em 1997, melhor apenas que o rombo de R$ 109,6 bilhões registrado em julho de 2020, quando o gasto do governo estava fortemente impactado pelo enfrentamento da pandemia de Covid-19.

    As receitas líquidas, já descontados os repasses a Estados e municípios, tiveram uma queda real de 5,3% em julho sobre o mesmo mês do ano passado, para R$ 160,4 bilhões.

    Essa conta foi afetada por recuos na arrecadação de Imposto de Renda, Contribuição Social sobre Lucro Líquido (CSLL) e queda nos ganhos com dividendos e exploração de recursos naturais.

    Já as despesas totais aumentaram 31,3%, para R$ 196,3 bilhões, sob o impulso de uma alta nos gastos com benefícios previdenciários, abono salarial e seguro desemprego, além de repasses a governos regionais.

    No acumulado dos primeiros sete meses do ano, as contas federais registraram déficit de R$ 78,2 bilhões de reais, ante um superávit de R$ 73,2 bilhões de reais no mesmo período de 2022.

    Em 12 meses até julho, o saldo ficou negativo em R$ 97 bilhões. Em dados corrigidos pela inflação, o déficit corresponde a 0,95% do PIB.

    Isso significa que o governo praticamente não poderá ter déficit no acumulado nessa conta entre agosto a dezembro deste ano se quiser cumprir a promessa do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, de fechar 2023 com um rombo de até R$ 100 bilhões.

    Veja também: Senado analisa projeto que pode aumentar arrecadação em mais de R$ 50 bilhões

    Publicado por Amanda Sampaio, da CNN.