Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    “Impostômetro” bate marca de R$ 2 tri duas semanas antes do que em 2022

    Painel na sede da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) mede o valor pago pelos brasileiros em tributos às esferas federal

    Medidas de desoneração, que ajudaram a atenuar a alta da inflação, não foram suficientes para combater o crescimento dos preços dos produtos
    Medidas de desoneração, que ajudaram a atenuar a alta da inflação, não foram suficientes para combater o crescimento dos preços dos produtos Rafa Alves/Wikimedia Commons

    Isabela Mendes, do Estadão Conteúdo

    O painel do “Impostômetro“, que mede o valor pago pelos brasileiros em tributos às esferas federal, estadual e municipal, alcança nesta quarta-feira (30), às 21h15, a marca de R$ 2 trilhões pagos desde o início de 2023.

    O dispositivo está localizado na sede da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) e contabiliza impostos, juros, correção monetária e até mesmo multas.

    No ano passado, em comparação, essa quantia foi atingida duas semanas depois, em 14 de setembro, o que se deve, em parte, ao acúmulo da inflação durante o período, de acordo com o economista-chefe da ACSP, Marcel Solimeo.

    As medidas de desoneração, que ajudaram a atenuar a alta da inflação, não foram suficientes para combater o crescimento dos preços dos produtos e, consequentemente, a arrecadação tributária.

    Solimeo ressalta, no entanto, a importância de se discutir o equilíbrio dos gastos públicos como elemento essencial da economia brasileira. Para ele, o novo arcabouço fiscal, oficialmente nomeado “Regime Fiscal Sustentável”, que substitui o Teto de Gastos, atualmente em vigor, deve provocar “aumentos significativos na carga tributária” para cumprir as metas elaboradas.

    Para o presidente do Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT), Gilberto Amaral, a retomada dos impostos sobre os combustíveis e das alíquotas de ICMS também contribuiu para que o patamar de R$ 2 trilhões em tributos fosse alcançado com antecedência em relação a 2022.

    “Uma das razões para atingirmos essa marca mais cedo é o aumento na arrecadação, em comparação ao mesmo período do ano passado. Tributos significativos, como o ICMS sobre energia elétrica, tiveram um impacto substancial, especialmente após o aumento nas alíquotas”, destaca Amaral.

    O Impostômetro foi criado em 2005 pela ACSP visando conscientizar os brasileiros sobre a alta carga tributária no País e encorajá-los a cobrar os governos por serviços públicos de qualidade. É possível ver o painel físico na Rua Boa Vista, no centro de São Paulo, no lado de fora do edifício em que a Associação é sediada.

    Veja também: Proposta do imposto sindical prevê taxa fixa de 1% do rendimento anual