Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Índia pode se tornar superpotência econômica? Veja o que os dados dizem

    Índia inicia nesta sexta-feira (19) as maiores eleições democráticas do mundo; Entenda alguns dados do país que pode eleger Narendra Modi pela tereira vez consecutiva como primeiro-ministro

    O Rashtrapati Bhavan é a residência oficial do Presidente da Índia localizada no extremo oeste de Rajpath em Nova Delhi, Índia.
    O Rashtrapati Bhavan é a residência oficial do Presidente da Índia localizada no extremo oeste de Rajpath em Nova Delhi, Índia. Kriangkrai Thitiakorn/ Getty Images

    Diksha MadhokRachel Wilsonda CNN

    Nova Delhi e Londres

    Em apenas alguns dias, a Índia dará início às maiores eleições democráticas do mundo. Estima-se que 960 milhões de pessoas, em um país de 1,4 bilhões de habitantes, sejam elegíveis para votação, que começa na sexta-feira (19) e levará mais de um mês para ser concluída.

    Espera-se que Narendra Modi conquiste um raro terceiro mandato consecutivo de cinco anos como primeiro-ministro.

    Sob a sua liderança, a Índia está preparada para se tornar uma potência econômica do século 21, oferecendo uma alternativa real à China para investidores e marcas de consumo que procuram crescimento e para fabricantes que buscam reduzir os riscos nas suas cadeias de abastecimento.

    Embora os laços entre Pequim e o Ocidente estejam se tornando cada vez mais desgastados, a Índia desfruta de relações saudáveis com a maioria das grandes economias e está cortejando agressivamente grandes empresas para instalarem fábricas no país.

    Então, é justificado o entusiasmo em torno da Índia de Modi, que continua a ser um país em grande parte empobrecido?

    A qualidade dos dados econômicos na Índia pode não ser confiável, o que torna difícil avaliar a realidade da nação mais populosa do mundo.

    Mas, ao utilizar dados de fontes oficiais ou autorizadas, a CNN criou cinco gráficos para mostrar o desempenho do país desde que Modi chegou ao poder pela primeira vez em 2014, e para olhar para o futuro, para os desafios que o próximo líder enfrentará na gestão da grande economia que mais cresce no mundo.

    Ainda muito pobre

    Muçulmano lê Alcorão em frente a um outdoor com o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, em Nova Délhi / 20/1/2015 REUTERS/Adnan Abidi

    A economia da Índia valia US$ 3,7 trilhões em 2023, tornando-a a quinta maior do mundo, tendo saltado quatro posições no ranking durante a década de Modi no cargo.

    A economia da gigante do sul da Ásia está confortavelmente posicionada para se expandir a uma taxa anual de pelo menos 6% nos próximos anos, mas os analistas dizem que deveria ter como meta um crescimento de 8% ou mais se quiser se tornar uma superpotência econômica.

    A expansão sustentada empurrará a Índia para uma posição mais elevada na classificação das maiores economias do mundo, com alguns observadores prevendo que o país se tornará o número três, atrás apenas dos EUA e da China, até 2027.

    No entanto, a Índia poderia fazer muito mais para aumentar o seu produto interno bruto (PIB) per capita, uma medida dos padrões de vida segundo a qual o país ocupava a posição 147 em 2022, de acordo com o Banco Mundial.

    De acordo com Guido Cozzi, professor de macroeconomia na Universidade de St Gallen, na Suíça, haverá “efeitos de propagação no PIB per capita” à medida que a economia cresce. Mas advertiu que “a economia de gotejamento não garante a redução da desigualdade de rendimentos e podem ser necessárias políticas que promovam o crescimento inclusivo”.

    Construindo a Índia moderna

    Pessoas cruzam linha férrea em meio à névoa em Nova Délhi / 03/11/2023 REUTERS/Anushree Fadnavis

    Tal como a China fez há mais de três décadas, a Índia está iniciando uma enorme transformação infraestrutural, gastando bilhões na construção de estradas, portos, aeroportos e ferrovias. Enquanto isso, investidores privados estão construindo a maior central de energia sustentável do mundo.

    Só no orçamento federal desse ano, foram reservados US$ 134 bilhões para despesas de capital para impulsionar a expansão econômica.

    Os resultados podem ser vistos no terreno com a construção frenética acontecendo em todo o país. A Índia acrescentou quase 55 mil quilômetros à rede rodoviária nacional, um aumento de 60% na extensão total, entre 2014 e 2023. O desenvolvimento de infraestruturas traz muitos benefícios para a economia, incluindo a criação de empregos e a melhoria da facilidade de fazer negócios.

    Nos últimos anos, o país também construiu uma série de plataformas tecnológicas – conhecidas como infraestruturas públicas digitais – que transformaram vidas e empresas.

    Por exemplo, o programa Aadhaar, lançado em 2009, forneceu pela primeira vez uma prova de identidade a milhões de indianos. A maior base de dados biométrica do mundo também ajudou o governo a poupar milhões ao reduzir a corrupção em iniciativas de assistência social.

    Outra plataforma, a Interface Unificada de Pagamentos (UPI, na sigla em inglês), permite aos usuários fazer pagamentos instantaneamente, digitalizando um código QR. Ela foi adoptada por indianos de todas as esferas da vida, desde proprietários de cafés a mendigos, e permitiu que milhões de dólares fluíssem para a economia formal.

    Mercado lotado em Mumbai; Índia superou 100 mil casos diários de Covid-19
    Mercado lotado em Mumbai, na Índia / Foto: Niharika Kulkarni – 5.abr.2021/Reuters

    Em setembro de 2023, citando um relatório do Banco Mundial, Modi disse que graças à sua infraestrutura pública digital “a Índia alcançou metas de inclusão financeira em apenas seis anos, o que de outra forma teria levado pelo menos 47 longos anos”.

    Superpotência do mercado de ações

    O entusiasmo em torno do potencial de crescimento da Índia se reflete no seu mercado de ações, que tem atingido máximos históricos. O valor das empresas cotadas nas bolsas da Índia ultrapassou os US$ 4 trilhões no final do ano passado.

    A Índia tem duas bolsas principais: a Bolsa Nacional de Valores da Índia (NSE) e a BSE, a bolsa mais antiga da Ásia, anteriormente conhecida como Bolsa de Valores de Bombaim.

    Graças à recuperação escaldante, a NSE ultrapassou a Bolsa de Valores de Shenzhen e a Bolsa de Hong Kong para se tornar a sexta maior bolsa do mundo, mostraram dados de janeiro da Federação Mundial de Bolsas de Valores.

    Os investidores nacionais, tanto do varejo como institucionais, têm levado o mercado de ações da Índia a picos sem precedentes. De acordo com a Macquarie Capital, só os investidores do varejo detêm 9% do valor do mercado acionista da Índia, enquanto os investidores estrangeiros detêm um pouco menos de 20%. Os analistas, no entanto, esperam que os investimentos estrangeiros aumentem no segundo semestre de 2024, assim que as eleições acabarem.

    Porto em Vallarpadam, Índia / 11/02/2014. REUTERS/Sivaram V/File Photo

    Fábricas zumbindo

    O governo Modi está tentando agressivamente capitalizar o enorme rearranjo em curso entre as empresas nas cadeias de abastecimento. As empresas internacionais querem diversificar as suas operações fora da China, onde enfrentaram obstáculos durante a pandemia e são ameaçadas pela crescente tensão entre Pequim e Washington.

    A terceira maior economia da Ásia lançou um programa de incentivos ligado à produção no valor de US$ 26 bilhões para atrair empresas para estabelecerem produção em 14 setores, desde eletrônicos e automóveis até produtos farmacêuticos e dispositivos médicos.

    Como resultado, algumas das maiores empresas do mundo, incluindo a Foxconn, fornecedora da Apple, estão expandindo significativamente as suas operações na Índia.

    O bilionário Elon Musk disse na semana passada no X que está “ansioso” para se encontrar com Modi na Índia, sem informar uma data. Espera-se que o chefe da Tesla anuncie em breve um grande investimento na Índia, com a montadora supostamente vasculhando o país em busca de um local adequado para sua primeira fábrica asiática fora da China.

    Até dois anos atrás, a Apple normalmente começava a montar modelos no país apenas sete a oito meses após o lançamento. Isso mudou em setembro de 2022, quando a Apple começou a fabricar novos iPhone 14 na Índia semanas depois de serem colocados à venda.

    Os analistas consideram a mudança de estratégia uma grande vitória para Modi, uma vez que os crescentes laços de produção com uma gigante norte-americana como a Apple, por sua vez, atrairão outros intervenientes globais no ecossistema de produção eletrônica para a Índia.

    Loja da Apple em Mumbai, na Índia / Divulgação/Apple

    De acordo com a empresa de pesquisa de mercado Canalys, até 23% dos iPhones serão fabricados na Índia até o final de 2025, contra 6% em 2022.

    Onde estão os empregos?

    Ainda assim, a economia da Índia, tal como a sua democracia, está longe de ser perfeita. Se for reeleito, Modi terá que enfrentar o enorme desafio de criar centenas de milhões de empregos para uma população que continua em grande parte empobrecida.

    Com uma idade média de 29 anos, a Índia tem uma das populações mais jovens do mundo, mas o país ainda não é capaz de colher os potenciais benefícios econômicos da sua grande população jovem.

    De acordo com um relatório publicado no mês passado pela Organização Internacional do Trabalho, os indianos instruídos entre as idades de 15 e 29 anos têm maior probabilidade de estar desempregados do que aqueles sem qualquer escolaridade, o que reflete “uma incompatibilidade com as suas aspirações e os empregos disponíveis”.

    As taxas de desemprego juvenil na Índia são agora superiores aos níveis globais, acrescenta. Essa taxa entre os jovens indianos com pós-graduação era superior a 29%, quase nove vezes maior para aqueles que não sabem ler nem escrever, segundo o relatório.

    “A economia indiana não tem sido capaz de criar empregos remunerados suficientes nos setores não agrícolas para os novos jovens qualificados que entram na força de trabalho, o que se reflete na elevada e crescente taxa de desemprego”, acrescentou.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original