Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Lira diz que BC “já prezou pelo que deveria fazer” e que Selic deve cair

    Comitê de Política Monetária (Copom) se reúne, nesta terça-feira (1º) e na quarta-feira (2), para decidir sobre a taxa básica de juros

    Douglas Portoda CNN

    em São Paulo

    O Banco Central (BC) já prezou pelo o que deveria fazer e que a taxa básica de juros, a Selic, deve cair, disse o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), na segunda-feira (31), em entrevista ao programa “Roda Viva”, da “TV Cultura”.

    A partir desta terça-feira (1º), o Comitê de Política Monetária (Copom) se reúne para avaliar se mantém ou altera a Selic, atualmente em 13,75%.

    VÍDEO – IPCA-15 cai e abre espaço para corte de juros

    “Eu penso que todos nós fizemos o nosso papel. Congresso fez o papel, o governo está fazendo o papel dele. Os empresários estão fazendo. E o Banco Central já prezou pelo o que deveria fazer e agora eu não vejo ninguém com a vontade de manter os juros do tamanho que estão, quando todos nós sabemos dos efeitos de um juros nessas alturas. Eu penso que o presidente Roberto Campos [Neto], com a sua diretoria, está observando esses movimentos. O Banco Central deve estar atento”, afirmou Lira.

    “E, agora sim, com as condições que todos nós contribuímos para elas, os juros vão baixar. Agora, tem que baixar com a naturalidade da discussão das leis que nós aprovamos da independência do Banco Central”, prosseguiu.

    Entretanto, para Lira, as coisas devem acontecer com naturalidade. Em sua opinião, uma queda artificial dos juros atrapalharia o mercado, os juros futuros, o processo inflacionário e “machucaria muito mais ainda as camadas mais baixas” da população.

    O mercado acredita, a partir da reunião de hoje, no início do ciclo de afrouxamento da política monetária, mas ainda se divide entre um corte entre de 0,25 ponto percentual (p.p.) e 0,50 p.p. da Selic, conforme especialistas ouvidos pela CNN.

    Veja também: BC não dá sinais de corte agressivo dos juros, diz Figueiredo