Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Apesar de sanções do Ocidente, fluxo de petróleo russo para a Índia está aumentando

    Fluxos de petróleo russo para a Índia devem atingir 3,36 milhões de toneladas métricas em maio, de acordo com estimativas da Refinitiv

    O ​​apetite da Índia por petróleo russo barato está aumentando, mesmo enquanto o Ocidente continua a atacar Moscou com sanções sem precedentes.

    Os fluxos de petróleo russo para a Índia devem atingir 3,36 milhões de toneladas métricas em maio, de acordo com estimativas da Refinitiv. Isso é quase 9x maior que a média mensal de 382.500 toneladas métricas em 2021.

    No geral, o país recebeu 4,8 milhões de toneladas métricas de petróleo russo com desconto desde o início da guerra na Ucrânia, acrescentou a Refinitiv. O petróleo dos Urais da Rússia atualmente é negociado a cerca de US$ 95 por barril, enquanto o Brent de referência global está acima de US$ 119 por barril.

    Parte do motivo da disparidade de preços: o Ocidente evitou o petróleo russo. Na segunda-feira (30), a UE concordou em proibir 90% das importações de petróleo da Rússia até o final do ano. A Europa é o maior comprador de energia russa.

    Estados Unidos, Canadá, Reino Unido e Austrália já proibiram as importações.

    O embargo de um grande importador como a Europa aumentaria a pressão sobre a economia russa, mas Moscou encontrou outros compradores na Ásia.

    A Índia, que importa 80% de seu petróleo, geralmente compra apenas cerca de 2% a 3% da Rússia. Mas com os preços do petróleo disparando este ano, o governo aumentou constantemente sua entrada de Moscou, aproveitando os grandes descontos.

    De acordo com a Refinitiv, os fluxos de petróleo da Rússia para a Índia subiram para 1,01 milhão de toneladas métricas em abril, de 430.000 toneladas métricas em março.

    O Ministério do Petróleo e Gás Natural da Índia não respondeu imediatamente a uma pergunta sobre o impacto que a proibição parcial da UE terá nos laços de petróleo da economia do sul da Ásia com Moscou.

    No início de maio, a Índia minimizou o pico de importação. Em comunicado, o Ministério do Petróleo e Gás Natural disse que o país importa petróleo de todo o mundo, incluindo um volume significativo dos Estados Unidos.

    “Apesar das tentativas de retratar de outra forma, as compras de energia da Rússia continuam minúsculas em comparação com o consumo total da Índia”, disse o ministério em comunicado. “As transações legítimas de energia da Índia não podem ser politizadas”, acrescentou.

    A maior democracia do mundo se absteve de adotar uma postura dura contra Moscou por causa da guerra na Ucrânia.

    A Rússia e a Índia têm uma longa história de relações amistosas, que remontam à era soviética, quando a URSS ajudou a Índia a vencer sua guerra de 1971 com o Paquistão.

    A Índia não é o único gigante asiático que compra petróleo russo. Espera-se que a China, historicamente o maior comprador de petróleo russo, também faça compras.

    A OilX, que usa dados da indústria e de satélite para rastrear a produção e os fluxos de petróleo, descobriu que as importações da China da Rússia por oleoduto e marítimo aumentaram 175.000 barris por dia em abril — um aumento de cerca de 11% em relação aos volumes médios em 2021.

    As importações marítimas estão aumentando mais acentuada em maio, de acordo com dados iniciais.

    Espera-se que a demanda aumente à medida que a segunda maior economia do mundo começa a afrouxar suas rígidas restrições relacionadas ao Covid nas principais cidades.

    UE avança com proibição parcial

    Enquanto a compra de petróleo russo pela Ásia está aumentando, a UE decidiu na segunda-feira bloquear a maior parte até o final deste ano.

    O petróleo russo representou 27% das importações do bloco em 2021, segundo o Eurostat.

    O petróleo russo entregue por navios-tanque será proibido, enquanto uma isenção será feita para o segmento sul do oleoduto Druzhba, disse Ursula von der Leyen, presidente da Comissão Europeia, em entrevista coletiva.

    O segmento norte do oleoduto atende a Polônia e a Alemanha – que concordaram com o embargo. A parte sul vai para a Hungria, Eslováquia e República Checa e responde por 10% das importações de petróleo russo.

    Após o embargo, Moscou pode buscar novos clientes de forma mais agressiva, mas não será fácil.

    Uma parcela significativa das exportações de petróleo da Rússia para a Europa chega ao bloco por meio de oleodutos. O redirecionamento desses barris para os mercados da Ásia exigiria uma nova infraestrutura cara que levaria anos para ser construída.

    — Julia Horowitz e Vedika Sud da CNN contribuíram para este relatório

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original