Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Após chuvas no RS, empresas estimam atrasos nas entregas e cancelamentos de pedidos

    CNN entrou em contato com marketplaces e empresas com pontos de distribuição na região para entender o impacto das tempestades

    Casas inundadas perto do rio Taquari após fortes chuvas na cidade de Encantado, no Rio Grande do Sul
    Casas inundadas perto do rio Taquari após fortes chuvas na cidade de Encantado, no Rio Grande do Sul 01/05/2024REUTERS/Diego Vara

    João Nakamurada CNN

    em São Paulo

    As chuvas no Rio Grande do Sul afetaram a logística do estado com danos em rodovias que acabaram isolando municípios gaúchos. A CNN entrou em contato com marketplaces e empresas com pontos de distribuição na região para entender o impacto das chuvas nas entregas. Em geral, as empresas têm buscado caminhos para driblar o problema e manter as entregas em curso. Porém, algumas delas estimam atraso e cancelamento dos pedidos.

    Empresas com empreendimentos no local, a Amazon e a JBL – fabricante norte-americana de eletrônicos de áudio – se viram forçadas a paralisar a operação de um centro de distribuição e de uma fábrica, respectivamente.

    Em nota, a Harman, empresa da Samsung e detentora da JBL, informa que a retomada de suas operações “dependem da evolução da liberação das vias logísticas na região metropolitana de Porto Alegre”.

    Desde o agravamento das chuvas, em 29 de abril, o pior momento da crise foi quando 170 pontos de bloqueios foram registrados em 79 rodovias de 97 municípios do Rio Grande do Sul. Segundo balanço divulgado nesta sexta-feira (10) pelo governo estadual, haviam 73 trechos com bloqueios totais e parciais em 43 rodovias.

    Com a paralisação, a Amazon estima atrasos nas entregas de pedidos para todo o RS. Já a JBL informa em seu site que pedidos de todo o Brasil podem sofrer atrasos devido o impacto das chuvas. À CNN, Luciano Sasso, vice-presidente de marketing e vendas à América do Sul da Harman, disse que alguns pedidos podem chegar a ser cancelados.

    “A empresa reafirma seu compromisso de oferecer todo o suporte necessário aos clientes, reforçando a política de reembolso aos envios que tiveram que ser cancelados. Além disso, [a Harman] disponibilizou um link para que os consumidores possam entrar em contato e tirar dúvidas e suporte aos clientes”, disse o VP de marketing e vendas.

    Sasso diz que a empresa mantém contato com clientes atualizando-os sobre a situação de seus pedidos.

    Já o Mercado Livre teve de paralisar suas operações de transportes nas cidades de Porto Alegre, Pelotas, Santa Maria e Sapucaia do Sul.

    “As vendas foram provisoriamente bloqueadas na região e o Mercado Livre informa que não irá penalizar a reputação dos vendedores até que as operações sejam 100% normalizadas. A empresa está trabalhando para voltar às operações nessas cidades o quanto antes”, disse a empresa em nota.

    Os Correios afirmam que cerca de 30% da carga está sendo entregue. A companhia diz estar adotando “medidas contingenciais para manter a prestação dos serviços”.

    Apesar das chuvas terem afetado cerca de 88% dos municípios gaúchos, 84% das agências dos Correios no RS estão abertas (cerca de 400 unidades).

    “Nas agências que estão operando, todos os serviços estão disponíveis, com exceção dos serviços de entrega com hora marcada (Sedex 10, Sedex 12 e Sedex Hoje)”, informou a empresa em nota.

    Há um consenso entre as empresas. Todas reforçaram que no momento a prioridade é garantir a segurança de seus colaboradores.

    Os Correios e Amazon também estão utilizando suas respectivas infraestruturas logísticas para coletar doações e recursos para apoiar a população afetada.