Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Argentina desbanca Líbano e se torna país com maior inflação do mundo

    País desbancou Líbano como primeiro do ranking em 2023, com inflação de 211% em dezembro

    Inflação da Argentina foi a maior do mundo em 2023
    Inflação da Argentina foi a maior do mundo em 2023 REUTERS/Agustin Marcarian/Ilustração

    Amanda Sampaioda CNN

    em São Paulo

    A Argentina desbancou o Líbano e se tornou o país com a maior inflação do mundo.

    Os dados do país vizinho haviam sido divulgados no último dia 11 de janeiro e revelaram que a taxa anual de inflação tinha ultrapassado os 211% em 2023 — nível mais alto desde o início da década de 1990.

    Já na última segunda-feira (22), foi a vez do Líbano anunciar que fechou o ano passado com inflação de 192,3%, quase 20 pontos percentuais abaixo do resultado da Argentina. As informações são do banco Credit Libanais.

    Na América do Sul, a Venezuela também aparece na lista, com inflação de 189,8%, de acordo com o Banco Central venezuelano.

    Mas a leitura da inflação em 2023 fez com que a Argentina ultrapassasse o país liderado por Nicolás Maduro, que por muito tempo foi o ponto fora da curva da América Latina em termos de inflação.

    Embora a inflação alta tenha atormentado a Argentina durante anos, a taxa de aumento de preços está agora no nível mais alto desde o início da década de 1990, quando o país estava saindo de um período de hiperinflação, com os preços dos alimentos em alta particularmente rápida.

    O presidente Javier Milei, um libertário que vem de fora do ambiente político e que chegou ao poder graças à raiva dos eleitores com a piora da situação econômica, está procurando empregar medidas de austeridade rígidas para derrubar a inflação, reduzir um déficit fiscal profundo e reconstruir os cofres do governo.

    Mas Milei, que está no cargo há um mês, advertiu que isso levará tempo e que as coisas podem piorar antes de melhorar. Muitos argentinos estão reduzindo os gastos ainda mais, sendo que dois quintos já estão na pobreza.

    Com informações da Reuters.