Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Argentina deve ter inflação mensal mais alta em dezembro em mais de 30 anos

    Previsão é de 28% para dezembro, impulsionada pela desvalorização do peso promovida por Milei

    As projeções dos analistas variavam de 16,9% a um pico de 31,5% para o mês
    As projeções dos analistas variavam de 16,9% a um pico de 31,5% para o mês Foto: Pexels/Freerange

    Reuters

    A taxa de inflação mensal da Argentina provavelmente subiu para 28% em dezembro, o que seria a maior desde o início de 1990, impulsionada por uma forte desvalorização do peso no mês passado pelo novo governo do presidente libertário Javier Milei.

    A mediana das previsões de 20 analistas locais e estrangeiros ouvidos pela Reuters ressalta o desafio que o país enfrenta, com uma inflação anual que deve chegar a 200%, uma das taxas mais altas do mundo.

    Milei, um ‘outsider’ que assumiu o cargo em meados de dezembro devido à raiva dos eleitores em relação à elite política, promoveu uma desvalorização de mais de 50% do peso, uma moeda debilitada e artificialmente forte.

    Isso desencadeou uma onda de inflação reprimida, com os custos de alimentos, vestuário e transporte sofrendo um forte ajuste após a desvalorização, que tinha como objetivo reduzir a enorme diferença entre a taxa de câmbio oficial e as taxas paralelas amplamente utilizadas.

     

     

    “A aceleração foi claramente impulsionada pela acomodação dos preços que foi artificialmente atrasada”, disse Eugenio Mari, economista-chefe da Fundación Libertad y Progreso.

    “O principal fator foi a taxa de câmbio no atacado. Isso elevou os preços dos bens comercializáveis, especialmente em alimentos e bebidas, que aumentaram cerca de 35% ao mês.”

    As projeções dos analistas variavam de 16,9% a um pico de 31,5% para o mês. A agência oficial de estatísticas Indec divulgará os dados oficiais na quinta-feira.

    A inflação galopante, que tem aumentado constantemente nos últimos anos devido aos profundos déficits fiscais, à baixa confiança no peso e à impressão de dinheiro para financiar o governo, é uma parte fundamental da pior crise econômica da Argentina em duas décadas.

    Milei, que alertou sobre o risco de hiperinflação sem suas medidas de austeridade e cortes de gastos planejados, reconheceu que a inflação provavelmente ficará em torno de 30% em dezembro, embora tenha dito que poderia ter sido pior.