Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Banco Mundial alerta para “reversão histórica” no desenvolvimento de países mais pobres

    Diferença no crescimento da renda individual nos países mais pobres e nos mais ricos aumentou em 5 anos

    "Pela primeira vez, vemos que não há convergência. Eles estão ficando mais pobres", disse Ayhan Kose, vice-economista-chefe do Banco Mundial
    "Pela primeira vez, vemos que não há convergência. Eles estão ficando mais pobres", disse Ayhan Kose, vice-economista-chefe do Banco Mundial 12/10/2018 REUTERS/Johannes P. Christo

    Por Andrea Shalal, da Reuters

    Metade dos 75 países mais pobres do mundo está enfrentando um aumento da diferença de renda com as economias mais ricas pela primeira vez neste século, em uma reversão histórica do desenvolvimento, disse o Banco Mundial em um relatório nesta segunda-feira.

    A diferença entre o crescimento da renda per capita nos países mais pobres e nos mais ricos aumentou nos últimos cinco anos, de acordo com o relatório.

    “Pela primeira vez, vemos que não há convergência. Eles estão ficando mais pobres”, disse à Reuters Ayhan Kose, vice-economista-chefe do Banco Mundial e um dos autores do relatório.

    “Vemos uma regressão estrutural muito séria, uma reversão no mundo… é por isso que estamos soando o alarme aqui”, disse ele.

    O relatório afirma que os 75 países elegíveis para doações e empréstimos a juros zero da Associação Internacional de Desenvolvimento (IDA, na sigla em inglês) do Banco Mundial correm o risco de perder uma década de desenvolvimento sem mudanças ambiciosas nas políticas e ajuda internacional significativa.

    Kose disse que o crescimento em muitos países da IDA já havia começado a diminuir nessas nações antes da pandemia de Covid-19, mas seria de apenas 3,4% em 2020-2024, o crescimento mais fraco em cinco anos desde o início da década de 1990. A invasão da Ucrânia pela Rússia, as mudanças climáticas, o aumento da violência e os conflitos também pesaram muito em suas perspectivas.

    Mais da metade de todos os países da IDA estão na África Subsaariana, 14 estão no Leste Asiático e oito estão na América Latina e no Caribe. Trinta e um têm renda per capita de menos de 1.315 dólares por ano. Entre eles estão a República Democrática do Congo, o Afeganistão e o Haiti.

    Um em cada três países da IDA é mais pobre agora do que na véspera da pandemia. Os países da IDA representam 92% da população mundial que não tem acesso a uma quantidade suficiente de alimentos nutritivos e a preços acessíveis. Metade dos países está com problemas de endividamento, o que significa que eles não conseguem pagar o serviço da dívida ou correm um alto risco de não conseguir.

    E, apesar de suas populações jovens – uma vantagem demográfica em uma época em que as populações estão envelhecendo em quase todos os outros países -, de seus ricos recursos naturais e de seu abundante potencial de energia solar, os bancos privados e governamentais estão se afastando deles.

    Kose disse que são necessárias políticas ambiciosas para acelerar o investimento, incluindo esforços domésticos para fortalecer as políticas fiscal, monetária e financeira, e reformas estruturais para melhorar a educação e aumentar as receitas domésticas.

    Um apoio financeiro significativo da comunidade global também é essencial para progredir e reduzir o risco de estagnação prolongada, disse Kose, observando que o Banco Mundial espera obter uma reposição robusta dos fundos da IDA até dezembro.