Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Demanda por tênis de Kanye West aumentou após polêmicas, diz grande revendedor

    Yeezy estão entre três principais vendedores da Impossible Kicks

    Tênis Adidas Yeezy Boost 350
    Tênis Adidas Yeezy Boost 350 noah boisclair/Unsplash

    Parija Kavilanzda CNN Nova York

    No ano passado, a Adidas dispensou Ye (anteriormente conhecido como Kanye West) e sua outrora popular marca de roupas e tênis Yeezy por causa de seus comentários anti-semitas. Mas a controvérsia aparentemente estimulou a demanda pelos sapatos.

    Atualmente, os tênis Yeezy estão entre os três principais vendedores da Impossible Kicks, um grande revendedor online de tênis e roupas de alta qualidade que possui 17 lojas nos Estados Unidos.

    “A demanda por Yeezys aumentou 30% desde outubro a novembro passado”, destaca John Mocadlo, CEO da Impossible Kicks.

    Ele disse que os tênis Yeezy estão entre as três marcas mais populares na plataforma, depois dos Jordans e outros calçados da Nike, incluindo os tênis Dunk e Air Max.

    “Vendemos cerca de 30 mil tênis no total todos os meses. Provavelmente 6.000 a 7.000 deles agora são Yeezys”, disse ele.

    Os Yeezy 350 com preto e branco na estampa de cores do tênis estão entre os mais procurados na revenda, com preços de 20% a 40% acima do valor de varejo do tênis, conforme Mocadlo.

    O preço de revenda para essas duas opções varia de US$ 350 a US$ 400. O aumento das vendas de Yeezy’s na revenda não beneficiaria West porque o mercado secundário representa itens que já foram comprados.

    Mocadlo disse que muitos clientes que desejam comprar os tênis Yeezy os veem como itens de colecionador, esperando que ocorra um aumento adicional de valor, enquanto outros simplesmente gostam do estilo e conforto dos tênis e querem adicioná-los ao guarda-roupa.

    Muitos clientes, disse ele, desconhecem a polêmica ligada ao estilista da marca. “Estou muito surpreso com isso”.

    A Adidas, que fez parceria com West desde 2013 para produzir e comercializar sua marca Yeezy, não foi a única empresa a cortar relações com Ye por causa de seus comentários antissemitas.

    As consequências se estenderam à Gap, que removeu todas as mercadorias da Yeezy Gap de suas lojas. Footlocker, TJ Maxx e a grife de luxo Balenciaga também romperam relações com Ye e pararam de vender mercadorias da Yeezy.

    A Adidas disse no início deste mês que espera perder US$ 1,3 bilhão em receita este ano após encerrar sua parceria de nove anos com a Ye, deixando a empresa com muitas mercadorias não vendidas da marca Yeezy. A companhia destacou que tentaria reaproveitar parte dele sem a marca Yeezy.

    Mocadlo disse que a Impossible Kicks tem cerca de US$ 2 milhões em estoque de tênis Yeezy atualmente, cerca de 10 mil pares. “Está ficando um pouco difícil conseguir mais porque o estoque está começando a secar depois da polêmica”.

    Portanto, agora os preços dos tênis Yeezy estão subindo devido à oferta mais restrita, segundo a StockX, uma plataforma líder de revenda de tênis.

    “Desde o início do ano, o preço médio dos tênis Yeezy aumentou, mas as vendas gerais diminuíram na StockX”, disse Drew Haines, diretor de tênis e colecionáveis ​​da StockX, à CNNBusiness.

    “Isso está de acordo com os princípios de oferta e demanda e consistente com o que esperaríamos que acontecesse quando não houvesse nova oferta no mercado.”

    A StockX se recusou a comentar especificamente sobre a demanda por tênis Yeezy em sua plataforma.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original