Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Desenrola já abateu 2,6 milhões de dívidas de até R$ 100, diz associação de crédito

    Segundo a ANBC, não é possível afirmar, por enquanto, se esse é o total de pessoas que ficaram com o nome limpo, já que um mesmo CPF pode ter mais de uma dívida

    Da CNN* São Paulo

    A Associação Nacional dos Bureaus de Crédito (ANBC) informou que 2,64 milhões de dívidas de até R$ 100 foram abatidas nos três primeiros dias do programa Desenrola Brasil, entre segunda-feira (17) a quarta-feira (19).

    Nesta primeira fase, o programa prevê que pessoas com dívidas de até R$ 100 possam deixem de ter o nome sujo nos órgãos de proteção ao crédito, embora a dívida não seja extinta.

    A ANBC explica, no entanto, que não é possível afirmar que os 2,6 milhões seja equivalente ao número de pessoas desnegativadas, já que um mesmo CPF pode ter mais de uma dívida.

    O programa para renegociação de dívidas começou com a adesão de cinco bancos e fechou a semana com nove participantes. Por ora, os bancos participantes são: Banco do Brasil, Caixa, Bradesco, Itaú e Santander — e às instituições digitais C6 Bank, Inter, PicPay e Nubank.

    Até o momento, o Bradesco já fez a baixa da negativação de 580 mil devedores. O C6 Bank, que aderiu recentemente, limpou o nome de 456 mil pessoas e a Caixa Econômica Federal já conseguiu limpar o nome de 225 mil pessoas que estavam na lista de inadimplentes.

    A CNN entrou em contato com os outros bancos, mas as assessorias disseram que ainda estão fazendo os balanços.

    O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, disse nesta quinta-feira (20) que, com a adesão do Nubank, poderão ser 2,5 milhões de pessoas com os nomes limpos através do programa.

    As agências da Caixa, inclusive, vão abrir mais cedo nesta sexta-feira (21), às 9 horas da manhã, só para fazer renegociação de dívidas. Ao todo, serão 63 mil funcionários mobilizados para atender quem quer regularizar suas pendências.

    Vale ressaltar que, que além das renegociações presenciais, todos os bancos que aderiram ao programa também possibilitam realizar as tratativas via online.

    Após o início do programa do governo federal de renegociação de dívidas, há bancos oferecendo descontos de até 96% do valor da pendência para pagamento à vista e prazo de até dez anos para pagar. As condições variam de acordo com o contrato do cliente.

    Entenda como aderir

    O projeto pode beneficiar até 70 milhões de endividados e com o nome negativado em serviços de proteção ao crédito por meio da renegociação de dívidas, como o Serasa ou Serviço de Proteção ao Crédito (SPC).

    O programa estava previsto para começar em setembro, mas o governo federal decidiu antecipar as renegociações para os devedores com renda de até R$ 20 mil.

    Com isso, governo começará a atender os beneficiados na nomeada Faixa II, considerada a primeira fase do Programa Emergencial de Renegociação de Dívidas de Pessoas Físicas.

    Neste momento, o programa também prevê que bancos retirem da lista de negativados os nomes de devedores pessoa física com pendências de até R$ 100.

    Para participar do processo de desnegativação, os beneficiados precisam ter contas nos bancos que aderirem ao Desenrola.

    Primeira fase

    Na primeira fase, que começa hoje, o Desenrola irá atender os beneficiados que se encaixam na Faixa II do programa.

    O grupo contempla as pessoas com renda mensal igual ou inferior a R$ 20 mil. O atendimento a este grupo é destinado para renegociação de dívidas bancárias. As dívidas poderão ser pagas em até 12 parcelas.

    Para renegociar suas dívidas, os devedores precisarão entrar em contato diretamente com os bancos, seja presencialmente ou por canais da própria instituição. O aplicativo do programa ainda não poderá ser utilizado para negociações.

    Com o intuito de não estimular novas dívidas, o governo anunciou que só serão contempladas no programa dívidas inscritas até 31 de dezembro de 2022.

    A Fazenda projeta que serão beneficiadas cerca de 30 milhões de pessoas nesta etapa.

    Segunda fase

    A partir de setembro o programa vai começar por completo. O Desenrola vai lançar um aplicativo e passará a contemplar os beneficiados na Faixa I.

    O governo estima que, no total, o programa pode atender até 70 milhões de pessoas.

    Nessa etapa, serão atendidas pessoas inadimplentes que possuam renda mensal de até dois salários mínimos – R$ 2.640 – ou que estejam inscritas no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico).

    Poderão ser negociadas dívidas de até R$ 5 mil, incluindo passivos com setor de serviços, como contas de luz e dívidas com varejo.

    Para participar dessa etapa do programa, é necessário que o devedor tenha cadastro no GOV.BR, plataforma do governo destinada para acessar serviços públicos digitais.

    O registro pode ser realizado diretamente no portal do governo federal.

    *Publicado por Diego Mendes, com informações de Elaine Bast