Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Disney planeja demitir 7.000 funcionários e recompensar acionistas

    Segundo a empresa, demissões fazem parte de corte de custos destinado a simplificar as operações em um período de turbulência na indústria de mídia

    Chris Isidoredo CNN Business

    A Disney disse que deve cortar 7.000 funcionários de sua força de trabalho global, como parte de uma iniciativa multibilionária de corte de custos destinada a simplificar as operações da empresa em um período de turbulência na indústria de mídia.

    A Disney tinha cerca de 220.000 funcionários em 1º de outubro, dos quais aproximadamente 166.000 estavam empregados nos Estados Unidos. Um corte de 7.000 empregos representa cerca de 3% de sua força de trabalho global.

    “Embora isso seja necessário para enfrentar os desafios que enfrentamos hoje, não tomo essa decisão levianamente”, disse o CEO Bob Iger, que voltou a liderar a empresa em novembro, quando o conselho demitiu Bob Chapek como líder da empresa.

    “Tenho enorme respeito e apreço pelo talento e dedicação de nossos funcionários em todo o mundo e estou ciente do impacto pessoal dessas mudanças.”

    Iger também tomou medidas para recompensar os acionistas, enquanto os funcionários da Disney serão impactados com o anúncio do corte de empregos.

    A empresa havia suspendido o pagamento de dividendos durante a pandemia. Iger anunciou que espera que isso volte.

    “Agora que os impactos da pandemia em nossos negócios ficaram para trás, pretendemos pedir ao conselho que aprove o restabelecimento de um dividendo até o final do ano civil”, disse ele.

    “Nossas iniciativas de redução de custos tornarão isso possível. E, embora inicialmente seja um dividendo modesto, esperamos aumentá-lo ao longo do tempo”, completou.

    Esforços de corte de custos

    Os cortes de empregos fazem parte de um esforço de corte de custos também anunciado nesta quarta-feira (8). Iger disse que a empresa pretende economizar US$ 5,5 bilhões em custos, sendo US$ 2,5 bilhões provenientes de economias anuais em operações “sem conteúdo”.

    As operações de conteúdo referem-se a unidades de negócios, como filmes e programas de televisão.

    Ele disse que 50% da economia de custos viria de despesas de marketing, 30% da economia de mão de obra e 20% da economia de custos viria de menos gastos com tecnologia, compras e outras despesas.

    Como a Disney é um grande anunciante, uma redução de US$ 1 bilhão nos gastos anuais com marketing indica mais dificuldades futuras para outras mídias, bem como para empresas de tecnologia.

    Os grandes cortes de empregos foram anunciados por Iger depois que a empresa divulgou resultados financeiros melhores do que o esperado para o quarto trimestre de 2022. A receita da Disney no trimestre aumentou 8%, para US$ 23,5 bilhões, superando as estimativas de US$ 23,4 bilhões de analistas consultados pela Refinitiv.

    O lucro por ação, embora ligeiramente inferior ao de um ano atrás, superou as previsões, chegando a US$ 0,99, excluindo itens especiais. Isso está abaixo dos US$ 1,06 por ação que ganhou nessa base um ano antes, mas muito melhor do que a previsão de US$ 0,78 por ação.

    A empresa disse que os resultados foram ajudados por fortes exibições de bilheteria, inclusive para o sucesso “Avatar: The Way of Water”, e receitas excepcionalmente robustas de parques temáticos.

    Queda de assinantes e perdas do Disney+

    A empresa informou que perdeu assinantes de streaming do Disney+ no último trimestre, mas também conseguiu reduzir as perdas do período de três meses anterior. A Disney cortou as despesas de marketing para streaming e também ajustou os planos de preços em um esforço para atrair assinantes mais lucrativos.

    O número de assinantes caiu apenas 1%, de 164 milhões para 162 milhões, no final do trimestre encerrado em 1º de outubro. Mas seus outros negócios de streaming, incluindo ESPN + e Hulu, nos quais tem participação, ambos tinham números de assinantes aumentar 2%.

    Isso ajudou a Disney a reduzir suas perdas no segmento geral de streaming para US$ 1,1 bilhão no trimestre, ante US$ 1,5 bilhão no trimestre encerrado em 1º de outubro, embora tenha sido quase o dobro da perda de US$ 593 milhões relatada no ano anterior.

    Os serviços de streaming da Disney, destacados por sua oferta Disney+, vinham relatando aumentos de assinantes e perdas nos últimos trimestres.

    A empresa reafirmou sua orientação de que o Disney+ continua no caminho para ser lucrativo no próximo ano fiscal, que vai de outubro a setembro de 2024, embora tenha alertado que isso pode ser afetado por uma crise econômica.

    Com os consumidores cortando os planos de TV a cabo, a necessidade de uma oferta de streaming lucrativa é vista como crítica. A Disney lucrou durante anos com a receita de taxas de assinantes de TV por assinatura.

    Iger disse que o aumento da atenção para melhorar a lucratividade no negócio de streaming não significa que a empresa esteja se afastando dele como uma chave para seu futuro.

    “O negócio de streaming, que acredito ser o futuro e vem crescendo, não está entregando basicamente o tipo de lucratividade ou resultados finais que o negócio linear nos proporcionou ao longo de algumas décadas”, disse ele, referindo-se à programação na televisão ou nas salas de cinema.

    Ele disse que o streaming “continua sendo nossa prioridade número 1. É, em muitos aspectos, o nosso futuro, mas não vamos abandonar as plataformas lineares ou tradicionais enquanto elas ainda puderem ser um benefício para nós e nossos acionistas.”

    As ações da Disney subiram 6% nas negociações pós-mercado após o anúncio de corte de custos e retorno do dividendo. As ações da empresa perderam 43% de seu valor em 2022, mas subiram quase 22% desde que o retorno de Iger foi anunciado em novembro, até o fechamento desta quarta-feira.

    Isso é muito melhor do que o mercado geral, mas fica atrás dos ganhos no mesmo período em algumas outras empresas de mídia, como a Netflix ou a Warner Bros. Discovery, proprietária da CNN.

    Iger expõe seus planos

    Este foi o primeiro relatório trimestral de Iger desde que voltou como CEO. Embora ele já tivesse anunciado algumas mudanças, muitos investidores estavam olhando para esses ganhos trimestrais para obter clareza sobre a direção estratégica da Disney daqui para frente.

    Iger anunciou que combinará todos os seus negócios de mídia e conteúdo globalmente, incluindo streaming, em um novo segmento conhecido como Disney Entertainment. Ele disse que a reorganização é a chave para um “retorno [da] criatividade ao centro da empresa”.

    E criticou a forma como a empresa havia sido estruturada sob Chapek.

    “Nossa empresa é alimentada por histórias e criatividade”, disse ele. “Sempre acreditei que a melhor maneira de estimular a grande criatividade é garantir que as pessoas que gerenciam os processos criativos se sintam fortalecidas. Portanto, nossa nova estrutura visa devolver maior autoridade aos nossos líderes criativos e torná-los responsáveis ​​pelo desempenho financeiro de seu conteúdo. Nossa estrutura anterior cortou esse elo e deve ser restaurado”.

    Ele também descartou a ideia de que a Disney agiria para se livrar da ESPN, como alguns sugeriram no passado.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original