Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Escalada da violência no Oriente Médio não está aumentando os preços do gás, por enquanto, dizem especialistas

    Preço do gás de referência caiu 28% desde o início de dezembro

    Os preços do barril de petróleo Brent, a referência global de petróleo, e do West Texas Intermediate, a referência de petróleo dos EUA, quase não se moveram
    Os preços do barril de petróleo Brent, a referência global de petróleo, e do West Texas Intermediate, a referência de petróleo dos EUA, quase não se moveram REUTERS/Nick Oxford

    Anna Coobanda CNN

    Não faz muito tempo, o fechamento de uma das rotas comerciais mais importantes do mundo teria aumentado drasticamente as contas de energia e combustível das famílias.

    Então, por que, em meio a uma crise no Mar Vermelho, com navios-tanque de petróleo e gás natural liquefeito (GNL) forçados a seguir rotas muito mais longas até seus destinos, os preços da energia mal reagiram — ou até mesmo diminuíram — nas últimas semanas?

    A Europa importa a maioria de seu gás natural, mas o preço do contrato de gás de referência caiu 28% desde o início de dezembro, quando os militantes Houthi apoiados pelo Irã começaram a intensificar os ataques à navegação em retaliação à guerra de Israel contra o Hamas.

    Nos últimos dias, as tensões aumentaram ainda mais, com o Irã e o Paquistão realizando ataques no território um do outro, e com os aliados e representantes do Irã no Oriente Médio — o chamado eixo de resistência — lançando ataques contra as forças israelenses e seus aliados, tendo como pano de fundo a guerra em Gaza.

    Os preços do barril de petróleo Brent, a referência global de petróleo, e do West Texas Intermediate, a referência de petróleo dos EUA, quase não se moveram. Eles subiram cerca de 4% desde o início de dezembro.

    Motoristas americanos também não estão sentindo muita diferença na bomba. O preço médio de um galão de gasolina comum ficou em US$ 3 na terça-feira, segundo a AAA. Esse valor é o mesmo de um mês atrás e 8% abaixo do mesmo período do ano passado.

    “O mercado (de petróleo) basicamente não fica tão animado como antes, porque sabe que a maioria dessas tensões não leva, necessariamente, a uma redução na oferta”, disse Homayoun Falakshahi, analista sênior de petróleo do provedor de dados Kpler, à CNN.

    Voltemos a 2022, após a invasão em grande escala da Rússia na Ucrânia, e os mercados globais de energia estavam sendo negociados em um gatilho de cabelo, quando o menor sinal de mais agitação geopolítica faria com que os preços do petróleo, gás e outras commodities disparassem.

    No entanto, atualmente os analistas dizem que os fatores econômicos — demanda mais fraca em países como a China e a Alemanha, amplo suprimento de petróleo e gás — estão suplantando as preocupações com a violência no Oriente Médio. Pelo menos por enquanto.

    Excedente “expressivo” de petróleo

    De acordo com dados da Kpler, entre 10% e 12% das exportações globais de petróleo bruto e entre 14% e 15% das exportações de derivados de petróleo, como gasolina e diesel, normalmente passam pelo Mar Vermelho.

    Nas últimas semanas, muitos desses navios-tanque tiveram que seguir uma rota mais longa para evitar a hidrovia. Mas eles ainda estão chegando aos seus clientes, de acordo com Falakshahi.

    “Na verdade, trata-se principalmente de uma crise na cadeia de suprimentos, não perdemos volumes (de petróleo)”, disse ele.

    “Há alguns navios-tanque que precisam contornar o Cabo da Boa Esperança (na África do Sul). Mas, no final, os volumes permanecem os mesmos.”

    Embora a oferta continue robusta, o crescimento global da demanda por petróleo está enfraquecendo.

    O Escritório Nacional de Estatísticas da China confirmou esta semana que a economia do país cresceu 5,2% no ano passado. Isso superou as projeções do governo, mas ainda é um dos piores desempenhos econômicos da China em mais de três décadas.

    O crescimento da demanda global de petróleo deve cair quase pela metade este ano, informou a Agência Internacional de Energia (AIE) em um relatório na quinta-feira. Ao mesmo tempo, a previsão é de que a oferta global de petróleo atinja um recorde histórico, impulsionada pela produção recorde de países como os Estados Unidos e o Canadá, disse a AIE.

    Isso ocorre apesar de vários cortes profundos na produção da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), além de alguns aliados, incluindo a Rússia, anunciados no ano passado em uma tentativa de impulsionar os preços.

    Se a aliança OPEP+ seguir com seu plano de desfazer alguns desses cortes durante o segundo trimestre, o forte crescimento da produção de outros países poderá resultar em um “excedente substancial” de petróleo em nível global, disse a AIE.

    Ainda assim, Falakshahi acredita que as interrupções no Mar Vermelho durarão “por meses” e espera que o preço do Brent ultrapasse os US$ 80 por barril em um futuro próximo, à medida que os mercados se aproximarem da mesma opinião.

    O preço do barril pode subir até US$ 85 nas próximas semanas, disse ele, e só subiria mais se o conflito na região aumentasse significativamente, talvez no caso improvável de o Irã se envolver mais diretamente.

    Fornecimento de gás na Europa

    Enquanto isso, os esforços da Europa para se livrar do gás russo desde o início de 2022 – encontrando suprimentos alternativos, aumentando sua capacidade de receber GNL e enchendo suas instalações de armazenamento – estão rendendo dividendos.

    Xi Nan, pesquisador sênior de gás da Rystad Energy, disse que os atuais níveis historicamente altos de gás armazenado são o “fator determinante” que mantém o preço sob controle na Europa.

    Os estoques de gás da União Europeia estavam 78% cheios na terça-feira, o último dia para o qual há dados disponíveis, de acordo com a Gas Infrastructure Europe. Isso está bem acima da média de 63% que o bloco registrou no mesmo dia entre 2017 e 2021.

    Nos últimos dias, vários navios que transportam GNL do Catar com destino à Europa contornaram o Mar Vermelho para viajar pela ponta sul da África, de acordo com uma análise da Kpler compartilhada no X.

    Mas a avaliação de Nan é que o GNL do Catar “está apenas seguindo uma rota mais longa, cerca de 10 dias a mais”. “O mercado agora não corre risco de escassez de oferta”, disse ela à CNN, acrescentando que todas as outras fontes de gás natural, inclusive as dos EUA, são “robustas”.

    O Catar forneceu um pouco mais de 5% da demanda de gás na Europa no ano passado, uma medida que inclui o Reino Unido, com base em dados da consultoria Wood Mackenzie.

    Nan disse que a demanda relativamente modesta também estava ajudando a evitar picos nos preços do gás. Amplas faixas do mercado de energia da Europa são agora abastecidas por fontes de energia renováveis, em vez de gás, disse ela, e o consumo industrial é baixo em comparação com o que era antes do início da guerra na Ucrânia.

    Matéria traduzida do inglês: Leia a reportagem original aqui