Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Confiança da indústria recua 2,6 pontos em outubro, para 60,2, diz CNI

    Para confederação, resultado é reflexo de maior moderação das expectativas relativas aos próximos seis meses

    Índice de Condições Atuais recuou 1,5 ponto para 56,9 pontos. Enquanto o Índice de Expectativas recuou 3,2 pontos, para 61,8 pontos
    Índice de Condições Atuais recuou 1,5 ponto para 56,9 pontos. Enquanto o Índice de Expectativas recuou 3,2 pontos, para 61,8 pontos Getty Images

    Pedro Zanattado CNN Brasil Business

    em São Paulo

    Em outubro, o Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) registrou um recuou de 2,6 pontos, para 60,2 pontos. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira (13) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

    É a maior queda de confiança neste ano, que ocorre após sucessivos avanços de otimismo do setor industrial. O resultado ainda fica acima da linha divisória de 50 pontos, que separa um estado de confiança de um estado de falta de confiança do empresário industrial.

    A avaliação da confederação é de que a menor confiança registrada é reflexo, sobretudo, de uma maior moderação das expectativas relativas aos próximos seis meses. A média histórica do índice é de 54,3 pontos.

    Já o Índice de Condições Atuais recuou 1,5 ponto para 56,9 pontos. Enquanto o Índice de Expectativas recuou 3,2 pontos, para 61,8 pontos. Na avaliação de Larissa Nocko, especialista em políticas e indústria da CNI, a confiança do empresário permanece elevada em relação ao restante do ano.

    “O ICEI mostrou um recuo no mês de outubro, na comparação com o mês de setembro. Essa queda foi resultado tanto de um recuo na avaliação das condições atuais quanto na expectativa do empresário para os próximos seis meses, ainda que tenha sido mais expressivo esse recuo no lado das expectativas. Apesar dessa queda no mês, o índice vinha em uma trajetória de alta desde o início do segundo semestre e se encontrava no ponto mais alto da confiança desde o início do ano. Então, apesar de essa queda, a confiança do empresário permanece elevada em relação ao restante do ano”, disse.