Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Guerra da Rússia na Ucrânia desencadeou crise alimentar histórica

    Apesar da melhora nos últimos meses, a crise não acabou; especialistas não esperam alívio iminente

    Julia Horowitzda CNN

    Os grãos estão mais uma vez deixando os portos ucranianos. O preço do fertilizante está caindo drasticamente. Bilhões de dólares em ajuda foram mobilizados.

    No entanto, o mundo ainda está enfrentando a pior crise alimentar da história moderna, enquanto a guerra da Rússia na Ucrânia abala os sistemas agrícolas globais que já lutam contra os efeitos do clima extremo e da pandemia.

    As condições do mercado podem ter melhorado nos últimos meses, mas especialistas não esperam alívio iminente.

    Isso significa mais dor para as comunidades vulneráveis ​​que já lutam contra a fome. Também aumenta o risco de fome e fome em países como a Somália, que enfrenta o que a ONU descrevem como uma emergência alimentar “catastrófica”.

    “Todas as principais causas da crise alimentar ainda estão conosco – conflito, Covid, mudança climática, altos preços dos combustíveis”, disse Cary Fowler, enviado especial dos EUA para segurança alimentar global, à CNN.

    “Acho que temos que nos preparar para 2023 ser um ano difícil”.

    A questão está na agenda de líderes governamentais e empresariais que se dirigem ao Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça, esta semana.

    Ela disputará a atenção dos participantes que discutem tópicos que vão desde custos de energia e manutenção da segurança global até inteligência artificial e mudanças demográficas.

    David Beasley, chefe do Programa Mundial de Alimentos da ONU, tuitou que a reunião da elite ocorre em um “momento crítico”.

    Sua agência recebeu US$ 14 bilhões em 2022, uma soma sem precedentes que incluiu mais de US$ 7 bilhões dos Estados Unidos. Isso ajudou a fornecer alimentos e assistência a cerca de 160 milhões de pessoas.

    Os os altos preços dos alimentos significam que o financiamento não pode ir tão longe, e a guerra da Rússia continua a gerar volatilidade. Mais trabalho também precisa ser feito para aumentar o abastecimento de alimentos em países com maiores necessidades.

    “As fileiras da insegurança alimentar estão crescendo mais rápido do que nossa capacidade de fornecer assistência humanitária”, disse Fowler. “Não podemos sair desta crise fornecendo ajuda alimentar”.

    Os preços de alimentos mais altos já registrados

    Antes da Rússia invadir a Ucrânia, o preço dos alimentos já estava em seu nível mais alto em uma década devido a cadeias de suprimentos embaralhadas e eventos climáticos extremos, como a pior seca em quase um século no centro e sul do Brasil.

    Os preços recordes do gás natural – um insumo fundamental para fazer fertilizantes à base de nitrogênio – também se tornaram um pesadelo para os agricultores.

    Então veio a guerra.

    A Ucrânia normalmente fornece cerca de 45 milhões de toneladas métricas de grãos para o mercado global todos os anos e é o maior exportador mundial de óleo de girassol. Juntamente com a Rússia, foi responsável por cerca de um quarto das exportações globais de trigo em 2019.

    Enquanto as tropas russas bloqueavam os portos do país, o sistema alimentar tenso sofreu outro choque – este ainda mais difícil de suportar.

    “A crise na Ucrânia teve um impacto negativo contínuo nos preços mundiais dos alimentos e [acrescentou] ainda mais volatilidade”, disse Abby Maxman, CEO da Oxfam America.

    “As cadeias de suprimentos e como elas fluem para lugares como a África Oriental e o Chifre da África estão sofrendo grandes impactos”.

    Isso levou o Índice de Preços de Alimentos desenvolvido pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação ao seu nível anual mais alto desde 2005, subindo mais de 14% em relação a 2021.

    Em 2022, o número de pessoas que lutam com insegurança alimentar aguda – ou seja, suas o acesso aos alimentos era tão restrito que ameaçava suas vidas e meios de subsistência – disparou de 135 milhões para 345 milhões em 2019.

    Houve alguns sinais de melhora. O índice caiu por nove meses consecutivos, e seu valor de dezembro ficou abaixo do de um ano atrás. Um grande fator é a forte queda no preço dos óleos vegetais.

    Os suprimentos estão altos e a demanda está baixa, à medida que a economia desacelera e os temores de recessão se instalam.

    O acordo para reiniciar as exportações de alimentos da Ucrânia via Mar Negro permitiu que ela embarcasse mais de 12 milhões de toneladas métricas de grãos e outros alimentos até o início de dezembro. E a queda do preço da energia ajudou a reduzir o custo dos fertilizantes

    “No momento, as coisas estão indo na direção certa”, disse Jonathan Haines, analista sênior da Gro Intelligence, uma empresa de pesquisa. Mas as preocupações permanecem, especialmente porque os preços dos alimentos parecem ter se estabilizado em níveis elevados.

    O fertilizante continua caro em bases históricas, e os agricultores têm usado menos para economizar custos; que podem reduzir o rendimento das colheitas nas próximas safras.

    A rápida reversão das restrições ao coronavírus na China significa que a demanda do país por produtos agrícolas pode disparar repentinamente, elevando os preços novamente.

    Além disso, autoridades ucranianas e americanas disseram que a Rússia está atrasando as inspeções de navios carregados com grãos nos portos do Mar Negro, levando a backups e atrasos dispendiosos.

    A Rússia “não está ajudando a aliviar a crise alimentar ao desacelerar as inspeções de grãos”, disse Fowler.

    O clima imprevisível e extremo também representa um risco após os oito anos mais quentes já registrados.

    Nos últimos 12 meses, houve um calor sem precedentes na Europa, inundações devastadoras no Paquistão, seca no cinturão do milho nos Estados Unidos e seca severa na América do Sul ligada ao fenômeno La Niña.

    “Temos experimentado muitas perturbações climáticas”, disse Haines. “É uma grande incógnita”. 

    Os custos de longo alcance da guerra

    A agitação no mercado global de alimentos aumentou as filas de pessoas pobres e famintas em todo o mundo, e as condições de monitoramento estão preocupadas com o futuro.

    “Realmente estamos em um momento em que vemos o aumento da pobreza por causa de todos esses choques, principalmente na África”, disse Dina Esposito, coordenadora global de crise alimentar da USAID, que está viajando com Fowler para Malawi e Zâmbia esta semana.

    Os governos, ainda afetados pela pandemia, têm menos largura de banda para fornecer assistência, especialmente devido ao rápido aumento das taxas de juros – que exige pagamentos de dívidas mais pesados ​​– e ao dólar forte, que torna a importação de alimentos mais cara.

    Os preços agrícolas em moeda local subiram 142% no Malawi e 120% na Zâmbia desde o início de 2020, de acordo com uma análise da Gro Intelligence.

    Enquanto isso, países já à beira do abismo, como a Somália atingida pela seca, foram empurrados ainda mais para o limite. Grupos de ajuda estimam que mais de 90% do trigo consumido no país vem da Rússia e da Ucrânia.

    Maxman, da Oxfam, que viajou para lá em setembro, disse que as interrupções no abastecimento de alimentos eram óbvias nos mercados.

    No verão passado, um gerente sênior de nutrição de uma clínica administrada pelo Comitê Internacional de Resgate em Mogadíscio disse à CNN que o número de casos aumentou 80% em um mês e que estava vendo um aumento impressionante de 265% na desnutrição grave em crianças menores de idade. cinco.

    “São os efeitos compostos que mais prejudicam os menos responsáveis ​​pelo que está acontecendo”, disse Maxman.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original