Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Maiores bancos americanos se rendem a modelo de negócios de Apple Pay e PayPal

    Planos de carteira digital é tentativa de recuperar controle dos bancos sobre compras atualmente feitas usando Apple Pay e serviços similares

    PayPal Holdings, que inclui PayPal e Venmo, teve um volume total de pagamentos de US$ 1,25 trilhão em 2021
    PayPal Holdings, que inclui PayPal e Venmo, teve um volume total de pagamentos de US$ 1,25 trilhão em 2021 Marques Thomas / via Unsplash

    Chris Isidoreda CNN

    Os maiores bancos dos Estados Unidos anunciaram planos nesta terça-feira (24) para uma carteira eletrônica, mirando em serviços prestados por Apple Pay e o PayPal.

    Os bancos estão trabalhando com a Early Warning Services (EWS), a empresa que administra o serviço de pagamento eletrônico Zelle.

    No momento, Zelle permite principalmente transferências de fundos entre pessoas que se conhecem.

    A carteira digital é uma tentativa de recuperar o controle dos bancos sobre as compras atualmente feitas usando o Apple Pay e serviços similares. A nova carteira digital deve ser lançada em um momento não especificado ainda este ano.

    Os sete bancos que possuem EWS estão entre os maiores do país: JPMorgan Chase, Bank of America, Wells Fargo, Capital One, PNC, US Bancorp e Truist.

    A EWS ainda não divulgou os resultados de 2022, mas em 2021 disse que os clientes enviaram US$ 490 bilhões em pagamentos via Zelle em 2021, um aumento de 59% em relação ao ano anterior.

    Embora isso seja mais do que o dobro dos US$ 230 bilhões em pagamentos e transferências movimentados pela Venmo naquele ano, é cerca de metade do volume movimentado pelo PayPal.

    A PayPal Holdings, que inclui PayPal e Venmo, teve um volume total de pagamentos de US$ 1,25 trilhão em 2021.

    A Apple também está se envolvendo mais em serviços financeiros, anunciando um serviço de pagamento posterior no ano passado e uma parceria com a Goldman Sachs  em um cartão de crédito da Apple em 2019.

    Mas Zelle foi alvo de críticas do Congresso americano por problemas com fraude e pagamentos incorretos. A senadora Elizabeth Warren anunciou os resultados de uma investigação em outubro que dizia que, apesar da falta de dados da maioria dos bancos, as reivindicações de fraude estavam em ritmo de US$ 255 milhões no ano passado, acima dos US$ 90 milhões em 2020.

    E a investigação de Warren alegou que os bancos não estavam recuperando os clientes após reclamações de transações fraudulentas, com pouco menos da metade das transações “não autorizadas” classificadas pelo EWS como fraude devolvidas aos consumidores em 2021 e no primeiro semestre de 2022.

    “Zelle está se tornando cada vez mais uma ferramenta de maus atores que usam a plataforma para fraudar consumidores, enquanto os grandes bancos que possuem Zelle fazem pouco para detê-los ou fornecer recursos a seus consumidores”, escreveu Warren ao EWS e aos bancos em outubro.

    O EWS respondeu que a taxa de transações fraudulentas vem caindo, não aumentando, e que mais de 99,9% das transações ocorrem sem problemas. Embora tenha respondido a Warren que estava mudando suas políticas de responsabilidade e reembolsos para clientes, Warren respondeu em dezembro que tinha pouca fé nas mudanças.

    “Suas mudanças de política propostas estão muito atrasadas: os consumidores merecem mais do que a abordagem atual do EWS, o que os deixa na mão enquanto golpistas e fraudadores se beneficiam”, escreveu Warren em uma carta às empresas em dezembro.

    “Mas, dada a relutância consistente da EWS e dos grandes bancos que possuem e operam a plataforma para cooperar ou fornecer aos legisladores e ao público informações completas e factuais sobre fraude em Zelle, seu anúncio me dá pouca confiança de que sua empresa implementará o escopo completo das mudanças necessárias para proteger os consumidores contra fraudes em Zelle.”

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original