Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Movimento de fiscais da agricultura é legítimo, mas gera preocupação, diz Fávaro

    Servidores pressionam governo para reestruturação da carreira e aumento salarial

    O ministro da Agricultura e Pecuária, Carlos Fávaro, durante entrevista coletiva no Palácio do Planalto
    O ministro da Agricultura e Pecuária, Carlos Fávaro, durante entrevista coletiva no Palácio do Planalto Marcelo Camargo/Agência Brasil

    Da CNN

    São Paulo

    O ministro da Agricultura, Carlos Fávaro, afirmou nesta quinta-feira (22) que a mobilização dos Auditores Fiscais Federais Agropecuários (AFFAs) é legítima, mas pontuou que o movimento gera preocupações.

    “Ontem eu estive reunido com os dois sindicatos. O ponto que eu disse a eles e quero falar aqui com muita tranquilidade: movimento é legítimo. Agora, eles não podem perder esse sentimento de que é legítimo, na medida que eles possam começar a gerar atrasos de exportação, demissão, paralisação, eles perdem legitimidade”, disse a jornalistas após encontro com o ministro da Fazenda, Fernando Haddad.

    Fávaro reconheceu que os auditores ficaram seis anos sem reajuste de salário, mas relembrou que o governo Lula deu 9% de aumento para a categoria no ano passado. “‘Ah, mas tem um déficit maior do que isso’, é óbvio que tem, e nós reconhecemos também”, acrescentou.

    Ele afirmou ainda que o governo está aberto ao diálogo e disse tem ajudado na negociação junto ao Ministério da Gestão e Inovação.

    “Na próxima quinta-feira tem mais uma rodada [de negociação], e eu quero crer que ela pode ser já definitiva para harmonizar tudo isso”, concluiu.

    A paralisação

    A mobilização, também chamada de “Operação Pente-Fino” foi deflagrada pelos trabalhadores no fim de janeiro, mas intensificada na última segunda-feira (19), após a categoria rejeitar a proposta do Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos (MGI). A votação obteve 2015 votos, com 98% de reprovação da proposta.

    Segundo o presidente do Anffa Sindical, Janus Pablo, o número expressivo de votos que rejeitam a proposta apresentada é uma mensagem para o governo federal de que a carreira merece ser valorizada.

    “A carreira necessita de uma valorização do tamanho que o setor agropecuário representa. Precisamos de uma carreira moderna e bem estruturada para atender, com excelência, as demandas do setor”, afirma. “Seguimos firmes e fortes, coesos e unidos, em busca da valorização da carreira por meio da valorização”, conclui.

    Ainda de acordo com Janus Pablo, algumas tarefas não estão incluídas na operação, são elas: cargas vivas e perecíveis; diagnóstico de doenças e pragas de controle do MAPA; e certificados veterinários internacionais para viagem de animais de companhia.

    Em nota à CNN, o MGI destacou que concedeu reajuste linear de 9% aos servidores em 2023, que tendo um impacto “cheio” neste ano. Também informou que iniciou debate sobre reajuste para o ano de 2024, com mesas para tratar de carreiras específicas.

    “A recomposição da força de trabalho na Administração Pública Federal, para recuperar a capacidade de atuação do governo para a execução de políticas públicas, é pauta prioritária do Ministério da Gestão, que vem atuando dentro do possível e dos limites orçamentários para atender às demandas dos órgãos e entidades do Executivo Federal”, disse.

    Publicado por Amanda Sampaio, da CNN.