Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Confiança da indústria avança com melhor percepção sobre demanda, diz FGV

    Índice de Confiança da Indústria (ICI) subiu 1,2 ponto em maio na comparação com mês anterior

    O resultado reflete melhora nas avaliações sobre a situação atual e relativa estabilidade nas expectativas para os próximos meses.
    O resultado reflete melhora nas avaliações sobre a situação atual e relativa estabilidade nas expectativas para os próximos meses. 26/02/2010REUTERS/Enrique Marcarian

    Reuters Por Camila Moreira, da Reuters

    A confiança da indústria no Brasil apresentou avanço em maio diante de uma melhora na percepção sobre a demanda, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta terça-feira (28).

    O Índice de Confiança da Indústria (ICI) subiu 1,2 ponto em maio na comparação com o mês anterior, de acordo com os dados da FGV.

    “A percepção sobre a demanda segue melhorando gradualmente, e os empresários observam o nível de estoques se aproximar da normalidade”, explicou Stéfano Pacini, economista do FGV IBRE, em nota.

    “Na ótica dos segmentos, é possível perceber a influência do desastre ambiental no Rio Grande do Sul, porém os impactos ainda não são claros a nível geral da confiança”, completou.

    O resultado reflete melhora nas avaliações sobre a situação atual e relativa estabilidade nas expectativas para os próximos meses.

    O Índice de Situação Atual (ISA), que mede o sentimento dos empresários sobre o momento presente do setor industrial, subiu 2,2 pontos, para 98,2 pontos, segundo a FGV.

    O Índice de Expectativas (IE), indicador da percepção sobre os próximos meses, avançou 0,2 ponto, a 98,0 pontos, nível mais elevado desde junho de 2022 (99,5 pontos).

    “O cenário macroeconômico de cortes na taxa de juros e melhora nos indicadores de trabalho e renda contribuem com a tendência de otimismo para os próximos meses na indústria. Há uma perspectiva positiva relacionada ao ambiente de negócios no segundo semestre, embora o ímpeto sobre contratações nos próximos meses tenha apresentado queda, após a melhora nos últimos meses”, completou Pacini.