Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Ovos estão 70% mais caros do que há um ano nos EUA

    Gripe aviária altamente contagiosa e mortal causou estragos no setor

    Em janeiro nos EUA, preços dos ovos subiram 8,5% em relação ao mês anterior
    Em janeiro nos EUA, preços dos ovos subiram 8,5% em relação ao mês anterior Edouard Gilles/Unsplash

    Danielle Wiener-Bronnerda CNN Nova York

    Os preços dos ovos ainda estão subindo – muito – nos supermercados dos Estados Unidos.

    Em janeiro, os preços dos ovos subiram 8,5% em relação ao mês anterior, de acordo com dados de inflação divulgados pelo Bureau of Labor Statistics nesta terça-feira. No acumulado do ano até janeiro, os preços dos ovos subiram 70,1%.

    Uma gripe aviária altamente contagiosa e mortal causou estragos no mercado de ovos, restringindo o fornecimento nacional de ovos. Isso, além de custos mais altos de ração e transporte para os produtores, elevou os preços.

    E alguns produtores também estão aumentando seus próprios lucros em meio à turbulência, levando alguns a exigir uma investigação federal sobre possível manipulação de preços.

    No mercado atacadista, os preços dos ovos bateram recorde em dezembro e vêm caindo continuamente desde então. Mas até agora, essas quedas não atingiram os consumidores, como visto nos números de janeiro.

    E em comparação com outros itens de mercearia, os preços dos ovos aumentaram dramaticamente.

    Mas muitos outros alimentos também ficaram mais caros este ano. Os preços de alguns produtos lácteos aumentaram acentuadamente: a manteiga subiu 26,3% e a margarina aumentou surpreendentes 44,7%.

    Muitos outros produtos básicos ficaram muito mais caros no ano passado. A farinha subiu 20,4%, o pão ficou 14,9% mais caro, o açúcar teve acréscimo de 13,5% e o leite subiu 11%.

    Os preços do frango subiram 10,5% e, juntos, os preços das frutas e hortaliças tiveram alta de 7,2%. O cachorro-quente ficou 11,4% mais caro. Os embutidos matinais subiram 10,1%.

    Mas houve alguns itens que ficaram mais baratos. Os preços do bacon caíram 3,9% e dos bifes crus, 3%.

    No geral, os mantimentos ficaram 11,3% mais caros ao longo do ano, enquanto os preços do cardápio cresceram 8,2%. Juntos, os preços dos alimentos subiram 10,1% no ano, superando a inflação geral de 6,4%.

    O governo usa algumas ferramentas, como taxas de juros, para tentar conter os aumentos de preços em geral. Mas fez tentativas limitadas de controle.

    Além das doenças, os preços dos alimentos são impactados pelas mudanças climáticas, além de crises internacionais como a guerra na Ucrânia, que afetou a oferta global de grãos.

    Preços dos supermercados em janeiro

    No mês de janeiro, os preços dos alimentos subiram 0,4% em relação a dezembro, ajustando-se às oscilações sazonais. Os preços do menu subiram 0,6%, para um aumento mensal geral de alimentos de 0,5%.

    Alguns itens individuais ficaram mais caros. Os preços do presunto subiram 3%, as frutas cítricas subiram 2,8% e os biscoitos de pacote ficaram 2,5% mais caros. A banana aumentou 1,5% e o arroz, 1,4%. Frutas frescas tiveram alta 0,8%.

    Mas nem tudo são más notícias. Muitos itens ficaram mais baratos no mês passado.

    Costeletas de porco e cachorros-quentes caíram 3,5% cada, e os preços dos vegetais frescos caíram 2,3%. O tomate, em particular, teve um declínio acentuado, caindo 7,7%. A manteiga caiu 1,7% e o leite 0,4%.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original