Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Petrobras retoma abastecimento de gás à Argentina em meio a escassez no país

    Estatal havia contestado carta de crédito com a qual combustível seria pago e não autorizou descarregamento do GNL

    Governo precisou redirecionar recurso para não desabastecer hospitais
    Governo precisou redirecionar recurso para não desabastecer hospitais Paulo Whitaker/Reuters

    Reuters

    O governo da Argentina, que enfrenta escassez de gás e cortes de serviços, afirmou nesta quarta-feira (29) que conseguiu desembaraçar um descarregamento de gás da Petrobras, o que deve estabilizar o fornecimento local.

    O clima frio recente já havia afetado o fornecimento de gás no país sul-americano, mas isso piorou quando o descarregamento da carga de gás foi interrompido devido a problemas de pagamento, provocando a escassez de gás natural comprimido (GNC) nos postos de abastecimento.

    A Secretaria de Energia afirmou em um comunicado que a Enarsa, órgão estatal de energia, havia comprado um carregamento de 44 milhões de metros cúbicos (m3) de gás natural liquefeito (GNL) da Petrobras na sexta-feira (24), que deveria começar a ser descarregado nesta quarta-feira.

    “Mas, no último minuto, a empresa contestou a carta de crédito com a qual o combustível deveria ser pago e não autorizou o descarregamento do GNL no terminal de Escobar”, disse.

    O governo argentino acrescentou que isso fez com que o fornecimento a usuários não prioritários, incluindo a indústria, usinas termelétricas e postos de abastecimento, fosse cortado para proteger hospitais, escolas, residências e empresas.

    “O objetivo é continuar abastecendo a ‘demanda prioritária’ e as residências”, disse o governo, acrescentando que o desbloqueio do carregamento deve significar que “ao longo do dia a situação dos cortes de fornecimento será regularizada”.

    A Argentina está aumentando rapidamente a produção de gás e petróleo de sua região de Vaca Muerta, mas ainda depende de importações para atender à demanda de inverno. A longo prazo, o país quer se tornar um exportador líquido de energia e fornecedor global de GNL.

    O porta-voz da presidência, Manuel Adorni, disse que o governo estava se esforçando para evitar novos problemas de fornecimento de gás.

    “É um inverno muito rigoroso e a demanda passou de 44 milhões de metros cúbicos para quase 70 milhões”, disse ele em uma coletiva de imprensa diária.

    O impacto não teria sido sentido se a carta de crédito tivesse sido aceita na sexta-feira, acrescentou.