Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    População da China diminui pelo segundo ano seguido à medida que economia “tropeça”

    Tendência marcou o aprofundamento de um desafio demográfico que deverá ter implicações significativas na segunda maior economia do mundo

    Pessoas assistem a ensaio de exibição de fogos de artifício perto do Estádio Nacional, em preparação para o 100º aniversário do Partido Comunista da China, em Pequim, China
    Pessoas assistem a ensaio de exibição de fogos de artifício perto do Estádio Nacional, em preparação para o 100º aniversário do Partido Comunista da China, em Pequim, China 25/6/2021 REUTERS/Thomas Peter/Arquivo

    Laura HeSimone McCarthyda CNN

    A China relatou queda na taxa de natalidade em 2023, à medida que a sua população diminuía pelo segundo ano consecutivo. A tendência marcou o aprofundamento de um desafio demográfico que deverá ter implicações significativas na segunda maior economia do mundo.

    O país registou 6,39 nascimentos por 1.000 pessoas, abaixo dos 6,77 do ano anterior, anunciou nesta quarta-feira o Gabinete Nacional de Estatísticas (DNE) da China. A taxa de natalidade é a mais baixa desde a fundação da China comunista em 1949.

    Nasceram cerca de 9,02 milhões de bebês, em comparação com 9,56 milhões de bebês em 2022. A população total caiu em 2023 para 1,409 bilhão, menos 2,08 milhões de pessoas em relação ao ano anterior, disse o departamento.

    “É certo que o declínio acentuado do ano passado se deve, em parte, aos confinamentos e, muito provavelmente, os novos nascimentos irão recuperar o patamar em 2024, embora a tendência estrutural descendente permaneça inalterada”, disse Larry Hu, economista-chefe para a China do Grupo Macquarie.

    A mudança demográfica do país ocorre num momento em que o seu crescimento começa a falhar. O DNE confirmou que a economia da China cresceu 5,2% no ano passado, em comparação com a meta do governo de cerca de 5%.

    Embora essa expansão marque uma recuperação significativa ao longo de 2022, quando a economia da China cresceu apenas 3%, ainda é um dos piores desempenhos econômicos do país em mais de três décadas.

    As ações chinesas caíram nesta quarta-feira após a divulgação dos dados. O índice Hang Seng de Hong Kong afundou 4,1% no meio da tarde, rumo ao seu nível de fechamento mais baixo desde outubro de 2022. O CSI300, que consiste em 300 principais ações listadas em Xangai e Shenzhen, caiu 2,2%. Ambos os índices tiveram um ano sombrio em 2023, com queda de mais de 10% cada.

    A China tem sido assolada por uma série de problemas econômicos, incluindo o êxodo de investidores e a deflação. A diminuição da população forçará agora Pequim a fazer algumas mudanças estruturais na sua economia e a remodelar sectores, incluindo os cuidados de saúde e a habitação.

    Os dados desta quarta-feira não foram totalmente sombrios. No quarto trimestre, o PIB da China expandiu 5,2%, acelerando frente ao crescimento de 4,9% do terceiro trimestre. No entanto, este impulso pode não ser a longo prazo, dizem os especialistas.

    “Há dois fatores principais por trás disso: a liberação inesperada, mas de curta duração, da demanda reprimida durante os feriados [do terceiro trimestre] e o baixo efeito de base do [quarto trimestre] de 2022”, disse Alfredo Montufar-Helu, chefe do Centro de Economia e Negócios da China no Conference Board.

    Texto traduzido. Leia aqui o original