Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Por energia nuclear, governo vai assinar acordo com a França para explorar urânio no Brasil

    Articulador do acordo, deputado Júlio Lopes vê janela de oportunidade para o Brasil atrair investimentos franceses, gerar energia e empregos

    O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o presidente da França, Emmanuel Macron
    O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o presidente da França, Emmanuel Macron undefined

    Danilo Moliternoda CNN

    São Paulo

    Representantes dos governos brasileiro e francês vão assinar nesta quinta-feira (28), em Brasília, um acordo que prevê colaboração para geração de energia nuclear. Um dos destaques do texto ao qual a CNN teve acesso é um entendimento para a exploração de reservas de urânio no Brasil.

    Cerca de 70% da eletricidade francesa tem origem em energia nuclear e o país aposta nesta fonte como caminho para a transição energética. Acontece que o país depende de importações de urânio e vê um de seus principais fornecedores, o Niger, passar por instabilidades geopolíticas.

    Articulador do acordo, o presidente da Frente Parlamentar Mista de Tecnologia e Energia Nuclear, deputado Júlio Lopes (PP-RJ) narra o cenário de oportunidades. Ele fez parte da delegação brasileira que recebeu a comitiva francesa no Rio de Janeiro nesta quarta-feira (26) e debateu colaborações em energia nuclear.

    “Macron tem se empenhado profundamente neste tema, diante da expressão, da tecnologia que a França tem nessa área. Não tenho dúvida que esse encontro poderá destravar bilhões em investimentos em nosso setor nuclear, além de gerar milhares de empregos e da possibilidade de exportar parte de nossas imensas reservas de urânio”, disse.

    Um tópico específico do acordo celebra um Memorando de Entendimento entre o Serviço Geológico Brasileiro (SGB) e o Serviço Geológico Francês (BRGM) para a exploração de urânio. Atualmente, o Brasil detém a oitava maior reserva de urânio do mundo, com cerca de 280 mil toneladas.

    Estimada em US$ 62 bilhões, a reserva do elemento poderia financiar todo o programa nuclear brasileiro, segundo o deputado federal. Hoje o monopólio da exploração do mineral pertence às Indústrias Nucleares do Brasil (INB), empresa pública vinculada ao Ministério de Minas e Energia (MME).

    Trechos diferentes do acordo indicam que os países vão aprofundar sua colaboração em energia nuclear e promover intercâmbio de informações para a exploração de minerais críticos. Haverá também investimentos franceses para a transformação dos minerais em território brasileiro, bem como na pesquisa e desenvolvimento, e na inovação tecnológica.

    Segundo Júlio Lopes, a revitalização de Angra 1 e a construção de Angra 3 também são pautas das discussões, que visam “reorganizar as atividades nucleares no Brasil”. Quem também esteve presente foi Raul Lycurgo, presidente da Eletronuclear, empresa responsável pelas usinas.

    A Framatome, empresa francesa de reatores nucleares, é responsável por tecnologias das usinas. Angra 3 tem previsão de entrar em operação em 2028, terá potência de 1.405 megawatts e gerará 12 milhões de megawatts-hora anualmente — suficiente para atender 4,5 milhões de pessoas.