Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Powell afirma que “bons dados” vão dar confiança ao Fed para corte nos juros

    Presidente do Banco Central americano mostrou confiança de que inflação chegará à meta

    Chair do Fed, Jerome Powell
    Chair do Fed, Jerome Powell 12/06/2024REUTERS/Evelyn Hockstein

    Reuters da Reuters

    A inflação “permanece acima” da meta de 2% do Federal Reserve (Fed) dos Estados Unidos, mas tem melhorado nos últimos meses. O presidente do Fed, Jerome Powell, afirmou nesta terça-feira (9), que “mais dados bons fortaleceriam” o argumento para cortes nas taxas de juros do Banco Central americano.

    Powell demonstrou confiança de que a inflação deve chegar à meta do Federal Reserve. Ele também comparou a falta de progresso nessa frente nos primeiros meses do ano com a melhoria recente que ajudou a construir a base de confiança de que as pressões sobre os preços continuarão a diminuir.

    Apesar do tom mais ameno, o chair do Fed disse ainda que não estava enviando um sinal sobre o momento de qualquer corte nas taxas de juros.

    “Hoje não enviarei nenhum sinal sobre o momento de quaisquer ações futuras”, disse Powell em resposta a uma pergunta de um senador sobre quando o Fed provavelmente reduziria as taxas de juros.

    A observação veio durante o primeiro dos dois dias de depoimento de Powell ao Congresso.

    Além disso, observou Powell, o Fed agora está preocupado com os riscos para o mercado de trabalho e para a economia, caso as taxas permaneçam altas por muito tempo.

    “Após a falta de progresso em direção ao nosso objetivo de inflação de 2% no início deste ano, as leituras mensais mais recentes mostraram progressos adicionais modestos”, disse Powell em comentários ao Comitê Bancário do Senado.

    “Mais dados bons fortaleceriam nossa confiança de que a inflação está evoluindo de forma sustentável em direção a 2%”, acrescentou.

    O Fed recebe informações sobre preços ao consumidor para o mês de junho na quinta-feira (11).

    Um relatório de empregos divulgado na última sexta-feira (5) mostrou um número ainda sólido de 206 mil empregos criados em junho, mas com uma tendência mensal de desaceleração e uma taxa de desemprego crescente, agora em 4,1%.

    Powell classificou o desemprego como um “nível ainda baixo”, mas também observou que “à luz do progresso alcançado tanto na redução da inflação como no arrefecimento do mercado de trabalho nos últimos dois anos, a inflação elevada não é o único risco que enfrentamos”.

    Deixar a política muito restritiva durante demasiado tempo, segundo Powell, “poderia enfraquecer indevidamente a atividade econômica e o emprego”. Isso, segundo ele, mina um período de crescimento econômico que “permanece sólido” com uma procura privada “robusta”, melhores condições globais de oferta e uma “uma recuperação do investimento residencial”.

    Os comentários de Powell podem reforçar as expectativas de mudanças na declaração de política monetária a ser divulgada após a reunião do Fed de 30 a 31 de julho, que pode abrir a porta para um corte nas taxas em setembro. A probabilidade de corte em setembro agora está precificada em cerca de 70% no mercado.

    Na reunião do Fed de 11 a 12 de junho, a projeção mediana de 19 membros da instituição era de apenas um corte de 0,25 ponto percentual nas taxas de juros até o final do ano, mas desde então os dados sobre a inflação têm sido mais fracos do que o esperado.

    O índice de preços ao consumidor não subiu em maio, e os analistas antecipam outra leitura fraca quando novos números forem divulgados nesta quinta-feira.

    O testemunho de Powell é o mais recente de uma rodada semestral de audiências sobre política monetária, com perguntas de senadores após suas observações. Ele comparecerá perante o Comitê de Serviços Financeiros da Câmara na quarta-feira.

    As audiências no Congresso também costumam mostrar Powell sendo questionado sobre uma ampla gama de tópicos. As perguntas podem ser mais intensas antes das eleições presidenciais de novembro, nas quais a decisão do Fed de avançar ou adiar os cortes nas taxas provavelmente se tornará parte do debate.

    A meta de inflação é definida com referência ao índice de preços de despesas de consumo pessoal, que a partir de maio crescia a uma taxa anual de 2,6%.

    Este valor está abaixo do pico da era pandêmica, mas o choque inflacionário continua a ser um forte ponto de debate político.

    Em relatório ao Congresso divulgado na sexta-feira antes do depoimento de Powell, o Fed observou que havia boas razões para acreditar que as pressões sobre os preços, especialmente no mercado imobiliário, um contribuinte significativo para a recente persistência da inflação, estavam em declínio.

    Combinado com as preocupações com o mercado de trabalho, isso deverá “deixar o Fed mais preocupado com o risco de recessão do que com a inflação persistente”, escreveram economistas da Pantheon Macroeconomics após o último relatório sobre emprego.