Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Preços ao produtor no Brasil fecham 2023 com maior deflação desde 2014

    Em 2022, IPP havia acumulado alta de 3,16%

    Preços recuaram 0,18% em dezembro, puxados pelos preços menores do refino, em especial do diesel
    Preços recuaram 0,18% em dezembro, puxados pelos preços menores do refino, em especial do diesel Reuters

    Reuters

    Os preços ao produtor no Brasil recuaram 0,18% em dezembro e fecharam 2023 com deflação acumulada de 4,98%, taxa mais baixa para um ano desde o início da série histórica em 2014.

    Em 2022, o Índice de Preços ao Produtor (IPP) havia acumulado alta de 3,16%.

    O dado mensal do IPP divulgado nesta quinta-feira (1º) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) marcou o segundo resultado negativo em sequência, após recuo de 0,34% em novembro.

    Ao longo do ano passado, os preços ao produtor registraram queda durante a maior parte do primeiro semestre, passando a subir entre agosto e outubro e voltando a cair nos últimos dois meses do ano.

    “Ao analisar o resultado de 2023, é preciso lançar luz também sobre a apreciação cambial acumulada no ano, que amenizou o custo de importação de insumos, tornou os bens finais produzidos no exterior mais competitivos e reduziu o montante recebido em reais pelo exportador brasileiro”, explicou Felipe Câmara, analista do IPP no IBGE.

    Entre as 24 atividades analisadas, o IBGE apontou que no acumulado do ano as que tiveram as maiores variações foram produtos químicos (-17,25%), refino de petróleo e biocombustíveis (-15,45%), papel e celulose (-15,23%) e metalurgia (-9,77%).

    Já as principais influências no acumulado da indústria geral vieram de refino de petróleo e biocombustíveis (-1,85 ponto percential), outros produtos químicos (-1,51 p.p.), metalurgia (-0,60 p.p.) e alimentos (-0,60 p.p.).

    Já o resultado de dezembro foi puxado pelos preços 4,05% menores do refino, particularmente do óleo diesel.

    O IPP mede a variação dos preços de produtos na “porta da fábrica”, isto é, sem impostos e frete, de 24 atividades das indústrias extrativas e da transformação.