Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Um em cada 10 formados no ensino superior ocupa vaga equivalente a capacitação, diz pesquisa

    Dados compilados pela Geofusion mostram que mercado de trabalho não absorve toda a mão de obra qualificada formada

    No curso de administração, apenas 3% são administradores
    No curso de administração, apenas 3% são administradores Freepik

    Marien Ramosda CNN* São Paulo

    O mercado de trabalho brasileiro não está absorvendo toda a mão de obra qualificada, e formados em cursos de graduação estão ocupando vagas com nível de ensino médio.

    É o que revela levantamento da Geofusion com informações dos ministérios da Educação e do Trabalho e quase 100 mil registros de contratações modelo CLT. Os números são de 2018, os últimos publicados pelo governo federal.

    Os dados mostram que apenas um em cada 10 formados no ensino superior consegue uma vaga equivalente ao seu nível de capacitação.

    Considerando alguns cursos, como Psicologia, não foi encontrado registro de contratação CLT de nível superior.

    Segundo o Censo da Educação Superior divulgado em outubro de 2023, apenas 25% entre os jovens de 18 e 24 anos ingressam em cursos de graduação.

    Nas opções com maior número de matrículas no país, como Pedagogia, Direito e Administração, menos de 9 mil dos quase 67 mil formados conquistaram cargos de nível superior. Isso representa apenas 12% dos estudantes das universidades analisadas.

    Alguns cursos estão em cenário ainda mais críticos, como Enfermagem, com apenas 7% dos graduados empregados em posições destinadas ao ensino superior.

    A exceção foi o curso de Medicina, onde todos os formados estão ocupando vagas do seu nível de escolaridade, segundo a pesquisa.

    Isabela Cavalcanti de Albuquerque, gerente de produtos de dados da Geofusion, explica que não há apenas o problema da escassez de vagas compatíveis.

    Na outra ponta, tem a exigência dos empregadores por funcionários qualificados para posições que não demandam esses tipos de especialização.

    “Quando trata-se de contratação por empresas, pode estar ocorrendo um movimento de exigência de super qualificação para vagas que poderiam ser ocupadas por trabalhadores com ensino médio”, explica.

    Cargos como assistente administrativo, auxiliar de escritório e auxiliar de serviços jurídicos — todos com nível de ensino médio — são os mais frequentes na contratação de graduados no curso de Direito, enquanto em Administração, apenas 3% ocupam vagas de nível superior.

    Essas vagas também possuem outra discrepância: a do salário.

    Pisos salariais de profissionais graduados são mais altos, comparando com a faixa de R$ 1.800 a R$ 2.400, geralmente oferecida para os assistentes administrativos, por exemplo.

    Isso acaba por prejudicar aqueles que investiram na sua educação e não pagaram barato para se formarem, destaca Albuquerque.

    “Para aprimorar a formação, muitos estudantes investem alto na formação superior e se dedicam por anos, mas o cargo ocupado nem sempre está à altura do investimento realizado”.

    A gerente ainda ressalta necessário considerar que em muitas carreiras a modalidade de trabalho como autônomo é mais comum. Search Engine Marketing (SEO), vendas e marketing são as áreas que mais cresceram entre os freelancers, segundo estudo divulgado pela Freelancer.com em agosto deste ano.

    Além disso, o país registrou uma taxa de informalidade de 39,1% no trimestre até agosto de 2023, segundo os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), apurada pelo Instituto Brasileiro de Economia e Estatística (IBGE).

    Mesmo que a combinação desses dados crie um cenário desafiador para aqueles com curso superior no mercado de trabalho, o diferencial é que ele fica menos suscetível ao desemprego, conclui a Geofusion. 

    Veja também: Entenda como vai funcionar a reoneração de folha de pagamento

    *Sob supervisão de Gabriel Bosa