Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Vendas de carros no Reino Unido caem para mínima de 30 anos

    Restrições de oferta fizeram com que muitos fabricantes priorizassem a entrega de veículos elétricos a bateria, que tiveram vendas recorde

    Reino Unido não é o único a sofrer com as fracas vendas de veículos, pois a escassez de peças, principalmente chips de computador, prejudica a produção
    Reino Unido não é o único a sofrer com as fracas vendas de veículos, pois a escassez de peças, principalmente chips de computador, prejudica a produção CNN Brasil

    Hanna Ziadyda CNN em Londres

    Os registros de carros novos no Reino Unido caíram para 1,6 milhão no ano passado, o nível mais baixo desde 1992, já que a escassez global de chips afetou as vendas nos primeiros seis meses.

    As restrições de oferta fizeram com que muitos fabricantes priorizassem a entrega de veículos elétricos a bateria, que tiveram vendas recordes e ultrapassaram os carros a diesel pela primeira vez no mercado do Reino Unido.

    O Model Y da Tesla foi o terceiro mais vendido no geral, atrás do Nissan Qashqai e do Vauxhall Corsa.

    As matrículas de veículos em 2022 ficaram 2% abaixo do ano anterior e cerca de 700 mil unidades abaixo dos níveis pré-pandemia, disse quinta-feira (5) a Sociedade de Fabricantes e Comerciantes de Motores, que publica os dados.

    As vendas cresceram nos últimos cinco meses do ano, permitindo ao país recuperar a posição de segundo maior mercado de carros novos da Europa em volume, atrás apenas da Alemanha.

    Essa tendência pode continuar este ano, apesar dos temores de uma longa recessão, desde que mais estações de recarga sejam construídas para veículos elétricos.

    “O mercado automotivo continua à deriva de seu desempenho pré-pandêmico, mas pode muito bem resistir às tendências econômicas mais amplas, apresentando um crescimento significativo em 2023”, disse o CEO da SMMT, Mike Hawes, em comunicado.

    “Para garantir esse crescimento de emissões zero, o governo deve ajudar todos os motoristas a se tornarem elétricos e obrigar outros a investir mais rapidamente em infraestrutura de carregamento nacional”, acrescentou Hawes.

    O Reino Unido não é o único a sofrer com as fracas vendas de veículos, pois a escassez de peças, principalmente chips de computador, prejudica a produção. Espera-se que as vendas de carros novos nos Estados Unidos caiam para menos de 14 milhões quando a indústria divulgar os números finais para 2022 no final desta semana – o menor em mais de uma década.

    Em comparação, os novos registros de veículos na Alemanha atingiram 2,65 milhões em 2022, um ligeiro aumento em relação ao ano anterior, informou a Autoridade Federal de Transporte Motorizado (KBA) do país na quarta-feira (4).

    Conforme a SMMT, os veículos elétricos são agora a segunda escolha mais popular para novos compradores depois dos carros movidos a gasolina. A participação de mercado da Diesel no Reino Unido encolheu 40% em relação ao ano anterior.

    Mas a SMMT disse que a falta de infraestrutura de carregamento e os planos do governo do Reino Unido de introduzir impostos rodoviários sobre veículos elétricos a partir de 2025 eram uma barreira para um maior crescimento.

    Atualmente, os pontos de carregamento estão sendo instalados a uma taxa de apenas 23 por dia, segundo a SMMT, bem abaixo dos 100 por dia necessários para atender ao limite mínimo do governo de 300 mil tomadas até 2030.

    “É necessário um investimento acelerado em infraestrutura de carregamento para que os consumidores tenham certeza de que podem fazer a mudança e as marcas tenham a chance de garantir fornecimento suficiente para apoiar o crescimento do mercado do Reino Unido e não perder para outros mercados que estão investindo mais rapidamente”, afirmou.

    Em sua perspectiva mais recente, publicada em outubro, a SMMT prevê 1,8 milhão de registros de carros novos em 2023, no valor de cerca de 8,4 bilhões de libras (US$ 10 bilhões).

    — Chris Isidore contribuiu para este relatório.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original