Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Bolsas dos EUA fecham em queda com temores sobre inflação; resultados da Nvidia limitam perdas

    Dados norte-americanos alimentaram temores sobre juros altos por mais tempo

    S&P 500 caiu 0,72%, para 5.268,57 pontos
    S&P 500 caiu 0,72%, para 5.268,57 pontos 4/3/2016 - REUTERS/Brendan McDermid/Arquivo

    As ações dos Estados Unidos terminaram em baixa nesta quinta-feira (23), conforme uma alta nos papéis da Nvidia, provocada por uma forte previsão de receita da empresa, foi ofuscada por dados econômicos mostrando que a inflação norte-americana ainda é uma preocupação que pode atrasar cortes nos juros do Federal Reserve (Fed).

    As ações da Nvidia saltaram 9,32% e fecharam acima da marca de US$ 1.000 por ação pela primeira vez e ajudaram a impulsionar os índices Nasdaq e S&P 500 para recordes intradiários mais cedo, depois que a empresa de chips de inteligência artificial projetou uma receita trimestral acima das estimativas e anunciou um desdobramento de ações.

    Mas os papéis perderam terreno depois que dados econômicos mostraram que as pressões sobre os preços nos EUA aumentaram em maio, mesmo com a aceleração da atividade empresarial, e que pedidos semanais de auxílio-desemprego mais baixos indicaram que o mercado de trabalho continua firme.

    O Dow Jones caiu 1,53%, para 39.065,26 pontos. O S&P 500 teve queda de 0,74%, para 5.267,84 pontos. O índice de tecnologia Nasdaq perdeu 0,39%, para 16.736,03 pontos.

    Os ganhos da Nvidia ajudaram a elevar o setor de tecnologia do S&P 500 para uma alta de 0,56%, sendo o único a avançar entre os 11 principais setores do índice de referência nesta quinta-feira. Mas, apesar dos ganhos da Nvidia, as ações de chips em geral caíram, com o índice de Philadelphia de semicondutores fechando com variação negativa de 0,02%.

    Os mercados estão agora precificando uma chance de 52,2% de um corte nos juros de pelo menos 25 pontos-base em setembro, abaixo dos quase 67% de uma semana atrás, de acordo com a ferramenta FedWatch da CME.