Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Euforia com bitcoin está de volta enquanto investidores aguardam novo corte de emissões

    Valor da criptomoeda subiu para US$ 50.000 na segunda-feira (12)

    O halving ou redução pela metade é um recurso da infraestrutura do bitcoin que reduz automaticamente a taxa de novas moedas que entram em circulação
    O halving ou redução pela metade é um recurso da infraestrutura do bitcoin que reduz automaticamente a taxa de novas moedas que entram em circulação 24/10/2023 - REUTERS/Dado Ruvic/Foto ilustrativa

    Allison Morrowda CNN

    O bitcoin subiu para US$ 50.000 na segunda-feira (12), pela primeira vez em dois anos, impulsionado por uma onda de entusiasmo de novos investidores e pela crescente expectativa em relação a um evento, o “halving”, conhecido como “redução pela metade”.

    A criptomoeda mais popular do mundo voltou a cair para a casa dos US$ 40 na terça-feira (13), interrompendo sete dias consecutivos de aumento, e continua longe de seu recorde histórico de cerca de US$ 69.000.

    Mas o bitcoin teve um retorno notável no último ano e meio, subindo mais de 200% em relação à sua baixa de US$ 16.000 em 2022.

    Existem algumas forças importantes que estão impulsionando a mais recente euforia do bitcoin, incluindo um influxo de dinheiro de investidores em fundos negociados em bolsa de bitcoin recém-lançados e o entusiasmo com a redução pela metade, quando a taxa de produção de bitcoin é cortada.

    “Agora que o valor de US$ 50.000 foi superado, US$ 69.000 e, em seguida, US$ 100.000 parecem alcançáveis em 2024, já que a narrativa passa dos ETFs para o próximo halving”, disse Antoni Trenchev, cofundador do credor de criptomoedas Nexo Capital.

    “O que é empolgante porque, se a história rima, os próximos 12 a 18 meses serão um inferno para as criptomoedas”, acrescenta.

    O hype do corte

    A redução pela metade, também chamada de “halvening”, é um conceito fundamental na filosofia do bitcoin.

    O halving ou redução pela metade é um recurso da infraestrutura do bitcoin que reduz automaticamente a taxa de novas moedas que entram em circulação. Isso ocorre aproximadamente a cada quatro anos e, em teoria, aumenta o preço.

    Para entender como funciona, é preciso saber a ideia central do bitcoin como um ativo descentralizado – ou seja, um ativo cujo valor não é controlado por um banco central ou outra instituição, mas sim por uma vasta rede ponto a ponto de computadores poderosos que auditam todas as transações de bitcoin em um processo complexo e de uso intensivo de energia chamado mineração.

    As pessoas por trás desses computadores em rede são recompensadas por seu trabalho em bitcoins.

    No entanto, a cada quatro anos, aproximadamente, o número de bitcoins que um minerador (ou auditor) recebe é reduzido pela metade.

    Um dos motivos é que a criptomoeda é, por definição, um recurso finito – só haverá 21 milhões de moedas em circulação, e essa escassez é fundamental para sua proposta de valor, de acordo com seus defensores.

    Embora os críticos digam que essa escassez fabricada não cria nenhum valor real subjacente.

    Cortar a recompensa pela metade a cada poucos anos ajuda a controlar a inflação e, ao mesmo tempo, incentiva os mineradores. Em teoria, à medida que a inflação diminui e o bitcoin se torna mais escasso, o preço aumenta.

    “Historicamente, cada redução pela metade resultou em algum tipo de ação de alta nos preços. O que faz sentido, porque você espera que, com mais restrições de oferta, os preços aumentem.”, disse Gareth Rhodes, ex-superintendente adjunto do Departamento de Serviços Financeiros do Estado de Nova York e diretor administrativo da empresa de pesquisa e consultoria Pacific Street.

    Em 2020, a recompensa passou de 12,5 bitcoin para 6,25. Já neste ano, provavelmente em abril, ela passará de 6,25 para 3,125.

    Preparando os investidores

    Os investidores têm bons motivos para estarem animados, isso se tiverem estômago para lidar com a volatilidade de curto prazo que acompanha as criptomoedas.

    No período de dois anos antes e depois da primeira redução pela metade do bitcoin, em 2012, houve um aumento de preço de cerca de 30.000%, diz Rhodes.

    Em 2016, o aumento foi de quase 800% nesse período de dois anos; na redução pela metade em 2020, os investidores tiveram um ganho de 700%.

    A iminente redução do bitcoin pela metade está criando um grande jogo de xadrez nos mercados, disse Henry Robinson, cofundador da Decimal Digital Currency, em um e-mail.

    Ele diz que “os sentimentos são de alta, especialmente a longo prazo, mas a psicologia em torno de um evento tão significativo pode criar uma grande volatilidade”.

    “Podemos ver uma ação exuberante de alta, liquidações drásticas, ou ambos, antes e depois da redução pela metade, à medida que os participantes do mercado entram e saem de suas apostas na redução pela metade”, acrescentou Robinson.

    O momento da redução pela metade deste ano também é significativo, pois ocorre apenas alguns meses depois que a Comissão de Valores Mobiliários dos EUA aprovou os primeiros ETFs de bitcoin.

    Desde que nove desses fundos foram lançados em 11 de janeiro, eles trouxeram cerca de US$ 2,8 bilhões em entradas líquidas totais, liderados pela BlackRock e pela Fidelity, segundo a Bloomberg.

    “O último mês foi de criptografia em poucas palavras. Os investidores que compraram ETFs de bitcoin na recente baixa de US$ 38.500 estão sentados em um ganho de 30%, enquanto aqueles que compraram a US$ 49.000 em 11 de janeiro tiveram que suportar uma queda de 20% e um batismo de fogo”, diz Trenchev.

    “Bem-vindo à criptografia, ela não é para os fracos de coração”, concluiu.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original