Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Agência dos EUA investiga uso de titânio em aviões da Boeing e Airbus

    Companhia aérea também está averiguando o assunto

    Aeronaves Boeing 737 MAX em fábrica da empresa em Renton, Washington, EUA
    Aeronaves Boeing 737 MAX em fábrica da empresa em Renton, Washington, EUA 21/3/2019 - REUTERS/Lindsey Wasson/Arquivo

    Chris Isidoreda CNN

    Titânio distribuído com documentação falsa foi encontrado em jatos comerciais da Boeing e da Airbus. Agora, a Administração Federal de Aviação (FAA), os fabricantes de aeronaves e o fornecedor Spirit AeroSystems estão investigando se esses componentes representam um risco à segurança do público.

    A investigação, noticiada pela primeira vez pelo New York Times na sexta-feira, é o mais recente ponto negativo para o setor aeroespacial, que recentemente teve uma série de problemas com questões de qualidade e segurança envolvendo jatos.

    A investigação foi realizada após a descoberta de pequenos furos no material, aparentemente causados por corrosão, de acordo com a reportagem do Times. A FAA e a Boeing confirmaram que estão investigando o assunto.

    A Boeing disse que as peças questionáveis são provenientes de um conjunto limitado de fornecedores, e os testes realizados até o momento indicaram que foi usada a liga de titânio correta.

    “Para garantir a conformidade, estamos removendo todas as peças afetadas dos aviões antes da entrega. Nossa análise mostra que a frota em serviço pode continuar a voar com segurança”, afirmou.

    A Spirit disse que a investigação está procurando documentos falsificados que permitiram que o titânio questionável entrasse na cadeia de suprimentos.

    “Quando isso foi identificado, todas as peças suspeitas foram colocadas em quarentena e removidas da produção da Spirit”, disse Joe Buccino, porta-voz da Spirit.

    Ele acrescentou que “mais de 1.000 testes foram concluídos para confirmar as propriedades mecânicas e metalúrgicas do material afetado para garantir a continuidade da aeronavegabilidade”.

    A Airbus disse que está ciente da situação.

    Além de despertar preocupações entre os passageiros sobre a segurança dos voos, a crescente lista de problemas do setor de aviação reduziu a capacidade de aviões disponíveis para voar e, portanto, pressionou as tarifas aéreas para cima diante da forte demanda por viagens aéreas em todo o mundo.

    Os problemas mais sérios e de maior visibilidade envolvem a Boeing, que sofreu dois acidentes fatais com seu 737 Max devido a uma falha de projeto em 2018 e 2019, que matou 346 pessoas e levou a um aterramento de 20 meses do jato.

    Mais recentemente, um plugue de porta explodiu em um voo do 737 Max da Alaska Airlines em 5 de janeiro, forçando o avião a pousar com um buraco aberto na lateral.

    A Airbus também teve problemas com alguns dos motores que paralisaram alguns de seus aviões pertencentes a diferentes companhias aéreas.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original