Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Arábia Saudita abrirá primeira loja de bebidas alcoólicas para diplomatas em Riad

    Clientes terão que se registrar por meio de um aplicativo, obter um código de autorização do Ministério das Relações Exteriores e respeitar cotas mensais de compras

    Bandeira da Arábia Saudita no consulado do país em Istambul, na Turquia
    Bandeira da Arábia Saudita no consulado do país em Istambul, na Turquia 20/10/2018 - REUTERS/Huseyin Aldemir

    Reuters

    A Arábia Saudita está se preparando para abrir sua primeira loja de bebidas alcoólicas na capital Riad, que atenderá exclusivamente diplomatas não muçulmanos, segundo uma fonte familiarizada com os planos e um documento divulgado nesta quarta-feira (24).

    Os clientes terão que se registrar por meio de um aplicativo, obter um código de autorização do Ministério das Relações Exteriores e respeitar as cotas mensais de suas compras, segundo o documento.

    A medida é um marco nos esforços do reino, liderados pelo príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman, para abrir o país muçulmano ultraconservador para o turismo e os negócios, já que o consumo de álcool é proibido no Islã.

    Isso também faz parte de planos mais amplos, conhecidos como Visão 2030, para construir uma economia pós-petróleo.

    A nova loja está localizada no Diplomatic Quarter de Riad, um bairro onde residem embaixadas e diplomatas, e será “estritamente restrita” a não muçulmanos, segundo o documento.

    Não ficou claro se outros estrangeiros não muçulmanos terão acesso à loja. Milhões de expatriados vivem na Arábia Saudita, mas a maioria deles são trabalhadores muçulmanos da Ásia e do Egito.

    Uma fonte familiarizada com os planos disse que a loja deverá ser inaugurada nas próximas semanas.

    A Arábia Saudita tem leis rígidas contra o consumo de álcool, que podem ser punidas com centenas de chibatadas, deportação, multas ou prisão, e os estrangeiros também podem ser deportados. Como parte das reformas, as chibatadas foram substituídas em grande parte por sentenças de prisão.

    O álcool está disponível apenas por correio diplomático ou no mercado ilegal.

    O governo saudita não respondeu a um pedido de comentário.

    A mídia controlada pelo Estado informou esta semana que o governo estava impondo novas restrições às importações de álcool dentro das remessas diplomáticas, o que pode aumentar a demanda da nova loja.

    A nova regulamentação restringirá as importações para combater a “troca indevida de produtos especiais e bebidas alcoólicas recebidas pelas embaixadas de países não muçulmanos dentro da Arábia Saudita”, informou o jornal Arab News no domingo (21).

    A Arábia Saudita, que foi relativamente fechada durante décadas, nos últimos anos relaxou os códigos sociais rigorosos, como a separação de homens e mulheres em locais públicos e a exigência de que as mulheres usem túnicas pretas, ou abayas, que cobrem tudo.

    O controle cada vez mais rígido do príncipe Mohammed sobre o poder foi acompanhado por mudanças que incluíram a abertura do país para o turismo não religioso, concertos e a permissão para que as mulheres dirijam, bem como a repressão à dissidência e aos rivais políticos.

    A Visão 2030 também inclui o desenvolvimento de indústrias locais e centros de logística, e tem como objetivo criar centenas de milhares de empregos para os sauditas.