Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Boeing escondeu de reguladores peças quebradas em aviões 737 Max, diz funcionário em investigação

    Novas alegações são apuradas, após uma série de incidentes envolvendo a companhia aérea

    Avião 737 Max da Boeing
    Avião 737 Max da Boeing Aeronave Boeing 737 Max durante exibição no Farnborough International Airshow, em Farnborough, Reino Unido]20/07/2022REUTERS/Peter Cziborra

    Chris IsidoreGregory Wallaceda CNN

    Um atual funcionário da Boeing alega que a empresa tentou esconder dos órgãos reguladores as peças quebradas ou fora de especificação do avião 737 Max e perdeu o controle sobre elas, de acordo com uma investigação da subcomissão do Senado tornada pública nesta terça-feira (18).

    A Boeing tentou ocultar as peças fora de conformidade dos órgãos reguladores da Administração Federal de Aviação (FAA), removendo-as de vista e falsificando registros, afirma Sam Mohawk, o novo denunciante que trabalha na unidade de garantia de qualidade da Boeing em Renton, Washington.

    A companhia aérea não conseguiu contabilizar muitas das peças deslocadas para burlar os órgãos reguladores e, provavelmente, elas acabaram sendo instaladas em alguns aviões, disse Mohawk.

    A Boeing disse que recebeu o relatório dos investigadores do Congresso na noite de segunda-feira (17).

    “Estamos analisando as reclamações (…) Incentivamos continuamente os funcionários a relatar todas as preocupações, pois nossa prioridade é garantir a segurança de nossos aviões e do público que voa”, disse a declaração da empresa.

    O CEO da Boeing, Dave Calhoun, será confrontado com as novas alegações, além de outras acusações de delatores sobre os lapsos de segurança da Boeing, em sua primeira audiência no Congresso na terça-feira.

    O CEO da Boeing que está deixando o cargo planeja pedir desculpas pelas recentes falhas de segurança da Boeing em seu depoimento.

    De acordo com seu testemunho preparado, compartilhado com a CNN, Calhoun admitirá problemas com a cultura da empresa, mas rejeitará as alegações de que a empresa retaliou aqueles que trouxeram à tona questões de segurança.

    “Muito tem sido dito sobre a cultura da Boeing. Ouvimos essas preocupações em alto e bom som”, ele dirá em comentários preparados divulgados pela Boeing na tarde de segunda-feira.

    “Nossa cultura está longe de ser perfeita, mas estamos agindo e progredindo. Entendemos a gravidade e estamos comprometidos em seguir em frente”, acrescentou.

    A observação “longe de ser perfeita” é um grande eufemismo. A Boeing está sob intenso controle, com várias investigações federais e audiências no Congresso desde que, em 5 de janeiro, um voo do Boeing 737 Max da Alaska Air teve um plugue de porta estourado, deixando um buraco enorme no avião e na reputação da Boeing.

    Além da má publicidade da audiência no Senado, a companhia recebeu ordens da FAA para melhorar seus problemas de segurança antes de retomar a produção normal, causando problemas para as companhias aéreas que não conseguem obter os aviões que encomendaram.

    E isso, por sua vez, significou tarifas mais altas para os passageiros, que tiveram sua fé nos aviões da empresa duramente testada.

    Priorização dos lucros em detrimento da segurança

    Nas observações preparadas divulgadas na terça-feira pelo senador Richard Blumenthal, democrata de Connecticut que preside o comitê, o senador acusa Calhoun de colocar os lucros acima da segurança dos aviões.

    Além de liderar uma empresa em que aqueles que levantavam preocupações com a segurança enfrentavam retaliações regularmente, apesar das alegações contrárias da gerência.

    “Essa é uma cultura que continua a priorizar os lucros, a ultrapassar limites e a desconsiderar seus funcionários”, disse o discurso de abertura preparado e divulgado por Blumenthal.

    Ele acrescentou que é “uma cultura em que aqueles que se manifestam são silenciados e deixados de lado, enquanto a culpa é transferida para o chão de fábrica. Uma cultura que permite a retaliação contra aqueles que não se submetem ao resultado final. Uma cultura que precisa desesperadamente ser consertada”.

    Blumenthal disse à CNN na terça-feira que seu comitê ouviu uma dúzia de denunciantes da Boeing, incluindo Mohawk.

    “Suas alegações são extraordinariamente sérias (…) Seu relato sobre a retaliação contra ele é particularmente assustador: a pressão que foi exercida sobre ele para que ficasse em silêncio. Eles têm um programa chamado “Speak up well” (Fale bem, do ingês), e ele foi instruído a se calar”, disse Blumenthal.

    O senador disse que ele e outros esperavam que Calhoun mudasse a cultura e as práticas da Boeing para melhor quando assumiu o cargo de CEO em janeiro de 2020, 10 meses depois de quase dois anos de paralisação do 737 Max que se seguiu a dois acidentes fatais.

    “Mas, então, em janeiro passado, a fachada explodiu literalmente a casca oca que havia sido a promessa da Boeing para o mundo”, dirá Blumenthal, de acordo com seu testemunho preparado, uma referência à explosão do plugue da porta.

    “E uma vez que o abismo foi exposto, descobrimos que não havia praticamente nenhum fundo para o vazio que estava abaixo”, concluiu.

    Um extenso documento de pesquisa preparado por assessores do comitê mostra que o painel está armado com relatos de delatores de dentro da Boeing. Alguns dos delatores do documento compartilharam seus relatos publicamente ou com a CNN.

    Entre eles, está a alegação de Mohawk de que, em junho de 2023, quando a FAA notificou a Boeing de que inspecionaria sua fábrica em Renton, a empresa disse aos funcionários que levassem a maioria das 60 peças não compatíveis para outro local para escondê-las dos inspetores.

    Muitas delas foram transferidas de volta, mas algumas foram perdidas, alega o novo funcionário denunciante.

    Ele também alega que a Boeing, em agosto de 2023, disse aos funcionários que apagassem os registros sobre peças fora de conformidade, o que o levou a reclamar — mas a companhia não tomou nenhuma providência.

    Os assessores escreveram em um memorando que os denunciantes “pintam um quadro preocupante de uma empresa que prioriza a velocidade de fabricação e o corte de custos em vez de garantir a qualidade e a segurança das aeronaves”.

    “Essas prioridades equivocadas parecem contribuir para uma cultura de segurança que não valoriza nem aborda suficientemente as causas básicas das preocupações dos funcionários e não impede suficientemente a retaliação contra os funcionários que se manifestam”, diz o memorando.

    A audiência de terça-feira do subcomitê permanente de investigações do Senado é intitulada “A cultura de segurança quebrada da Boeing”.

    É apenas a mais recente audiência do Congresso este ano sobre questões de segurança na Boeing, mas é a primeira vez que Calhoun depõe em seus mais de quatro anos à frente da problemática empresa. Ele será acompanhado por Howard McKenzie, engenheiro-chefe da Boeing.

    Em uma audiência realizada em 17 de abril, o engenheiro da Boeing, Sam Salehpour, testemunhou que a companhia aérea está lançando aviões defeituosos porque ele e outros que se queixaram sofreram pressão para não fazê-lo.

    “Tenho sérias preocupações sobre a segurança das aeronaves 787 e 777 e estou disposto a correr riscos profissionais para falar sobre elas”, disse Salehpour em sua declaração inicial.

    Ele também contou que, quando manifestou suas preocupações, “fui ignorado. Disseram-me para não criar atrasos. Disseram-me, francamente, para calar a boca”.

    As observações preparadas por Calhoun negam as alegações dos denunciantes e de Blumenthal sobre retaliação contra aqueles que levantam preocupações de segurança.

    “Estamos comprometidos em garantir que todos os funcionários se sintam capacitados para se manifestar se houver um problema”, ele dirá, de acordo com os comentários preparados.

    “Também temos políticas rígidas que proíbem a retaliação contra funcionários que se manifestam. É nosso trabalho ouvir, independentemente de como obtemos o feedback, e lidar com ele com a seriedade que merece”.

    Existe espaço para mudanças?

    Apesar da atenção que a audiência deverá receber, é improvável que ela produza mudanças significativas na empresa, disse Richard Aboulafia, sócio-gerente da AeroDynamic Consultancy, uma empresa de consultoria aeroespacial.

    “Nada produziu mudanças (na Boeing), exceto a frustração de um grupo de clientes de companhias aéreas. Não tenho certeza do que mudará como consequência disso. Ele (Calhoun) precisa ir embora. Ele demonstrou um forte desejo de dobrar o que é ruim”, disse Aboulafia.

    Uma investigação preliminar do incidente da Alaska Air descobriu que o avião saiu de uma fábrica da Boeing dois meses antes do incidente sem os quatro parafusos necessários para manter o plugue da porta no lugar.

    E a Boeing ainda não apresentou a documentação para identificar quem, na fábrica, instalou o plugue da porta sem os parafusos. Ela foi duramente criticada por membros do Congresso e reguladores de segurança e provavelmente enfrentará mais críticas na terça-feira.

    Calhoun já se reuniu com membros do Congresso desde o incidente com a Alaska Air, embora a portas fechadas e fez várias declarações públicas aos funcionários da Boeing e aos investidores desde o ocorrido.

    “Nós causamos o problema, e entendemos isso”, disse ele aos investidores em janeiro, durante uma chamada após a divulgação do quinto prejuízo anual consecutivo.

    “Quaisquer que sejam as conclusões (das investigações), a Boeing é responsável pelo que aconteceu. Qualquer que seja a causa específica do acidente, um evento como esse simplesmente não pode acontecer em um avião que sai de uma de nossas fábricas. Nós simplesmente precisamos ser melhores”.

    Pedidos de desculpas às famílias e aos passageiros

    Os comentários preparados por Calhoun começam com um pedido de desculpas aos familiares das vítimas de dois acidentes fatais com o 737 Max. Alguns desses familiares planejam participar da audiência.

    Entre eles, 346 pessoas morreram nos acidentes de 2018 e 2019 na Indonésia e na Etiópia, o que levou a um aterramento de 20 meses do jato para corrigir uma falha de projeto que causou os acidentes.

    “Lamentamos profundamente suas perdas. Nada é mais importante do que a segurança das pessoas que embarcam em nossos aviões. Todos os dias procuramos honrar a memória das pessoas que se perderam”, dirá em seus comentários iniciais.

    Ele também planeja pedir desculpas novamente aos passageiros e à tripulação do voo da Alaska Air em janeiro.

    “Lamentamos profundamente o impacto que o acidente do voo 1282 da Alaska Airlines teve sobre a equipe da Alaska Airlines e seus passageiros, e somos gratos aos pilotos e à tripulação por terem pousado o avião em segurança. Somos gratos pelo fato de não ter havido fatalidades”, dirá.

    Mas os especialistas dizem que foi pura sorte o fato de ninguém ter morrido no incidente do começo do ano.

    Essa pode muito bem ser a única vez que Calhoun testemunhará no Capitólio. Ele anunciou planos de se aposentar antes do final deste ano, mas se sucessor ainda não foi escolhido.

    Além da audiência de terça-feira e das inúmeras investigações federais que enfrenta, a empresa ainda pode ser responsabilizada criminalmente pelo processo de certificação original do 737 Max.

    Em janeiro de 2021, a Boeing concordou com um período probatório, que adiou qualquer processo sobre essas acusações e que a teria isentado de responsabilidade criminal nos acidentes.

    Mas o incidente de 5 de janeiro a bordo do voo da Alaska Air ocorreu poucos dias antes do fim do período de experiência. Em maio, o Departamento de Justiça notificou a Boeing de que agora ela estava sujeita a um processo criminal.

    A companhia aérea negou que o incidente tenha violado o acordo de processo diferido e está contestando qualquer possível responsabilidade criminal no tribunal. Os membros da família que planejam comparecer à audiência de terça-feira dizem que querem que a Boeing seja processada criminalmente.

    Blumenthal disse à CNN na terça-feira que reservará seu julgamento sobre se a Boeing é culpada de má conduta criminal, mas que “acho que há cada vez mais evidências, talvez evidências esmagadoras agora, de que a acusação deve ser feita”.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original