Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    CEOs ganham quase 200 vezes mais do que os trabalhadores

    CEO de varejista de roupas ganhou 2.100 vezes mais que seu funcionário médio em 2023

    Matt Eganda CNN Nova York

    Os patrões sempre ganharam mais dinheiro do que os trabalhadores. Mas o fosso entre CEOs e funcionários está aumentando à medida que o mercado de ações dos Estados Unidos cresce.

    O CEO médio do S&P 500 recebeu 196 vezes mais que o funcionário médio em 2023, de acordo com uma análise da Equilar e da Associated Press.

    Isso representa um aumento em relação à proporção de 185 em 2022.

    A crescente divisão é impulsionada pelo fato de a remuneração dos CEO – que está intimamente ligada aos preços das ações – estar aumentando notavelmente mais rapidamente do que a dos empregados. Muitos trabalhadores estão, de fato, lutando para acompanhar o custo de vida.

    O salto só em 2023 foi significativo. A remuneração total média dos CEOs do S&P 500 (incluindo prêmios em ações) disparou para US$ 16,3 milhões em 2023 – um enorme aumento ano a ano de 12,6%, em comparação com apenas 0,9% em 2022.

    Os trabalhadores também ganharam mais dinheiro, mas em um ritmo muito mais lento. O funcionário médio do S&P 500 ganhou US$ 81.467 no ano passado, um aumento de 5,2% em relação a 2022, disse o relatório.

    Dito de outra forma: o aumento salarial anual foi de cerca de US$ 4.300 para os trabalhadores. Para os CEOs, foram US$ 1,5 milhão extras.

    Essas descobertas provavelmente são frustrantes para os funcionários que enfrentam custos elevados em tudo, desde mantimentos e creches até seguros de automóveis. A taxa de inflação nos Estados Unidos caiu, mas permanece acima do normal.

    Os contracheques estão crescendo mais rapidamente do que os preços, uma reviravolta em relação a 2021 e 2022. No entanto, os trabalhadores ainda sofrem com o impacto cumulativo de três anos de inflação elevada.

    Os americanos estão gastando US$ 1.015 a mais por mês do que em 2021 com a mesma cesta de bens e serviços, de acordo com a Moody’s Analytics. O aumento nos custos engole quase completamente o ganho nas receitas, que subiram US$ 1.109 por mês durante esse período, disse a Moody’s.

    Boom do mercado

    A remuneração do CEO está intimamente relacionada ao destino do mercado de ações. Embora a maioria dos CEOs ganhe um salário e receba vantagens, a maior parte de sua remuneração total vem normalmente de recompensas em ações.

    As premiações em ações representaram cerca de 70% da remuneração total no ano passado, de acordo com o estudo Equilar.

    Dado o aumento do mercado de ações, a premiação média em ações aumentou 10,7%, para US$ 9,4 milhões, concluiu o relatório.

    No ano passado, o S&P 500 disparou 24%, enquanto os investidores deram um suspiro de alívio por a economia não ter mergulhado numa recessão e aguardavam com expectativa potenciais cortes nas taxas de juro por parte do Federal Reserve. O Nasdaq subiu 43% no ano passado, impulsionado pelo boom da inteligência artificial.

    Embora a inflação persistente tenha impedido o Fed de baixar as taxas até agora este ano, o S&P 500 subiu mais 11% desde o início do ano, atingindo máximos históricos. Isso sugere que os pacotes de remuneração dos CEOs podem ficar ainda maiores este ano.

    CEO de US$ 162 milhões

    Nenhum CEO no S&P 500 chegou perto do salário total do CEO da Broadcom, Hock Tan, que arrecadou US$ 161,8 milhões no ano passado.

    O enorme pagamento de Tan foi alimentado quase inteiramente por prêmios em ações, depois que o preço das ações da Broadcom quase dobrou no ano passado. A remuneração do CEO da Broadcom dobrou em 2023, deixando-o com 510 vezes o salário médio dos funcionários da empresa.

    O próximo CEO da lista em termos de remuneração no ano passado foi o da FICO, William Lansing, de acordo com a Equilar. A remuneração total de Lansing atingiu US$ 66,3 milhões no ano passado.

    Já o presidente executivo da Apple, Tim Cook, foi o terceiro CEO mais bem pago no S&P 500, arrecadando US$ 63,2 milhões no ano passado, 672 vezes o salário médio do funcionário da Apple, de US$ 94.118.

    A disparidade salarial é ainda maior em algumas empresas que dependem de trabalhadores horistas e de meio período.

    Por exemplo, Barbara Rentler, CEO da varejista de roupas Ross Stores, recebeu US$ 18,1 milhões em remuneração total no ano passado. O funcionário médio de Ross – um associado de meio período de uma loja de varejo por hora – ganhava US$ 8.618. Isso significa que Rentler ganhou 2.100 vezes mais que seu funcionário médio.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original