Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    O que se sabe até o momento sobre a greve de trabalhadores de montadoras, que entra no 4º dia

    Sem acordo alcançado até o término do contrato, o sindicato iniciou greves direcionadas contra três instalações – uma de cada empresa

    Trabalhadores abandonaram o trabalho, fazendo piquetes do lado de fora das fábricas na manhã de sexta-feira (15)
    Trabalhadores abandonaram o trabalho, fazendo piquetes do lado de fora das fábricas na manhã de sexta-feira (15) Getty Images

    Chris IsidoreVanessa Yurkevichda CNN

    A indústria automobilística dos Estados Unidos enfrenta um desafio histórico.  Os contratos do United Auto Workers – UAW (Sindicato dos Trabalhadores Automotivos em tradução literal) expiraram às 23h59 (horário do leste dos EUA) de quinta-feira.

    Os contratos abrangeram 145.000 membros do UAW das três empresas General Motors, Ford e Stellantis, que fabricam veículos das marcas Jeep, Ram, Dodge e Chrysler para a América do Norte.

    Sem acordo alcançado até o término do contrato, o sindicato iniciou greves direcionadas contra três instalações – uma de cada empresa. Veja a seguir o que você deve saber agora que a greve começou:

    Quais fábricas estão em greve?

    O presidente do UAW, Shawn Fain, anunciou que os trabalhadores de uma fábrica da GM em Wentzville, Missouri; uma fábrica da Stellantis em Toledo; e uma fábrica da Ford em Wayne, Michigan – entrariam em greve.

    Os trabalhadores abandonaram o trabalho, fazendo piquetes do lado de fora das fábricas na manhã de sexta-feira (15).

    A greve nessas três fábricas vai interromper a produção de alguns veículos específicos, incluindo a picape Ford Ranger e o SUV Bronco, o Jeep Wrangler e a picape Chevrolet Colorado. Mas o impacto poderia ter sido muito maior, mesmo com apenas algumas fábricas sendo atingidas.

    As empresas operam uma rede complexa de fábricas que dependem da obtenção de peças de diferentes instalações.

    Retardar ou interromper a produção de algumas fábricas de motores ou transmissões em cada empresa poderia ser tão eficaz para interromper as operações quanto uma greve total em todas as fábricas, de acordo com especialistas do setor.

    Tomar um local por empresa pode ser o suficiente para fechar quase três quartos das fábricas de montagem dos EUA, disse Jeff Schuster, chefe global do setor automotivo da GlobalData, uma consultora do setor.

    “Duas fábricas por empresa, você pode praticamente deixar a América do Norte ociosa”, disse ele.

    A interrupção das linhas de montagem das empresas provavelmente aconteceria em menos de uma semana, disse Schuster.

    Uma vantagem de uma greve direcionada para o sindicato é o potencial de poupar recursos e prolongar uma possível paralisação. Os membros do sindicato em greve têm direito a receber US$ 500 por semana do fundo de greve do sindicato.

    Se todos os 145 mil membros do UAW entre os três fabricantes de automóveis fizessem greve ao mesmo tempo, isso poderia custar ao fundo mais de US$ 70 milhões por semana, drenando o fundo de US$ 825 milhões.

    Com greves direcionadas, é possível que as empresas encerrem as operações e demitam membros que não estão tecnicamente em greve. Isso poderia torná-los elegíveis para receber subsídios de desemprego estatais em vez de benefícios de greve, o que poderia preservar os recursos do sindicato.

    Os grevistas não têm direito ao subsídio de desemprego, mas os trabalhadores que estão em dispensa temporária podem receber os benefícios, que variam consoante o estado, mas seriam inferiores ao salário de greve de US$ 500 do sindicato.

    Um funcionário da Ford disse a jornalistas s na quinta-feira que, de acordo com a lei estadual, os trabalhadores em Michigan e Ohio não seriam elegíveis para receber seguro-desemprego se fossem demitidos devido à falta de peças em suas fábricas causada por uma greve. Existem alguns outros estados, como Kentucky e Tennessee, onde poderiam receber benefícios de desemprego, segundo as autoridades.

    Mas as empresas afirmaram que qualquer trabalhador despedido porque a greve interrompeu as operações nas suas instalações não seria elegível para o chamado “sub-pagamento”, que normalmente recebem durante despedimentos temporários.

    O sub-pagamento é muito mais lucrativo, cobrindo a maior parte da diferença entre o subsídio de desemprego, normalmente inferior a US$ 300 por semana, e o salário normal da empresa, que pode rondar os US$ 1.300 por semana.

    O sindicato prometeu lutar para que os membros demitidos tenham todos os benefícios que merecem.

    Como estão as negociações?

    Todas as três empresas afirmam que agora oferecem um aumento de 20% durante a vigência do contrato, com um aumento de 10% no início. O sindicato começou com uma exigência imediata de 20% e quatro aumentos adicionais de 5% cada ao longo de um acordo de quatro anos.

    Todas as montadoras emitiram declarações dizendo que querem chegar a acordos trabalhistas provisórios para acabar com as greves o mais rápido possível.

    A CEO da GM, Mary Barra, enviou uma carta aos funcionários na quinta-feira dizendo que a última oferta da empresa agora inclui um aumento de 20%, com um aumento salarial imediato de 10%.

    Os funcionários temporários com salários mais baixos receberiam US$ 20 por hora, o que representa um aumento de 20% em relação aos atuais US$ 16,67 por hora que recebem.

    “Estamos trabalhando com urgência e propusemos mais uma oferta cada vez mais forte com o objetivo de chegar a um acordo esta noite. Lembre-se: tivemos greve em 2019 e ninguém ganhou”, disse ela na carta.

    O CEO da Ford, Jim Farley, disse à CNN que a oferta da Ford de um aumento de 20% durante a vigência do contrato é a oferta mais lucrativa que a empresa fez ao sindicato nos 80 anos em que está lá.

    Mas ele disse que atender às exigências do sindicato de um aumento de quase 40%, juntamente com uma semana de trabalho de quatro dias e outras melhorias nos benefícios, teria sido inacessível.

    Farley culpou o sindicato pela falta de progresso nas negociações. Mas o sindicato culpou as empresas por esperarem até ao final de Agosto ou início de Setembro para fazerem as suas primeiras contrapropostas.

    O sindicato apresentou o pedido de aumento de 40% com base no aumento salarial dos CEOs das três montadoras nos últimos quatro anos. Os salários do CEO da Ford aumentaram 21%, de US$ 17 milhões para o antecessor de Farley, Jim Hackett, em 2019, para US$ 21 milhões para Farley no ano passado. (Farley é o mais mal remunerado dos três CEOs.)

    O sindicato continuou insistindo que todas as empresas de automóveis podem dar-se ao luxo de satisfazer as exigências devido aos seus lucros recordes ou quase recordes.

    “O custo da mão de obra de um veículo é de 5% do veículo”, disse Fain à CNN durante uma manifestação em frente à fábrica da Ford em Michigan.

    “Eles poderiam duplicar os nossos salários e não aumentar os preços dos veículos, e ainda assim ganhariam bilhões de dólares. É uma mentira como tudo o que sai da boca deles.”

    A raiva aumenta, especialmente na Stellantis

    A Stellantis está recorrendo mais a trabalhadores temporários com salários mais baixos do que os outros fabricantes de automóveis. Eliminar, ou pelo menos limitar a utilização, de trabalhadores temporários é uma questão importante para o sindicato.

    E ainda há mais raiva contra a Stellantis do que contra outras montadoras depois que ex-executivos da empresa foram pegos dando subornos a ex-funcionários sindicais, observou Art Wheaton, diretor de estudos trabalhistas da escola de Relações Industriais e Trabalhistas da Universidade Cornell, em Buffalo.

    Muitos dos membros que estão irritados com o escândalo de corrupção que resultou na prisão de dois presidentes recentes do UAW também estão irritados com Stellantis.

    A promessa de prevenir a corrupção dentro do sindicato foi uma das principais questões na campanha que Fain empreendeu para se tornar o primeiro presidente sindical eleito pelo povo há cinco meses.

    Fain também já trabalhou para a Chrysler, a antecessora da Stellantis, e esteve envolvido em negociações trabalhistas controversas com a empresa antes mesmo de ser eleito presidente.

    Veja também: Dólar cai com expectativa para decisões de juros nos EUA

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original