Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Orçamento de 2024 prevê crescimento do PIB de 2,3% e salário mínimo sem aumento real, de R$ 1.389

    Diretrizes da primeira peça orçamentária do governo Lula não prevê aumento real do salário

    Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO) de 2024 foi entregue há pouco ao Congresso Nacional
    Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO) de 2024 foi entregue há pouco ao Congresso Nacional Marcello Casal Jr/Agência Brasil

    Fernando Nakagawada CNN

    O governo Lula apresentou nesta noite a primeira proposta de Orçamento. As diretrizes para as contas públicas no próximo ano indicam um cenário otimista do governo com crescimento da economia de 2,3% em 2024.

    A expectativa do governo é bem superior a do mercado financeiro, que espera expansão do Produto Interno Bruto (PIB) inferior a 1,5%.

    Para o próximo ano, o governo não prevê, por enquanto, aumento real do salário mínimo, que está estimado em R$ 1.389 em 2024. A partir de 1º de maio, o mínimo será de R$ 1.320.

    O texto menciona que essa projeção do mínimo leva em conta apenas a correção da inflação prevista até dezembro de 2023 pelo INPC – índice oficial que corrige o salário.

    “Eventuais novas regras de reajuste, que prevejam aumentos reais para o salário mínimo, serão oportunamente incorporadas ao cenário fiscal quando da elaboração da lei orçamentária anual”, cita o documento do Ministério do Planejamento. Ou seja, eventual política de reajuste real poderá ser atualizada à frente.

    O Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO) de 2024 foi entregue há pouco ao Congresso Nacional. O documento de 990 páginas prevê os parâmetros do primeiro Orçamento desenhado integralmente pelo governo de Luiz Inácio Lula da Silva.

    Nesse documento, o Ministério do Planejamento trabalha com a expectativa de inflação de 3,5% no próximo ano. Novamente, a expectativa é mais otimista que o mercado que espera alta de 4,13%, conforme a última pesquisa Focus realizada pelo Banco Central com o mercado financeiro.